rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Governo Itália Eleições União Europeia

Publicado em • Modificado em

Itália: novo chefe de governo pró-austeridade vai preparar país para novas eleições

media
O chefe de governo interino da Itália, Carlos Cottarelli REUTERS

O presidente italiano, Sergio Mattarella, designou nesta segunda-feira (28) o economista Carlo Cottarelli, ex-funcionário do Fundo Monetário Internacional (FMI), como chefe de governo da Itália.


O anúncio foi feito pelo secretário-geral da presidência, Ugo Zampetti. No último domingo, o advogado Giuseppe Conte renunciou e desistiu de formar um Executivo com o partido antissistema Movimento 5 Estrelas (M5E) e o partido de ultradireita Liga, porque Matarella vetou a nomeação de um octagenário eurocético para a pasta da Economia.

O economista Carlo Cottarelli anunciou que dirigirá um governo "neutro" que garanta a organização de novas eleições "no mais tardar no início de 2019". "Vou me apresentar diante do Parlamento com um programa que, se receber o voto de confiança, prevê apenas a aprovação da lei orçamentária", afirmou.

Se não obtiver o voto de confiança no Parlamento, Cottarelli convocará novas eleições ainda em 2018, esclareceu. Atualmente, o único partido que apoia Cottarelli é o Democrata, de centro-esquerda, o que coloca em risco sua gestão.

Contas públicas sob controle

Carlos Cottareli, ex-funcionário do Fundo Monetário Internacional (FMI) por quase 30 anos, assegurou que a situação financeira do país estava atualmente “sob controle”, e prometeu uma “gestão rigorosa”. Ele é conhecido como "Senhor Tesouras" pelo cortes nas contas públicas.

Ele ainda explicou que um dos objetivos do seu governo é trabalhar lado a lado da União Europeia. “Um diálogo com a Europa para defender nossos interesses é essencial. Podemos melhorar. Deve ser um diálogo construtivo, reconhecendo que, sendo a Itália um dos países fundadores do bloco, nosso papel continua essencial”.

Após a designação de Cotarelli, o "spread", ou seja, a diferença entre os rendimentos dos títulos com vencimento em 10 anos na Itália e Alemanha, que havia alcançado na manhã de segunda-feira o maior nível desde novembro 2013, a 233 pontos, caiu ao meio-dia para 192. A Bolsa da Itália operava em queda de 1,4% no meio da jornada, uma consequência da preocupação dos mercados com a situação política na Itália.