rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Merkel perde maioria na Baviera e extrema direta entra no parlamento regional

Aliados de Angela Merkel sofreram uma derrota dramática neste domingo (14) na eleição regional da Baviera, no sul da Alemanha. A CSU (União Social-Cristã), partido irmão da CDU (União Democrática-Cristã) da chanceler alemã, perdeu cerca de 10 pontos percentuais, obtendo o pior resultado desde 1950.

Márcio Damasceno, correspondente da RFI em Berlim

Os sociais-democratas do SPD, que formam o governo alemão em aliança com os conservadores de Merkel, também registraram uma queda de mais de 10%. A votação deve ter consequências em nível federal. Esse resultado é considerado um reflexo direto da política do governo federal alemão e da atual insatisfação de parte do eleitorado com a coalizão que sustenta o governo Merkel. A Baviera é o estado mais rico da Alemanha, com baixas taxas de desemprego, e tem cerca de 9 milhões e meio de eleitores.

Os conservadores da CSU continuam sendo o maior partido local, mas perderam a maioria absoluta que vinham mantendo no parlamento regional praticamente desde 1962, com uma interrupção, entre 2008 e 2013. Eles agora vão ter que buscar aliados para continuar governando o estado. A União Social-Cristã (CSU) só existe naquele estado, e é um partido irmão da União Democrata-Cristã (CDU), da Angela Merkel, e que, por sua vez, é atuante em todos os estados alemães, com exceção da Baviera.

As brigas internas da coalizão alemã de governo e a política de portas abertas de Merkel durante a crise migratória europeia em 2015 são algumas das causas do fracasso dos aliados da chanceler e da fragmentação dos votos na Baviera. Os grandes partidos saem como perdedores e as legendas menores conseguem resultados inéditos no estado.

Partido Verde registra crescimento

Uma surpresa dessa eleição na Baviera foi o sucesso do Partido Verde, que também é um reflexo do desempenho do governo Merkel. A legenda obteve quase 18% dos votos, crescendo quase 9 pontos percentuais e m relação aos resultados anteriores e se firmando como segunda maior força política regional.

Quem também comemora é o partido populista de direita Alternativa para a Alemanha (AfD), que teve mais de 10% de votação e entra pela primeira vez no parlamento regional. A legenda vem surfando na onda anti-imigração, com discurso contra refugiados. A discussão sobre a situação dos refugiados na Alemanha influenciou claramente as eleições na Baviera, segundo os analistas.

Temendo uma fuga de seus eleitores para a extrema direita, o presidente da CSU e atual ministro do Interior, Horst Seehofer, adotou um discurso mais duro contra imigrantes entrando em conflito com a chanceler Angela Merkel e causando seguidas crises na coalizão de governo alemão, que foi formada a duras penas, após cinco meses de negociações.

O resultado é que parte do eleitorado mais conservador da CSU migrou para a extrema direita, enquanto parte dos eleitores dos sociais-democratas, que apoiam Merkel a nível federal, deram seus votos ao Partido Verde.

 

 

Itália propõe à França seu know-how para restauração da Notre-Dame

União Europeia adia Brexit para 31 de outubro, data da festa de Halloween

Netanyahu caminha para 5° mandato em Israel com apoio de nacionalistas e ultraortodoxos

Ernesto Araújo chega a Buenos Aires para explicar nova política externa brasileira a argentinos

Israel: Netanyahu deve perder eleições mas continua no poder se formar coalizão

“Bolsonaro começa a entender que precisa dialogar com legislativo”, diz analista

Sob pressão de Trump, Otan celebra 70 anos com sérias divisões internas

Chicago elege primeira mulher negra e homossexual para prefeita da cidade

Comemoração de golpe militar no Brasil gera desconforto nos países vizinhos

Escalada de violência na região de Gaza esquenta campanha eleitoral em Israel

No Chile, líderes sul-americanos criam PROSUL para substituir a falida UNASUL