rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Migração e Brexit são temas de cúpula da UE na Áustria

Por Letícia Fonseca

Migração, segurança interna e Brexit vão dominar a agenda dos líderes europeus na reunião informal em Salzburgo, na Áustria, que acontece nesta quarta (19) e quinta-feira (20). A proposta para fortalecer a Agência Europeia de Guarda Costeira e de Fronteiras, a Frontex, e a presença da primeira-ministra britânica Theresa May prometem debates exaltados.

Da correspondente da RFI em Bruxelas, Letícia Fonseca-Sourander

O projeto da Comissão Europeia é aumentar para 10 mil os agentes da Agência de Guarda Costeira e de Fronteiras, a Frontex, até 2020. Atualmente, a agência conta com apenas 1.500 funcionários, e as contribuições voluntárias dos governos do bloco que dão apoio extra em operações na Itália, Grécia e Espanha.

De acordo com a proposta de Bruxelas, os agentes devem agir sob a autoridade e controle do país onde a operação estiver sendo realizada. Há críticas de que o fortalecimento da Frontex para atuar como força europeia interfere na soberania dos Estados. O comissário das Migrações, Assuntos Internos e Soberania da União Europeia (UE), Dimitris Avramopoulos, nega essa afirmação. O plano do executivo europeu ainda pretende acelerar o retorno de refugiados em situação irregular a seus países de origem. A Áustria, que exerce a presidência rotativa da UE neste semestre, quer a criação de um centro de desembarque de migrantes fora do bloco europeu, no Egito.

O primeiro-ministro húngaro Viktor Orban é radicalmente contra a proposta de aumentar o número de guardas para fortalecer as fronteiras externas da União Europeia. O líder ultraconservador e xenófobo afirmou que “é inaceitável que Bruxelas queira privar a Hungria de proteger as suas fronteiras”. Desde que o Parlamento Europeu abriu, na semana passada, um processo contra a Hungria por violação de direitos fundamentais, esta será a primeira vez que Orban vai enfrentar os líderes do bloco pessoalmente.

Um dia antes da Cúpula em Salzburgo, Orban se reuniu com Putin em Moscou para discutir investimentos em energia. O encontro serviu também para mostrar aos colegas europeus a sua proximidade com a Rússia, caso a UE decida apertar o jogo e retire o direito de voto da Hungria no Conselho Europeu.

May deve tentar um acordo com países do bloco europeu

Faltando apenas seis meses da data marcada para a saída do Reino Unido do bloco europeu, o cenário pós-Brexit ainda é bastante incerto. Em Salzburgo, a primeira-ministra britânica Theresa May certamente vai enfrentar perguntas difíceis. A líder conservadora terá sua grande chance de defender o chamado plano “Chequers”, com ênfase em área de livre comércio e que sugere manter laços estreitos com o bloco, mesmo depois do Brexit.

Theresa May deve apresentar sua proposta aos colegas europeus durante o jantar desta quarta-feira. Porém, Bruxelas acredita que ela terá que esperar as conferências dos partidos políticos britânicos, que acontece nos próximos dias, para ter possibilidade de manobra e poder fazer concessões.

No início da semana, o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk enviou uma carta aos dirigentes do bloco informando que em Salzburgo eles iriam abordar a declaração política comum sobre a futura relação da União Europeia com o Reino Unido. Na carta, depois de ressaltar a necessidade de uma solução para a questão entre a Irlanda do Norte, território sob soberania britânica, e a República da Irlanda, no sul da ilha, que faz parte do bloco europeu, Donald Tusk alertou para um risco significativo de falta de acordo sobre o Brexit. “Infelizmente, um cenário sem acordo é bastante provável. Mas se agirmos de maneira responsável, poderemos evitar uma catástrofe”, afirmou.

A saída do Reino Unido está marcada para 29 de março de 2019, mas o acordo deve ser fechado ainda este ano para dar tempo de ser ratificado pelos dois Parlamentos: o europeu e o britânico. É bastante provável que, além da Cúpula de outubro, uma reunião extraordinária seja marcada para novembro, em Bruxelas.

 

Extrema direita alemã cria plataforma para controlar debate político nas escolas

Jornalista saudita teria sido torturado por sete minutos, diz imprensa turca

Em momento conturbado na Arábia Saudita, Brasil enfrenta Argentina em amistoso

Merkel perde maioria na Baviera e extrema direta entra no parlamento regional

Trump pressionado para agir contra a Arábia Saudita em caso de jornalista desaparecido

Turquia divulga imagens de agentes sauditas suspeitos da morte de jornalista

Favorito, Bolsonaro foca no Nordeste de Lula e Haddad aposta no 2° turno

Justiça americana vive momento decisivo na disputa entre conservadores e liberais

Tentando reaproximação com Merkel, Erdogan é recebido com protestos em Berlim

Protestos contra padre acusado de abuso sexual marcam visita do Papa aos países bálticos