rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Bélgica supera divergências internas para torcer contra o Brasil

A Bélgica se prepara para enfrentar a Seleção Brasileira pelas quartas de final da Copa do Mundo, na sexta-feira (6). O país, tradicionalmente dividido pelas divergências políticas, está unido na torcida pelos "Diabos Vermelhos".

Letícia Fonseca, correspondente da RFI em Bruxelas

Quando os Diabos Vermelhos entrarem em campo na sexta-feira, os belgas devem deixar a eterna rivalidade entre flamengos e valões de lado e torcer unidos pelo país. Nas ruas da capital Bruxelas, bandeiras enfeitam as fachadas na esperança de que a equipe nacional se classifique para a semifinal. 

Depois da virada impressionante contra o Japão, que deu a vitória ao time europeu, a febre dos fãs aumentou. Eles estão muito confiantes na seleção do país, que desde o início desta Copa não perdeu nenhum jogo. Tanto que o lema dos torcedores dos "Diabos Vermelhos" - como é chamada a equipe belga - é “a vitória ou nada”. 

O futebol está unindo a Bélgica neste momento. Porém, não há dúvida de que esse fenômeno deve durar apenas até o final da Copa do Mundo.

Bélgica, um país sui-generis

Com uma área pouco maior do que o estado de Alagoas, a Bélgica é um país sui-generis. Tem três idiomas oficiais: francês, holandês e alemão e desde sua criação, em 1830, convive com divisões históricas e barreiras linguísticas. 

Além das duas regiões – Flandres e Valônia – a capital Bruxelas, com pouco mais de 1,2 milhão de habitantes, é o principal elo de ligação entre as duas comunidades e a única região bilingue. Considerada uma das cidades mais cosmopolitas do mundo, Bruxelas tem moradores de 163 nacionalidades.

 A parte sul do país, a Valônia, é francófona; era no passado um centro de indústrias pesadas e mineração carvoeira. Hoje, a região está mergulhada em uma crise econômica, com altos índices de desemprego. 

Já Flandres, ao norte, onde se fala holandês, corresponde a cerca de 70% do PIB belga. Dinâmica e moderna, a maioria dos flamengos defende a idéia de uma Confederação, com a Bélgica se transformando em uma associação de Estados soberanos.

Rivalidade entre o norte e o sul do país

A Bélgica nasceu no século XIX como Estado-tampão entre franceses e holandeses. A Inglaterra, grande potência mundial da época, apoiou o pleito da criação deste novo país para evitar uma possível anexação da região à França, grande rival dos ingleses. 

O país vive em um aparente apartheid linguístico. Com exceção de Bruxelas, no norte, só se fala holandês e, no sul, francês. 

No passado, a Valônia era a região mais rica do país e Flandres era vista com desdém pelos valões. Atualmente, a situação é inversamente o contrário. O idioma francês é hoje, e foi no passado, a língua da monarquia e das elites burguesas belgas. Embora o conflito entre o norte e o sul se refira, sobretudo, ao idioma, há interesses econômicos por trás.

Diversidade linguística influencia o time da Bélgica

Este perfil multicultural do país também pode ser encontrado na equipe de futebol belga. Entre titulares e reservas, 12 jogadores são flamengos, 6 são valões e 5 nasceram em Bruxelas. Praticamente todos são de famílias de origem estrangeira. O técnico dos Diabos Vermelhos, Roberto Martínez, é espanhol. 

Para não dar preferência a apenas um dos idiomas oficiais da Bélgica, a seleção decidiu adotar o inglês como língua comum. Tanto no campo quanto nos vestiários, o time inteiro se comunica em inglês. 

Vários jogadores belgas conviveram com brasileiros nos clubes por onde passaram. E alguns, como o artilheiro Lukaku e o meia Axel Witsel, são fluentes em português.

Bolsonaro quer definir texto da reforma da Previdência nesta quinta-feira

Brasil participa de conferência promovida pelos EUA para reforçar coalizão contra Irã

Começa em Madri julgamento histórico de líderes independentistas catalães

Divergências no Grupo de Contato sobre Venezuela podem dificultar saída para crise

Ernesto Araújo discute novas prioridades diplomáticas brasileiras nos EUA

Governo interino da Venezuela começa a organizar processo para novas eleições

Nos Emirados, papa Francisco defende cristãos e diálogo com outras religiões

Frio polar atrapalha cotidiano de cerca de 100 milhões de pessoas nos EUA

Novas sanções americanas aumentam importância da China na crise na Venezuela