rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Governo de Rajoy é derrubado por moção de censura no Parlamento da Espanha

A Espanha vive um dia histórico. O governo do conservador Mariano Rajoy foi derrubado nesta sexta-feira (1°) por uma moção de censura no Congresso. Mesmo tendo maioria no Parlamento, Rajoy não conseguiu manter apoio após escândalos de corrupção envolvendo membros de seu partido. Na semana passada, a Justiça espanhola condenou sua sigla, o Partido Popular, por corrupção ativa, com multa de € 250 milhões.
 

Luisa Belchior, correspondente da RFI em Madri

Quem assume agora o governo da Espanha é o líder da oposição, o socialista Pedro Sánchez. Isso porque foi ele quem apresentou na Câmara dos Deputados a moção de censura na semana passada

Os deputados discutem se Sánchez convoca diretamente eleições ou se segue no poder e completa a legislatura atual, que vai até o fim de 2019. Na Espanha, diz-se que o mais provável é que ele opte por seguir governando. Neste caso, ainda no sábado (2) Sánchez pode ser empossado pelo rei Feipe VI. 

A decisão da Câmara surpreendeu, porque até semana passada Rajoy tinha apoio da maioria. O que aconteceu é que por um lado, Pedro Sánchez foi costurando apoios desde a semana passada, quando apresentou a moção. Aos poucos, os partidos que apoiam Rajoy foram ficando isolados, e também constrangidos por sustentar um goveno de um partido que foi formalmente acusado de corrupção pela Justiça. A maioria sabe que isso teria um custo político e eleitoral forte, já que há uma grande rejeição neste momento ao governo derrubado. 

Líder mais impopular da Espanha

As pessoas, em geral, apoiam essa moção. Até mesmo quem defendia o governo, diz agora estar decepcionado. Rajoy deixa o comando da Espanha com a pior aprovação a um chefe de governo em toda a história democrática da Espanha. Sobretudo por conta do desgaste polítco com os casos de corrupção. 

O principal deles foi o chamado caso Gurtel, conhecido como a Lava-Jato espanhola, que desde 2009 investigava um esquema de caixa dois dentro do Partido Popular. Na semana passada, a Audiência Nacional, a mais alta corte da Justiça espanhola, encerrou a primeira fase do caso, condenando portanto o PP, embora não diretamente a Mariano Rajoy. 

O ex-chefe de governo da Espanha falou na Câmara na manhã desta sexta-feira. Ele disse que deixa o governo com a certeza de ter deixado o país melhor que quando a encontrou quando assumiu o poder. 

Rajoy governava o país desde 2011. Na época, o Partido Popular ganhou as eleições e tirou o poder das mãos do Partido Socialista, que governava com José Luis Rodríguez Zapatero. 
 

Extrema direita se reúne na Bélgica contra Pacto sobre Migração da ONU

Bolivianos fazem greve geral contra nova candidatura de Evo Morales à presidência

Israel realiza operação em túneis do Hezbollah na fronteira com Líbano

Participação do Brasil no G20 é irrelevante à espera do que fará Bolsonaro

Hong Kong: congresso condena cientista"irresponsável" que editou genes em embriões

Outdoors sobre prêmio para retorno de migrantes causam indignação na Alemanha

Itália quer impedir empréstimo de obras de Da Vinci para museu do Louvre

Fim do Airbnb na Cisjordânia reforça ações contra ocupação israelense

Trump fecha o cerco aos migrantes latino-americanos na fronteira com o México

Primeiro Foro Mundial do Pensamento Crítico da esquerda discute vitória de Bolsonaro

Brexit: Parlamento britânico está dividido sobre acordo entre May e UE

Brasileiros da Cisjordânia estão indignados com possível transferência da embaixada do Brasil para Jerusalém