rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Bélgica supera divergências internas para torcer contra o Brasil

A Bélgica se prepara para enfrentar a Seleção Brasileira pelas quartas de final da Copa do Mundo, na sexta-feira (6). O país, tradicionalmente dividido pelas divergências políticas, está unido na torcida pelos "Diabos Vermelhos".

Letícia Fonseca, correspondente da RFI em Bruxelas

Quando os Diabos Vermelhos entrarem em campo na sexta-feira, os belgas devem deixar a eterna rivalidade entre flamengos e valões de lado e torcer unidos pelo país. Nas ruas da capital Bruxelas, bandeiras enfeitam as fachadas na esperança de que a equipe nacional se classifique para a semifinal. 

Depois da virada impressionante contra o Japão, que deu a vitória ao time europeu, a febre dos fãs aumentou. Eles estão muito confiantes na seleção do país, que desde o início desta Copa não perdeu nenhum jogo. Tanto que o lema dos torcedores dos "Diabos Vermelhos" - como é chamada a equipe belga - é “a vitória ou nada”. 

O futebol está unindo a Bélgica neste momento. Porém, não há dúvida de que esse fenômeno deve durar apenas até o final da Copa do Mundo.

Bélgica, um país sui-generis

Com uma área pouco maior do que o estado de Alagoas, a Bélgica é um país sui-generis. Tem três idiomas oficiais: francês, holandês e alemão e desde sua criação, em 1830, convive com divisões históricas e barreiras linguísticas. 

Além das duas regiões – Flandres e Valônia – a capital Bruxelas, com pouco mais de 1,2 milhão de habitantes, é o principal elo de ligação entre as duas comunidades e a única região bilingue. Considerada uma das cidades mais cosmopolitas do mundo, Bruxelas tem moradores de 163 nacionalidades.

 A parte sul do país, a Valônia, é francófona; era no passado um centro de indústrias pesadas e mineração carvoeira. Hoje, a região está mergulhada em uma crise econômica, com altos índices de desemprego. 

Já Flandres, ao norte, onde se fala holandês, corresponde a cerca de 70% do PIB belga. Dinâmica e moderna, a maioria dos flamengos defende a idéia de uma Confederação, com a Bélgica se transformando em uma associação de Estados soberanos.

Rivalidade entre o norte e o sul do país

A Bélgica nasceu no século XIX como Estado-tampão entre franceses e holandeses. A Inglaterra, grande potência mundial da época, apoiou o pleito da criação deste novo país para evitar uma possível anexação da região à França, grande rival dos ingleses. 

O país vive em um aparente apartheid linguístico. Com exceção de Bruxelas, no norte, só se fala holandês e, no sul, francês. 

No passado, a Valônia era a região mais rica do país e Flandres era vista com desdém pelos valões. Atualmente, a situação é inversamente o contrário. O idioma francês é hoje, e foi no passado, a língua da monarquia e das elites burguesas belgas. Embora o conflito entre o norte e o sul se refira, sobretudo, ao idioma, há interesses econômicos por trás.

Diversidade linguística influencia o time da Bélgica

Este perfil multicultural do país também pode ser encontrado na equipe de futebol belga. Entre titulares e reservas, 12 jogadores são flamengos, 6 são valões e 5 nasceram em Bruxelas. Praticamente todos são de famílias de origem estrangeira. O técnico dos Diabos Vermelhos, Roberto Martínez, é espanhol. 

Para não dar preferência a apenas um dos idiomas oficiais da Bélgica, a seleção decidiu adotar o inglês como língua comum. Tanto no campo quanto nos vestiários, o time inteiro se comunica em inglês. 

Vários jogadores belgas conviveram com brasileiros nos clubes por onde passaram. E alguns, como o artilheiro Lukaku e o meia Axel Witsel, são fluentes em português.

Trump fecha o cerco aos migrantes latino-americanos na fronteira com o México

Primeiro Foro Mundial do Pensamento Crítico da esquerda discute vitória de Bolsonaro

Brexit: Parlamento britânico está dividido sobre acordo entre May e UE

Brasileiros da Cisjordânia estão indignados com possível transferência da embaixada do Brasil para Jerusalém

Senado italiano aprova projeto para reduzir proteção humanitária a imigrantes

Lisboa recebe Web Summit, conferência de inovação digital que reúne estrelas do setor

Moro deixa a posição de quase semideus e passa a ser ministro em cenário conturbado, diz cientista político

Para Turquia, morte de Khashoggi não poderia ter ocorrido sem ordem do alto escalão saudita

Republicanos e democratas rejeitam veto de Trump para cidadania por nascimento

Tensões geopolíticas com morte de jornalista geram incertezas à economia saudita e da região

Em meio à onda militarista de Bolsonaro, Chile e Uruguai punem insubordinações de militares