rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Aufstehen, movimento de esquerda e anti-imigração, é lançado na Alemanha

Um novo movimento de esquerda está sendo apresentado nesta terça-feira (4) em Berlim. O Aufstehen ("levantar", em alemão), é uma iniciativa controversa criada como resposta à ascensão do partido de extrema-direita Alternativa para a Alemanha (AfD), que se tornou rapidamente a maior força de oposição no Parlamento, atraindo cada vez mais eleitores, com seu discurso anti-imigrantes.

Marcio Damasceno, correspondente da RFI em Berlim

O Aufstehen se diz suprapartidário e não tem, por isso, um programa de partido. É fundado por duas das mais importantes figuras do partido de oposição A Esquerda: Sahra Wagenknecht, líder da bancada parlamentar do A Esquerda, e Oscar Lafontaine, que deixou o Partido Social-Democrata (SPD) em 2005, por discordar das reformas neoliberais do então chanceler Gerhard Schröder. Lafontaine também é um dos fundadores do A Esquerda e marido de Sahra Wagenknecht.

O movimento Aufstehen se inspira em outros movimentos estrangeiros, como o Podemos, da Espanha, e o francês A França Insubmissa, de Jean-Luc Mélenchon. Mas, curiosamente, difere desses partidos por ter um discurso anti-imigração. Afinal, sua a meta principal é conquistar os eleitores que nos últimos tempos votaram na extrema-direita, por discordarem da política de portas abertas para refugiados da chanceler Angela Merkel.

A iniciativa é uma reação à sangria que A Esquerda tem sofrido para o partido de extrema-direita AfD. Esse partido anti-imigrantes e ultranacionalista não tem atraído somente o eleitor conservador, de direita, mas também os cidadãos das classes mais baixas e do leste alemão, que votavam no A Esquerda como uma forma de protestar contra o governo e não são movidos por ideologia de esquerda ou direita.

Pelo menos 400 mil eleitores do A Esquerda migraram para o AfD nas últimas eleições parlamentares alemãs, fazendo com que os ultranacionalistas superassem A Esquerda em quase todos os tradicionais bastiões do partido no leste da Alemanha.

Aufstehen já tem oposição

Embora se defina como um movimento de esquerda, o Aufstehen tem sido criticado por alguns dos principais nomes da esquerda e centro-esquerda alemãs. As lideranças do Partido Verde e do SPD não veem a iniciativa com bons olhos e criticam a medida. Alguns acreditam que o novo movimento poderá provocar um racha na esquerda alemã, em vez de uni-la. 

O secretário-geral do SPD chegou a afirmar que o movimento nada mais é do que “uma luta de poder dentro do A Esquerda”. A própria liderança do A Esquerda não vê com muitos bons olhos o movimento, criado por duas de duas principais figuras. Alguns dizem que a iniciativa é uma tentativa de abrir uma dissidência dentro da legenda.

Quatro semanas depois de o movimento abrir sua página na internet, o número de apoiadores do Aufstehen teria chegado a 100 mil, segundo o próprio movimento. Entre os integrantes, estariam membros de outros partidos mais de esquerda e centro-esquerda da paisagem política alemã, como o SPD e o Partido Verde, além de membros do próprio A Esquerda.

Controle da imigração

A fundadora do Aufstehen, Sahra Wagenknecht, é uma das políticas mais proeminentes do A Esquerda. É líder do partido no parlamento e convidada frequente dos principais talk shows alemães. Entretanto, Wagenknecht tem uma história de rusgas com o partido. Isso ficou claro no último congresso do A Esquerda, em junho, em que ela bateu de frente com as lideranças partidárias por defender uma política mais dura contra imigrantes. Sua posição contra fronteiras abertas e concessão de aceso ilimitado de imigrantes ao mercado de trabalho alemão difere da linha da legenda.

Sahra Wagenknecht afirma que a Alemanha deve dar refúgio a pessoas perseguidas em seus países ou a refugiados de guerra, mas precisa controlar a entrada dos chamados imigrantes econômicos, ou seja, os que chegam a Europa buscando emprego, fugindo das condições econômicas de seus países.

O Aufstehen une um discurso populista, contra imigrantes, a tradicionais bandeiras da esquerda mais radical, a favor da ampliação do Estado social e do pacifismo, se opondo à atuação da Alemanha em missões militares no exterior. 

Brasileiros da Cisjordânia estão indignados com possível transferência da embaixada do Brasil para Jerusalém

Senado italiano aprova projeto para reduzir proteção humanitária a imigrantes

Lisboa recebe Web Summit, conferência de inovação digital que reúne estrelas do setor

Moro deixa a posição de quase semideus e passa a ser ministro em cenário conturbado, diz cientista político

Para Turquia, morte de Khashoggi não poderia ter ocorrido sem ordem do alto escalão saudita

Republicanos e democratas rejeitam veto de Trump para cidadania por nascimento

Tensões geopolíticas com morte de jornalista geram incertezas à economia saudita e da região

Em meio à onda militarista de Bolsonaro, Chile e Uruguai punem insubordinações de militares

Reino Unido: movimento para novo referendo sobre Brexit cresce, mas premiê nega nova consulta

Extrema direita alemã cria plataforma para controlar debate político nas escolas

Jornalista saudita teria sido torturado por sete minutos, diz imprensa turca