rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Filmes brasileiros participam de mostras paralelas em Locarno

Começa nesta quarta-feira (1°) o 71° Festival Internacional de Cinema de Locarno, na Suíça, que neste ano será marcado pela ausência de filmes brasileiros nas competições internacionais de longas e curta-metragens.

Rui Martins, correspondente da RFI em Locarno

A direção do Festival selecionou o filme “Sedução da Carne”, do diretor Júlio Bressane, para a mostra paralela Sinais de Vida e o “Temporada”, segundo longa de André Novais Oliveira, para a mostra Cineastas do Presente. Para o diretor do festival, Carlos Chatrian, Bressane é um grande mestre e presença do Brasil é marcante na competição.

Locarno, considerado o quarto mais importante dos festivais de cinema, no ranking mundial, logo depois de Cannes, Veneza e Berlim, tem uma especificidade: sempre se caracterizou por incentivar a sétima arte nos países emergentes, revelando novos cineastas. Sua preocupação pelos temas sociais é constante, tendo sido um dos divulgadores do Cinema Novo brasileiro e dos filmes mostrando os contrastes da sociedade brasileira.

Cinema da América Latina

O cinema latino-americano também está representado nesta edição, com dois filmes: um argentino, “A Flor”, de Mariano Llinás, na principal competição internacional, e um colombiano, “Pássaros de Verão”, de Ciro Guerra, que será exibido na Piazza Grande, em um telão de 300 m2.

O filme argentino é digno do livro de recordes Guiness - tem duração de 14 horas e será projetado em trechos de uma hora e meia e duas horas, durante oito dias do Festival. O diretor colombiano Ciro Guerra é conhecido por seu filme “O beijo da Serpente”, de grande sucesso.
 

Também estão previstas participações internacionais. A atriz Meg Ryan receberá um prêmio em Locarno e terá um encontro com o público. Vale lembrar que a presença de celebridades não é o o forte do festival, uma mostra dedicada a filmes de autor. Uma outra novidade deste ano é a criação de um “conselho” formado por jovens universitários, que vão ajudar a equipe a adaptar o Festival às novas linguagens e hábitos criados na era digital.

Mudança de direção

Este também será o último festival do diretor-artístico, Carlo Chatrian, que vai dirigir o rigoroso e exigente Festival de Berlim. Todos os diretores que passaram por Locarno tiveram carreiras brilhantes: Marco Muller deixou Locarno para dirigir Veneza, Roma, Macau e hoje dirige um festival na China; Frederic Maire saiu par dirigir a Cinemateca suíça e o francês Olivier Père agora está no comando da produção cinematográfica do canal de TV franco-alemão Arte.
 

"Anistia" para migrantes grávidas que derem filhos para adoção choca espanhóis

Visto, acordos econômicos e transferência tecnológica estão na agenda de Bolsonaro nos EUA

Aniversário de 60 anos do exílio leva China a proibir turistas no Tibete até abril

Em plena campanha eleitoral, Netanyahu se envolve em briga com atriz que interpreta Mulher-Maravilha

Após obter novas garantias junto à UE, Reino Unido vota novamente acordo do Brexit

Venezuela: apagão leva Guaidó a pedir instauração do estado de emergência

Greve de mulheres espanholas exige igualdade salarial no mercado de trabalho

Vaticano faz em Manaus reunião preparatória para Sínodo da Amazônia, criticado por governo Bolsonaro

China corta impostos e anuncia "batalha" para combater desaceleração da economia

Venezuela: manifestações marcam retorno de Guaidó, que pode ser preso

Mostra em Berlim reconstrói cidades históricas sírias destruídas pela guerra

Brasil faz escolha coerente ao descartar conflito armado na Venezuela, dizem analistas

Em duelo político, Maduro e Guaidó promovem shows na fronteira entre Colômbia e Venezuela

Em cúpula sobre pedofilia, papa pede que Igreja encare a "praga dos abusos sexuais"

Cem empresários argentinos começam a depor no processo "Cadernos da Corrupção"