rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Itália: eleitores desaprovam rejeição do voto popular em escolha de chefe de governo

O novo primeiro-ministro italiano, Carlo Cottarelli, 63 anos, apresenta nesta terça-feira (29) sua equipe de ministros formada por técnicos que não fazem parte da cena política. Se o novo executivo não obtiver o apoio do Parlamento, os italianos devem voltar às urnas em setembro.

Gina Marques, correspondente da RFI em Roma

Segundo as primeiras pesquisas, cerca de 65 % dos italianos estão insatisfeitos com a decisão do presidente da República, Sergio Matarella, que rejeitou o voto popular e o governo proposto pelos populistas da Liga e do Movimento 5 Estrelas.

Os dois partidos venceram as eleições legislativas e defendiam que Paolo Savona fosse o ministro da Economia. Ele é conhecido por ser extremamente crítico ao euro e contrário ao rigor imposto pelo governo da Alemanha.

A escolha incomodou o presidente Matarella, que viu no economista Carlos Cottarelli sua única alternativa. No entanto, esse governo formado por técnicos e comandado por Cottarelli, ex-diretor executivo do FMI para Itália durante 30 anos, pode gerar ainda mais instabilidade política caso ele não obtenha o voto de confiança do Parlamento.

Na Câmara dos Deputados, Cottareli precisará de 316 votos a favor, e no Senado 161. A única bancada favorável é a do Partido Democrático e não é suficiente. O primeiro-ministro designado já declarou que, sem apoio, vai convocar eleições a partir de setembro. Enquanto isso, a Liga e o Movimento 5 Estrelas convocaram manifestações em todo o país para o próximo final de semana.

Mercado reage com ceticismo

Nesta manhã, os mercados reagiram mal. A diferença entre os rendimentos dos títulos com vencimento em 10 anos na Itália e Alemanha, chamado “spread”, alcançou 260 pontos, o maior nível desde novembro 2013. A Bolsa de Valores de Milão abriu em baixa.

A preocupação dos mercados com a situação política na Itália pesa também no valor da moeda europeia: o euro perde em relação ao dólar. Os mercados asiáticos estão interpretando a situação política italiana como um referendo para sair da zona do euro. Esta hipótese provoca desconfiança nos investidores e abala outros países europeus, onde os juros também dispararam para títulos de longo prazo.

O objetivo do presidente Matarella é acalmar os mercados e realizar uma reforma financeira necessária para que a Itália coloque suas contas em ordem. Porém, sem o voto de confiança do parlamento, os economistas acreditam que haverá um aumento do imposto sobre o valor agregado, o IVA, que hoje na Itália é de 22% e passaria a 24%.

Com o eventual reajuste, o custo de vida dos italianos aumentará e o consumo poderá diminuir, com efeitos sobre a economia do país. O volume de exportações italianas é maior do que as de importações. Mas esta não é a primeira crise política da Itália. Nos últimos 70 anos, o país já trocou 64 vezes o governo. No entanto, é a terceira maior economia da União Europeia. A prioridade é aprovar a lei do orçamento de 2019.

 

Extrema direita alemã cria plataforma para controlar debate político nas escolas

Jornalista saudita teria sido torturado por sete minutos, diz imprensa turca

Em momento conturbado na Arábia Saudita, Brasil enfrenta Argentina em amistoso

Merkel perde maioria na Baviera e extrema direta entra no parlamento regional

Trump pressionado para agir contra a Arábia Saudita em caso de jornalista desaparecido

Turquia divulga imagens de agentes sauditas suspeitos da morte de jornalista

Favorito, Bolsonaro foca no Nordeste de Lula e Haddad aposta no 2° turno

Justiça americana vive momento decisivo na disputa entre conservadores e liberais

Tentando reaproximação com Merkel, Erdogan é recebido com protestos em Berlim

Protestos contra padre acusado de abuso sexual marcam visita do Papa aos países bálticos