rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Grécia Austeridade FMI

Publicado em • Modificado em

Grécia sobreviveu à crise, mas saiu endividada e ainda dependente da UE

media
O vice-presidente Valdis Dombrovskis durante coletiva junto com o ministro das Finanças grego, Euclid Tsakalotos, no Ministério das Finanças em Atenas, Grécia, em 15 de junho de 2018. REUTERS/Costas Baltas

Oito anos e três programas de ajuda financeira depois – por parte dos europeus e do Fundo Monetário Internacional – a Grécia pode finalmente respirar aliviada. Os 28 ministros das Finanças da zona do euro, reunidos em Luxemburgo na quinta-feira (21) com a chefe do FMI, Christine Lagarde, afirmaram que vão acabar com a tutela imposta ao país. Uma decisão baseada no crescimento da economia grega, ainda que a nação continue no vermelho em várias áreas.


“A crise grega termina aqui, nesta noite. É um momento histórico”, comemorou o comissário europeu de Assuntos Econômicos Monetários, Pierre Moscovici. Os ministros das Finanças da zona do euro anunciaram a transferência de € 15 bilhões à Grécia, marcando o fim de uma longa série de empréstimos que começou em 2010.

A Grécia recebeu no total € 273 bilhões da União Europeia e do FMI. No dia 20 de agosto, o país sairá oficialmente da tutela financeira ligada aos programas de auxílio, após ter conduzido uma série de reformas nos impostos, na aposentadoria e no salário dos funcionários públicos.

De acordo com uma pesquisa feita pelo instituto Nielsen, 75% dos habitantes não acreditam que o país poderá sair da crise econômica nos próximos doze meses. Enquanto isso, sete a cada dez gregos continuam a fazer economias nas áreas do lazer e da indumentária. O país tem quase 1 milhão de desempregados – 43% dos jovens – para uma população de 11 milhões.

Fora da tutela, mas sob vigilância até 2022

Diante do nível astronômico da dívida pública, que chega a 178% do PIB, a Grécia também se beneficiará de medidas para reduzir o peso dos empréstimos e de prorrogações das datas dos pagamentos. Sob pressão da Alemanha, entretanto, o país deverá concluir todas as reformas prometidas para ter acesso a esse “relaxamento” no pagamento das contas.

Contraditoriamente, a saída da tutela garantirá à Grécia uma vigilância extrema até 2022, nunca vista antes na Europa. “Esse quadro de vigilância pós-programa é necessário, mas não se trata de uma ‘tutela disfarçada’”, insiste Pierre Moscovici. “Quero homenagear o povo grego por sua resiliência. Seus esforços não foram em vão”, tuitou o presidente da Comissão europeia, Jean-Claude Juncker.