rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Reino Unido envenenamento Novichok

Publicado em • Modificado em

Londres exige explicações da Rússia após novos envenenamentos com Novichok

media
Polícia britânica referçou a segurança na cidade de Amesbury, depois que foi confirmado que duas pessoas haviam sido envenenadas no local com o agente neurotóxico Novichok, em 5 de julho de 2018. REUTERS/Henry Nicholls

Representantes do governo do Reino Unido se reúnem em caráter de urgência nesta quinta-feira (5), após a confirmação de dois novos casos de envenenamento no país com o agente neurotóxico Novichok, depois da contaminação do ex-espião russo Serguei Skripal e sua filha, Yulia, em março. O ministro britânico da Segurança, Ben Wallace, exigiu explicações da Rússia.


"A Rússia poderia se retificar e nos dizer o que aconteceu, o que eles fizeram e nos dar respostas às perguntas que ainda fazemos", declarou Wallace à BBC na manhã desta quinta-feira. Segundo ele, é Moscou que tem "as chaves para garantir a segurança da população".

O governo russo reagiu, afirmando que Londres nunca foi favorável a uma investigação comum entre os dois países sobre o envenenamento de Skripal. "Não temos informações sobre a substância utilizada, nem sobre a forma como ela foi utilizada" indicou o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, ressaltando sua "preocupação" sobre a utilização repetida deste tipo de substância na Europa.

Casal foi encontrado inconsciente

Na quarta-feira (4), autoridades britânicas revelaram que um casal foi encontrado inconsciente no último sábado (30) em uma residência na cidade de Amesbury, no sudoeste da Inglaterra, a apenas alguns quilômetros de Salisbury, onde Skripal e sua filha foram envenenados com o Novichok. O homem e a mulher, de 44 anos, foram identificados por um amigo como Charlie Rowley e Dawn Sturgess, e estão internados em estado crítico.

Depois de realizar análises, a polícia concluiu que ambos foram expostos à mesma substância que Skripal e Yulia. Os serviços antiterroristas passaram a dirigir a investigação após os exames no laboratório militar de Porton Down identificarem o veneno.

Os investigadores se concentram agora em determinar se o casal teve contato com o mesmo lote do agente neurotóxico que envenenou Skripal e Yulia. Segundo as autoridades, não há nenhuma explicação, até o momento, para que essas duas pessoas tenham sido alvo de um ataque.

Novichok é fabricado na Rússia

Em março, o governo britânico declarou que o ataque de Salisbury foi cometido com um agente nervoso da família Novichok, fabricado em laboratórios militares russos. Para as autoridades do Reino Unido, só há duas opções: que Moscou utilizou a substância de propósito, ou que perdeu o controle do veneno.

Skripal é um antigo coronel dos serviços secretos militares russos, condenado por traição por passar segredos aos ingleses, que acabou se instalando na Inglaterra após uma troca de espiões. No entanto, o Kremlin sempre negou qualquer envolvimento no caso.

O incidente gerou uma crise diplomática entre a Rússia e o Reino Unido, com uma onda de expulsões de diplomatas por Londres e seus países aliados, de um lado, e de Moscou, de outro. Apesar de Serguei e Yulia Skripal terem sobrevivido ao ataque, o envenenamento do pai e da filha nunca foi esclarecido.