rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

França União Europeia Crise migratória Mar Mediterrâneo Espanha Itália

Publicado em • Modificado em

Às vésperas da chegada do Aquarius na Espanha, outros 700 migrantes foram resgatados

media
Migrantes a bordo do Aquarius vão ser acolhidos pelas autoridades espanholas. REUTERS/Guglielmo Mangiapane

Cerca de 700 migrantes foram resgatados nesta sexta-feira (15) na costa da Espanha. A operação acontece dois antes da chegada no porto de Valência do navio Aquarius, que teve sua entrada recusada pelas autoridades da Itália e de Malta e provocou tensões entre líderes europeus.


Os migrantes resgatados estavam em uma zona próxima ao Estreito de Gibraltar, entre Marrocos e Espanha. Segundo um porta-voz das autoridades espanholas, 682 pessoas estavam divididas em 62 embarcações. Quatro cadáveres foram encontrados durante o resgate.

O anúncio da operação acontece em um momento em que a questão do acolhimento dos migrantes está novamente no centro dos debates na União Europeia. Principalmente após as tensões provocadas pela Itália, que se recusou a receber o navio Aquarius, que transportava mais de 600 pessoas.

A embarcação será finalmente recebida pela Espanha. As autoridades locais e a Cruz Vermelha estão realizando uma vasta operação para receber esses migrantes, entre eles 123 menores desacompanhados e 11 crianças de menos de cinco anos, além de seis mulheres grávidas. A situação do Aquarius quase criou um incidente diplomático no bloco, após Paris ter criticado abertamente a posição de Roma.

A ONG Médicos do Mundo, por sua vez, alfinetou a França. “Vai ficar na história o fato de que o Aquarius passou a apenas 7 km da Córsega, (território francês) e que o presidente Emmanuel Macron preferiu ‘oferecer ajuda à Espanha’ e deixar 629 pessoas mais três dias no mar”, tuitou a organização, insinuando que a ilha poderia acolher os migrantes. “Cinismo”, completou a ONG.

De acordo com dados da Organização Internacional das Migrações, desde o início deste ano, mais de 9.300 migrantes desembarcaram na União Europeia pela costa da Espanha, terceira porta de entrada marítima no continente, após a Itália e a Grécia. Mais de 200 pessoas já morreram tentando a travessia este ano.