rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

França Alemanha Europa Fronteiras Crise migratória Bancos

Publicado em • Modificado em

França e Alemanha querem reforçar fronteiras externas europeias

media
O presidente francês, Emmanuel Macron, e a chanceler alemã, Angela Merkel, durante coletiva em Meseberg, nos arredores de Berlim, em 19 de junho de 2018. Reuters/路透社

Berlim e Paris desejam estabelecer um orçamento comum para a zona do euro e o aumento da fiscalização nas fronteiras exteriores europeias. Os dois líderes defenderam o desmantelamento das redes de tráfico humano para enfrentar a crise migratória que chega ao continente. Merkel e Macron disseram ainda em declaração conjunta nesta terça-feira (19) que o momento é “decisivo” para o bloco.


“É preciso uma resposta europeia ao desafio da migração", disse Macron a repórteres durante a cúpula europeia com a chanceler alemã, Angela Merkel, em Meseberg, nos arredores de Berlim. Segundo ele, “a Europa deve ter mais capacidade para monitorar e controlar suas fronteiras externas, mas também mais "mecanismos de solidariedade dentro e fora de nossas fronteiras diante da chegada de migrantes ", acrescentou o presidente da França.

“A Alemanha e a França querem um sistema bancário comum para a zona do Euro para se protegerem melhor contra as crises”, disse a chanceler alemã, Angela Merkel, em Berlim, nesta terça-feira (19), durante coletiva de imprensa conjunta com o presidente francês, Emmanuel Macron.

"Estamos nos comprometendo com um orçamento comum para o bloco", disse ao lado de Macron, que há muito defende o estabelecimento desta medida, segundo ele um “instrumento de solidariedade e estabilidade para os dezenove Estados da zona do euro”. “Este orçamento pode ser colocado em prática em 2021”, disse o presidente francês.

A chanceler alemã afirmou que “a ideia é tornar o sistema bancário europeu mais resistente às crises” e que “um novo acordo sobre a dívida da Grécia será decidido até quinta-feira (21)”.

“Momento decisivo”

“A Europa deve tomar uma posição em face da retórica anti-europeia e nacionalista”, completou Macron, apresentando propostas em conjunto com a chanceler alemã para reformar a União Europeia (EU). "Esta cúpula acontece em um momento decisivo para cada um dos nossos Estados e para o nosso continente. Pode ser até que seja uma escolha de civilização", completou o presidente francês, de um lado, entre "aqueles e aqueles que dizem que a Europa é boa para ser desfeita" e aqueles, como ele e Angela Merkel, que querem "fazer esta Europa avançar".