rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Por que a entrada da Colômbia na Otan preocupa latino-americanos?

O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, está em Bruxelas nesta quinta-feira (31) para formalizar um acordo de cooperação com a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan). O ingresso do país sul-americano, mesmo na condição de "sócio global" da aliança atlântica, preocupa os países vizinhos. 

Letícia Fonseca, correspondente da RFI em Bruxelas

Alguns especialistas latino-americanos acreditam que a cooperação pode ser interpretada como uma decisão de continuar bloqueando a influência venezuelana na região. Mas, em geral, a parceria colombiana com a aliança militar é vista como um alarme para a América Latina. Seria um sinal de que os Estados Unidos, ao lado dos europeus, estariam dispostos a interferir em questões sul-americanas. 

Em junho de 2013, durante o primeiro mandato do presidente colombiano Juan Manuel Santos, quando a Colômbia e a aliança militar assinaram um acordo de intercâmbio de informação e segurança, vários governos vizinhos mostraram preocupação, inclusive o Brasil, na época governado por Dilma Rousseff. Desta vez, o governo Temer preferiu não comentar, argumentando ser uma “questão soberana” da Colômbia. 

Já a Venezuela voltou a reprovar a cooperação militar. Caracas afirmou que a parceria com a Otan viola acordos bilaterais e regionais assinados pela Colômbia com organizações como a União das Nações Sul-Americanas (Unasul) e a Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac) que declararam a região “zona de paz”.

Discurso antagônico de Santos

A Colômbia é o primeiro país sul-americano concluir um acordo de cooperação com a Otan. Ao receber o Prêmio Nobel, há dois anos, pelo acordo de paz assinado com as Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia), o presidente colombiano, Juan Manuel Santos, afirmou que, com o acordo, “a América é uma zona de paz do Alasca à Patagônia”. 

Nesta quinta-feira, ao formalizar a parceria de seu país com a Otan, o discurso é bastante antagônico. Um dos possíveis motivos desta cooperação poderia ser o medo dos Estados Unidos da influência russa na Venezuela. 

O governo de Caracas está extremamente frágil e as relações entre os presidentes Nicolás Maduro e Vladimir Putin se fortalecem cada vez mais. A Venezuela importa armas russas e Moscou apoia a construção de uma fábrica de metralhadoras e munições em território venezuelano. Washington receia que esta relação se aprofunde em uma aliança estratégica. 

Interesse mais americano que europeu

No acordo entre a Colômbia e a Otan não está prevista nenhuma cooperação muito avançada com bases e exercícios militares, mas o fortalecimento do papel dos Estados Unidos através da aliança militar em questões de segurança na América Latina é altamente simbólico.

A Europa também tem interesse na Colômbia. Por exemplo, a União Europeia criou um fundo fiduciário para apoiar o processo de paz na Colômbia. Mesmo assim, a entrada da Otan na Colômbia deve ser um interesse americano mais do que europeu. 

Ao usar a aliança atlântica, os Estados ficam um pouco menos expostos. Para os europeus, concordar com esta iniciativa pode ser uma maneira de encorajar Washington a permanecer engajada na Otan. No entanto, o papel dos americanos na aliança atlântica tem sido muito questionado, principalmente durante a administração do presidente americano, Donald Trump.

Como será a parceria da Colômbia com a aliança atlântica

A cooperação em assuntos relacionados à segurança eletrônica, marítima, crime organizado e terrorismo que será formalizada entre a Colômbia e Otan nesta quinta-feira, na sede da aliança militar, em Bruxelas, começou em 2013. Desde então, o Ministério de Defesa colombiano participou um programa da organização que ajuda países a melhorarem a transparência e a prestação de contas em suas instituições de defesa. 

A Colômbia permitiu que a Otan trabalhasse em profundidade na instituição militar local e levou equipes a cursos da aliança militar na Alemanha e no Instituto de Defesa da Otan, em Roma, na Itália. Representantes da Colômbia também estiveram em inúmeras conferências militares de alto nível relacionadas à organização. Em 2015, a Colômbia contribuiu com um navio para a operação Ocean Shield da Otan para combater com a pirataria na região do Chifre da África. 

Outros países que fazem parte da mesma categoria “sócios globais” da Otan são Afeganistão, Austrália, Iraque, Japão, Coréia do Sul, Mongólia, Nova Zelândia e Paquistão.

Eleições na Turquia: quem são os cinco candidatos que vão enfrentar Erdogan?

Permissão para mulheres sauditas dirigirem pode impulsionar indústria automotiva

Argentina usará parte do empréstimo do FMI para conter escalada do dólar

Trump prefere jogar culpa nos democratas a assumir ônus da separação dos menores e seus pais

Candidato mais cotado à presidência da Colômbia coloca em risco acordo com as Farc

Londres: um ano após incêndio na Torre Grenfell, 68 famílias seguem sem moradia

Trump vai convencer Kim Jong-Un a abandonar o programa nuclear da Coreia do Norte?

Pipas incendiárias lançadas de Gaza destroem 20 km de plantações em Israel

Após queda de premiê, população mantém protestos na Jordânia contra austeridade

Restrições a importações de carros pode gerar guerra comercial entre Alemanha e EUA

Espanha: governo de Sánchez terá extrema-esquerda e partidos pró-independência

Governo de Rajoy é derrubado por moção de censura no Parlamento da Espanha

Veto contra lei da eutanásia em Portugal: nenhum partido quis pagar o ônus político de uma legalização

Itália: eleitores desaprovam rejeição do voto popular em escolha de chefe de governo

Espanha: um dos maiores casos de corrupção da Europa pode afastar Rajoy