rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Alemanha: aliados de Merkel ameaçam fechar fronteiras para imigrantes

Por RFI

Em uma reunião dos dirigentes do partido conservador CSU em Munique, os aliados de direita da chanceler alemã, Angela Merkel, estipularam um prazo de duas semanas para que o governo negocie uma solução europeia para a crise migratória. Caso contrário, o ministro do Interior, Horst Seehofer, decretará o fechamento das fronteiras em julho.

Segundo a agência alemã DPA, Angela Merkel aceitou o prazo, que corresponde à data da cúpula europeia dos dias 28 e 29 de junho, onde a questão deverá ser discutida entre os parceiros europeus. O ministro do Interior, o conservador Horst Seehofer é líder da CSU, partido coligado ao CDU de Angela Merkel, que integra a coalizão de governo alemã. Na falta de um consenso entre as duas legendas, a chanceler pode perder o mandato.

"Vamos manter nossa posição, caso a cúpula não tenha sucesso, de enviar imediatamente os imigrantes de volta para a fronteira", disse o ministro. Angela Merkel assegurou que não haverá fechamento "automático" das fronteiras da Alemanha para os solicitantes de asilo, mesmo em caso de fracasso no nível europeu.

Seehofer quer endurecer a política de refugiados. Entre as propostas desse plano está a rejeição dos imigrantes na fronteira que já tenham sido registrados em outros países europeus ou que já tenham tido o pedido de asilo negado na Alemanha. Esse controle de fronteiras violaria a atual legislação europeia, segundo especialistas.

Perda de votos para a extrema-direita preocupa conservadores

A queda de braço entre os dois principais integrantes da coalizão do governo acontece em plena campanha eleitoral do CSU para as eleições regionais no seu estado, a Baviera. Nesse pleito, o partido teme perder parte de seu eleitorado, de perfil conservador, para o Alternativa para a Alemanha (AfP), de extrema-direita.

O AfP conseguiu não só entrar no Parlamento alemão nas eleições do ano passado, mas se firmar como terceiro maior partido no Parlamento, justamente ganhando votos do eleitorado descontente com a política migratória de Angela Merkel. Mais de um milhão de pedidos de asilo foram registrados na Alemanha entre 2015 e 2016.

Essa ascensão da extrema-direita levou o CSU, do ministro Seehofer, a pressionar sua aliada Merkel e assumir uma postura mais dura em relação à política migratória. Seehofer quer agradar os eleitores de seu estado e evitar perder votos para a AfD. Muitos acusam o ministro do Interior de fazer campanha eleitoral às custas do governo alemão.

(Com informações de Márcio Damasceno, correspondente da RFI em Berlim)

 

Visto, acordos econômicos e transferência tecnológica estão na agenda de Bolsonaro nos EUA

Aniversário de 60 anos do exílio leva China a proibir turistas no Tibete até abril

Em plena campanha eleitoral, Netanyahu se envolve em briga com atriz que interpreta Mulher-Maravilha

Após obter novas garantias junto à UE, Reino Unido vota novamente acordo do Brexit

Venezuela: apagão leva Guaidó a pedir instauração do estado de emergência

Greve de mulheres espanholas exige igualdade salarial no mercado de trabalho

Vaticano faz em Manaus reunião preparatória para Sínodo da Amazônia, criticado por governo Bolsonaro

China corta impostos e anuncia "batalha" para combater desaceleração da economia

Venezuela: manifestações marcam retorno de Guaidó, que pode ser preso

Mostra em Berlim reconstrói cidades históricas sírias destruídas pela guerra

Brasil faz escolha coerente ao descartar conflito armado na Venezuela, dizem analistas

Em duelo político, Maduro e Guaidó promovem shows na fronteira entre Colômbia e Venezuela

Em cúpula sobre pedofilia, papa pede que Igreja encare a "praga dos abusos sexuais"

Cem empresários argentinos começam a depor no processo "Cadernos da Corrupção"