rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Brasil-Mundo
rss itunes

Brasileira ajuda a criar novo sistema de navegação por satélite mais preciso

A doutoranda brasiliense Juliana Damaceno, 28 anos, integra um grupo de pesquisa que estuda para tornar mais eficientes e precisos os sinais de satélites para a geolocalização. Atualmente, ela faz parte do projeto Treasure, financiado pela União Europeia, que utiliza dados da rede de satélites Galileo para aperfeiçoar os Sistemas de Navegação Global por Satélite (GNSS). O objetivo é lançar um novo protótipo no mercado, que poderá ser utilizado para tornar a agricultura mais sustentável ou até mesmo em carros que viajam em segurança sem motorista.

Na sede do Instituto Nacional de Geofísica e Vulcanologia (INGV) em Roma, Juliana estuda uma parte da atmosfera que hoje é o grande desafio a ser superado pelos cientistas da geolocalização: a ionosfera. O contínuo construir e desconstruir do plasma de íons que compõe a ionosfera interfere na precisão dos satélites.

“A ionosfera traz 5 metros de erro e é considerada o maior fator de erro e eu estou estudando a ionosfera, estou criando um modelo para o conteúdo total de elétrons e cintilação dessa camada. Estou começando esse modelo a partir de um projeto iniciado no Brasil: esse projeto se chama CALIBRA e é um acrônimo em inglês para Atenuação das Limitações nas Aplicações GNSS de Alta Acurácia devido aos distúrbios ionosféricos no Brasil. Durante o projeto foi montada uma rede de receptores apropriados para o estudo da ionosfera com os índices do conteúdo total de elétrons e índices de oscilação ionosférica e eu começo meu estudo a partir desse projeto”.

Juliana quer encontrar um modo para evitar essa variação de 5 metros, o que é uma distância estelar para os estudiosos e também para nós, aqui na superfície da Terra.

Juliana Damaceno, 28 anos, integra um grupo de pesquisa que estuda para tornar mais eficientes e precisos os sinais de satélites para a geolocalização. R. Belincanta

Afinal, encontrar a estrada mais rápida ou compartilhar uma posição com o celular virou uma necessidade cotidiana. E isso, hoje, acontece graças a um sistema muito conhecido e também impreciso, o GPS.

“O GPS dos Estados Unidos, que foi o primeiro sistema a ser desenvolvido permanece em funcionamento junto com o russo GLONASS e, desde dezembro de 2016 temos o sistema europeu Galileo, no qual o meu projeto é focado. Já o sistema chinês tem dois nomes: COMPASS ou BEIDOU, que deve estar em pleno funcionamento até 2020. Para que cada constelação funcione é preciso ter pelo menos 24 satélites”, explica Juliana.

Uma vez que os sistemas de geolocalização são militares, os países podem a qualquer momento decidir de interromper as concessões bloqueando o sinal. O sistema europeu Galileo é o único a promover um sistema de navegação de uso civil e pode ajudar a superar os efeitos de perda de precisão justamente no Brasil, completamente coberto pela Anomalia do Atlântico Sul, onde a radiação cósmica é a maior do planeta e os satélites ficam às cegas.

“A acurácia é de grande importância no Brasil como, por exemplo, na estabilização das embarcações de petróleo. No Brasil, existem vários pesquisadores que estudam a ionosfera mas que, infelizmente, não têm muito financiamento para realizar a manutenção dessas redes ou até mesmo para contratar bolsistas para a pesquisa espacial. Apesar do Treasure ter foco na Europa com o Galileo, ele é um projeto global. Então, se melhorarmos aqui, também no Brasil teremos melhorias”, antecipa.

Os estudos estão somente no início e dentro de três anos são esperados os primeiros resultados concretos. Porém, o mercado já está interessado em conhecer os resultados do protótipo que será criado.

“O interesse do mercado seria na redução de custos como, por exemplo, na agricultura. Teríamos a redução do uso de insumos por meio da racionalização guiada. Por meio dos satélites ‘diremos’ ao trator: coloque o insumo nesta posição e nesta quantidade. Com isso, melhora o preço para todo o mercado e de alguma forma melhora o meio ambiente”, explica.

Juliana ainda arrisca um outro uso para a futura tecnologia, que poderá revolucionar o modo como nos locomovemos.

“Você pode ter a opção de um veículo que se guie automaticamente: é o futuro nas nossas mãos!”.

Brasileiros que vivem em Portugal avaliam governo de esquerda, conhecido como “geringonça”

Em Los Angeles, Rafinha Bastos quer dominar a arte da comédia em inglês

Depois de palhaço e trapezista, brasileiro vira piloto de globo da morte em Dubai

Antônio Fagundes volta aos palcos portugueses com a comédia “Baixa Terapia”

Brasileiros que querem se mudar para Israel esperam resultado das eleições para tomar a decisão

Jovem cientista brasileira ajuda a criar plataforma mundial sobre alimentação

Tereza Ventura mudou-se há um ano para a Alemanha para investigar o ativismo pós-colonial

Turismo religioso leva brasileiros à Jordânia, conta a agente de turismo paranaense

Compositor brasileiro transforma "O Sétimo Selo", de Ingmar Bergman, em ópera na Suécia

Bernardo Lobo diz que seu processo de criação artística mudou para melhor em Lisboa

Nostalgia soviética é objeto de estudo de historiador brasileiro em Moscou

Na Itália, jovens de Ribeirão Preto usam a hipnose como arte e experimento social

“É melhor ser negro na Rússia do que no Brasil”, diz músico que trocou São Paulo por Kazan