rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

"Nem sempre o melhor vence", alfineta capitão croata depois da final contra a França

Por Elcio Ramalho

A festa que tomou conta da França com a conquista do segundo título de campeão mundial de futebol começou com o apito final da partida disputada neste domingo (15), em Moscou. Na saída do estádio Luzhniki, não apenas os franceses festejaram. Os torcedores croatas, apesar da derrota, também saíram comemorando a melhor campanha já realizada pelo país na Copa do Mundo.

Foi uma explosão de alegria nas arquibancadas onde milhares de franceses acompanharam a final em Moscou. A cerimônia da premiação aconteceu debaixo de muita chuva com a presença do presidente francês Emmanuel Macron. Foram muitas fotos dos campeões no gramado com a taça, mas ficou faltando a tradicional volta olímpica para apresentar o troféu aos espectadores.

Nada que tirasse o brilho de uma conquista que nem todos consideraram merecida. O capitão da Croácia, Luka Modric, eleito Bola de Ouro da Copa, alfinetou de leve os adversários dizendo que no futebol nem sempre o melhor vence. Modric estava visivelmente desconfortável na hora de tirar fotos com o atacante francês Mbappé. Aos 19 anos, ele foi eleito jogador revelação do torneio e se tornou o segundo atleta mais jovem depois de Pelé a marcar na final de uma Copa.

O jovem prodígio francês estava no grupo de jogadores que invadiu a sala de imprensa quando o treinador Didier Deschamps começaria a falar com os jornalistas. Foi uma nova demonstração da admiração pelo técnico considerado um dos grandes responsáveis por essa conquista. Mas para ele, o sucesso deve ser atribuído à atitude mental e psicológica dos jogadores. “Meu maior orgulho com essa equipe é que eles conseguiram ter um estado de espírito. E a mensagem que eu sempre martelei foi: Não desistir nunca”.

Deschamps entrou para a história também como terceiro homem depois do brasileiro Zagalo e do alemão Beckenbauer a erguer troféus de campeão do mundo como jogador e como treinador. Ele lembrou que sua conquista 20 anos atrás estará gravada para sempre na memória, principalmente por ter sido na França, mas valorizou a segunda estrela conquistada: “O que eles fizeram foi tão bonito e forte quanto em 98”.

Equipe croata fez melhor campanha da história

Em ampla maioria no estádio Luzhniki, vestidos com a inconfundível camiseta quadriculada de vermelho e branco, os torcedores da Croácia demoraram para deixar o local. Com muitos cantos e gritos de guerra, eles expressaram todo o orgulho pela seleção que fez a melhor campanha da história do pequeno país do leste europeu de 4 milhões de habitantes.

A jovem Ivanka Smojver estava emocionada. “Não posso dizer que estou triste. Eles jogaram demais do primeiro ao último segundo. É prata, mas o brilho é de ouro”, disse a torcedora Ivanka Smojver. Outro, torcedor, MIslav, veio da Croácia para a final. “Eles fizeram um grande torneio, todo muito está feliz e orgulhoso. Ele obtiveram um grande resultado”, disse.  Mislav, que veio da Croácia assistir ao jogo.

Até muitos brasileiros que compraram ingresso para a final, se comoveram com os croatas, como a paulista Mariana Vieira. “É muito bonito ver a festa e o orgulhos que eles têm da Croácia, foi lindo. A gente fica triste pelo Brasil, mas feliz em ver essas seleções saindo vitoriosas”, afirmou Mariana Viera, de São Paulo.

Vídeo-arbitragem

Foi a primeira Copa com o recurso da vídeo arbitragem, conhecida pela sigla Var, em inglês. Segundo o presidente da Fifa, o balanço foi positivo e confirma a evolução no futebol, embora seu uso tenha sido ferozmente criticado por treinadores como o português Carlos Queiroz, do Irã. Mas não se pode negar que a tecnologia corrigiu injustiças e foi decisiva para mudar o resultado de muitas partidas.

Na final, por exemplo, o recurso favoreceu a marcação de um pênalti para a França. A Copa russa também foi cheia de boas e más surpresas, como as eliminações precoces de várias seleções campeãs mundiais. Em entrevista à RFI, o ex-jogador e atualmente comentarista Casagrande fala de uma nova hierarquia no futebol.

“O que ficou bem claro para mim é que tem uma nova ordem chegando no futebol mundial. Croácia chegou na final com um grande time, França e Bélgica, com grandes times. Brasil, Argentina, Alemanha eliminados, a Itália nem veio para a Copa. Se essas seleções com mais histórias não começarem a fazer um trabalho mais intenso com os jovens, vão perder espaço. Tem novas seleções crescendo e jogares aparecendo”, diz Casagrande.

O especialista não tira o mérito da conquista da França, seleção que disputou três finais nos últimos cinco Mundiais. "Achei justo. A França mostrou um futebol muito rápido, envolvente. Grandes jogadores, Pogba, um fantástico jogador, Mbappé, um grande jovem jogador, Griezmann também. Uma equipe muito boa coletivamente. Foi a melhor seleção que se apresentou durante toda a Copa”, destacou.

Condenação de Michael Cohen complica a situação legal do presidente Donald Trump

Em último Conselho Europeu do ano, UE não fará concessões a May sobre o Brexit

Premiê britânica se reúne com líderes europeus para obter novas garantias para Brexit

Em clima tenso no clã Bolsonaro, presidente eleito será diplomado no TSE

Extrema direita se reúne na Bélgica contra Pacto sobre Migração da ONU

Bolivianos fazem greve geral contra nova candidatura de Evo Morales à presidência

Israel realiza operação em túneis do Hezbollah na fronteira com Líbano

Participação do Brasil no G20 é irrelevante à espera do que fará Bolsonaro

Hong Kong: congresso condena cientista"irresponsável" que editou genes em embriões

Outdoors sobre prêmio para retorno de migrantes causam indignação na Alemanha

Itália quer impedir empréstimo de obras de Da Vinci para museu do Louvre

Fim do Airbnb na Cisjordânia reforça ações contra ocupação israelense

Trump fecha o cerco aos migrantes latino-americanos na fronteira com o México

Primeiro Foro Mundial do Pensamento Crítico da esquerda discute vitória de Bolsonaro