rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Governo de Rajoy é derrubado por moção de censura no Parlamento da Espanha

A Espanha vive um dia histórico. O governo do conservador Mariano Rajoy foi derrubado nesta sexta-feira (1°) por uma moção de censura no Congresso. Mesmo tendo maioria no Parlamento, Rajoy não conseguiu manter apoio após escândalos de corrupção envolvendo membros de seu partido. Na semana passada, a Justiça espanhola condenou sua sigla, o Partido Popular, por corrupção ativa, com multa de € 250 milhões.
 

Luisa Belchior, correspondente da RFI em Madri

Quem assume agora o governo da Espanha é o líder da oposição, o socialista Pedro Sánchez. Isso porque foi ele quem apresentou na Câmara dos Deputados a moção de censura na semana passada

Os deputados discutem se Sánchez convoca diretamente eleições ou se segue no poder e completa a legislatura atual, que vai até o fim de 2019. Na Espanha, diz-se que o mais provável é que ele opte por seguir governando. Neste caso, ainda no sábado (2) Sánchez pode ser empossado pelo rei Feipe VI. 

A decisão da Câmara surpreendeu, porque até semana passada Rajoy tinha apoio da maioria. O que aconteceu é que por um lado, Pedro Sánchez foi costurando apoios desde a semana passada, quando apresentou a moção. Aos poucos, os partidos que apoiam Rajoy foram ficando isolados, e também constrangidos por sustentar um goveno de um partido que foi formalmente acusado de corrupção pela Justiça. A maioria sabe que isso teria um custo político e eleitoral forte, já que há uma grande rejeição neste momento ao governo derrubado. 

Líder mais impopular da Espanha

As pessoas, em geral, apoiam essa moção. Até mesmo quem defendia o governo, diz agora estar decepcionado. Rajoy deixa o comando da Espanha com a pior aprovação a um chefe de governo em toda a história democrática da Espanha. Sobretudo por conta do desgaste polítco com os casos de corrupção. 

O principal deles foi o chamado caso Gurtel, conhecido como a Lava-Jato espanhola, que desde 2009 investigava um esquema de caixa dois dentro do Partido Popular. Na semana passada, a Audiência Nacional, a mais alta corte da Justiça espanhola, encerrou a primeira fase do caso, condenando portanto o PP, embora não diretamente a Mariano Rajoy. 

O ex-chefe de governo da Espanha falou na Câmara na manhã desta sexta-feira. Ele disse que deixa o governo com a certeza de ter deixado o país melhor que quando a encontrou quando assumiu o poder. 

Rajoy governava o país desde 2011. Na época, o Partido Popular ganhou as eleições e tirou o poder das mãos do Partido Socialista, que governava com José Luis Rodríguez Zapatero. 
 

UE visa criação de centros de triagem para migrantes fora do território europeu

Eleições na Turquia: quem são os cinco candidatos que vão enfrentar Erdogan?

Permissão para mulheres sauditas dirigirem pode impulsionar indústria automotiva

Argentina usará parte do empréstimo do FMI para conter escalada do dólar

Trump prefere jogar culpa nos democratas a assumir ônus da separação dos menores e seus pais

Candidato mais cotado à presidência da Colômbia coloca em risco acordo com as Farc

Londres: um ano após incêndio na Torre Grenfell, 68 famílias seguem sem moradia

Trump vai convencer Kim Jong-Un a abandonar o programa nuclear da Coreia do Norte?

Pipas incendiárias lançadas de Gaza destroem 20 km de plantações em Israel

Após queda de premiê, população mantém protestos na Jordânia contra austeridade

Restrições a importações de carros pode gerar guerra comercial entre Alemanha e EUA

Espanha: governo de Sánchez terá extrema-esquerda e partidos pró-independência

Veto contra lei da eutanásia em Portugal: nenhum partido quis pagar o ônus político de uma legalização

Itália: eleitores desaprovam rejeição do voto popular em escolha de chefe de governo