rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Caos em aeroporto de Lisboa deixará Portugal com 1 milhão de turistas a menos por ano

Por RFI

Portugal irá perder cerca de um milhão de turistas todos os anos devido a superlotação do aeroporto de Lisboa, segundo a Confederação do Turismo Português. Operando no limite das suas capacidades, a falta de infraestrutura tem causado muitos transtornos aos passageiros, principalmente aqueles que vêm de fora da Europa. Mas a solução mais otimista, que passa pela abertura de um novo aeroporto, deverá chegar somente em 2022.

Adriana Niemeyer, correspondente da RFI em Portugal

Chegam as férias de verão na Europa e a situação no aeroporto de Lisboa vira um caos. A capital portuguesa ganhou pelo segundo ano o prêmio de “melhor destino europeu”, além de outras atrações e regiões de Portugal terem sido classificadas no topo do ranking dos “Oscars” do turismo mundial, como praias e circuitos ecológicos. Calcula-se que 20 milhões de turistas visitaram o país em 2017, um número quase duas vezes mais que a população do país, que não chega a 11 milhões. A taxa de ocupação dos hotéis chega a 80%, a maior do velho continente.

Mas o crescimento de passageiros e movimentos no aeroporto de Lisboa   um universo que dobrou em dez anos e que, só no ano passado, subiu quase 20%   aumenta também o volume de queixas. Atrasos constantes, falta de funcionários para o check-in, muito tempo para a recuperação das malas e até problemas para conseguir um táxi, com filas que facilmente ultrapassam os trinta minutos, acontecem diariamente.

Voos prejudicados diariamente

Para os que não têm passaporte dos países europeus a situação é ainda pior: podem ficar até duas horas na fila de controle. A situação está deixando a ANA, empresa que administra a infraestrutura aeroportuária, sob forte pressão, com reclamações que subiram 43% neste ano.

Até a seleção nacional de futebol foi uma das "vítimas" da falta de capacidade do aeroporto Humberto Delgado. A comitiva foi avisada que a saída de Moscou seria atrasada por causa do volume do tráfego aéreo em Lisboa. Consequência: só chegou na capital por volta das 20h, quando a previsão inicial era às 17h30, deixando os torcedores em alvoroço.

Sem obras de ampliação ou reforço dos serviços de atendimento e processamento de voos e passageiros, o aeroporto da capital enfrenta um duro teste diante da perspectiva de aumento do número de movimentos naquele espaço. A grande maioria dos voos intercontinentais chegam em Lisboa, que ainda tem um aeroporto localizado somente a 15 minutos do centro da capital, em plena cidade, o que dificulta a expansão do mesmo.

Confusão no planejamento

Esta situação atual já tinha sido prevista no governo do ex-premiê José Sócrates, há quase dez anos, que queria construir um novo aeroporto na cidade de Ota, situada a 50 km da capital, e ainda uma linha de trem-bala para conectar o terminal com o resto do país e a Espanha. Depois ficou decidido que a melhor solução seria utilizar o aeroporto militar já existente em Montijo, do outro lado do Rio Tejo, com a construção de uma terceira ponte sobre o rio para facilitar o acesso.

Mas com a chegada do governo dos Sociais Democratas e as medidas de austeridade, este foi o primeiro projeto a ser engavetado e só agora começa a ser repensado. Mas existe uma forte pressão dos ecologistas por se tratar de um estuário importante para a fauna e flora da região. Os estudos de impacto ecológico estão sendo feitos e se prevê, que na versão mais otimista, as obras comecem no próximo ano e terminem só em 2022.

Porém, ainda não se fala na construção da terceira ponte. E isso será um grande problema já que as duas existentes estão completamente engarrafadas na hora do rush o que vai fazer com que o passageiro perca muito tempo e dinheiro para chegar ao destino.

Soluções provisórias

Alguns operadores de turismo, prevendo um caos, começam a pensar na opção de utilizar um pequeno aeroporto da cidade de Beja no Alentejo, que está a duas horas e meia da capital de carro, sem ligação ferroviária. Ou seja, uma solução que não deve agradar muito a maioria dos viajantes.

Muito provavelmente, Portugal irá perder cerca de um milhão de turistas por ano, segundo Francisco Calheiros, o presidente da Confederação do Turismo Português. “A superlotação no aeroporto de Lisboa terá um grande impacto na economia do país, sabendo o que cada turista gasta em diferentes setores", explicou. Ele foi curto e grosso ao afirmar numa entrevista que o aeroporto de Lisboa está “entupido”, e, por isso, não hesita em classificá-lo como "uma pedra no sapato do país", gerando uma imagem negativa logo na entrada. Vale lembrar que o aeroporto de Lisboa recebeu no ano passado 27 milhões de passageiros e até maio deste ano já chegou aos 11 milhões.

O governo regional da Ilha da Madeira, cujo turismo tem sido muito prejudicado pelo caos das conexões na capital, começa a estudar a possibilidade de usar Barcelona como hub para os voos que vem do exterior e promete processar a TAP e a administração do aeroporto de Lisboa.

Jornalista saudita teria sido torturado por sete minutos, diz imprensa turca

Em momento conturbado na Arábia Saudita, Brasil enfrenta Argentina em amistoso

Merkel perde maioria na Baviera e extrema direta entra no parlamento regional

Trump pressionado para agir contra a Arábia Saudita em caso de jornalista desaparecido

Turquia divulga imagens de agentes sauditas suspeitos da morte de jornalista

Favorito, Bolsonaro foca no Nordeste de Lula e Haddad aposta no 2° turno

Justiça americana vive momento decisivo na disputa entre conservadores e liberais

Tentando reaproximação com Merkel, Erdogan é recebido com protestos em Berlim

Protestos contra padre acusado de abuso sexual marcam visita do Papa aos países bálticos

Destituição do chefe da agência de inteligência alemã abala governo Merkel