rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
O Mundo Agora
rss itunes

Eleição na Baviera foi ambígua para Alemanha e boa para a Europa

Por Alfredo Valladão

A Europa inteira estava esperando, angustiada, o resultado das eleições regionais na Baviera. Será que a extrema direita xenófoba e ultranacionalista que quer destruir a União Europeia iria cantar de galo a poucos meses das eleições de 2019 para o Parlamento Europeu? No final o resultado foi negativo e positivo ao mesmo tempo.

A Baviera é o Land mais rico, com as indústrias mais modernas e uma das melhores administrações da Alemanha. O desemprego é minúsculo, e a política local sempre foi dominada pela CSU – a União Social-Cristã, fortemente conservadora e principal aliada da direita no poder em Berlim, os cristãos-democratas da CDU.

Nada ameaçava a maioria absoluta da CSU até que começaram a chegar milhares de refugiados do Oriente Médio ou da África buscando uma vida melhor na Alemanha. E que a chanceler Angela Merkel abrisse as portas para um milhão desses imigrantes.

O impacto da onda migratória e a atitude dura dos países vizinhos, como a Áustria, a Hungria e até a Itália, abriram uma brecha para o novo partido de extrema direita alemão, o AfD (Alternativa para a Alemanha), abertamente xenófobo.

O pleito de ontem era uma ótima ocasião para os nacionalistas chauvinistas tentarem conquistar a Baviera e acabar com a hegemonia dos sociais-cristãos. E não deu outra: a CSU só conseguiu um pouco mais de um terço dos votos – o seu pior resultado eleitoral – e não vai mais poder governar sem uma coalizão. Sem falar no fato que o seu parceiro social-democrata perdeu metade dos votos e acabou nas profundezas das urnas.

Extrema direita entra no parlamento regional

A má notícia é que a AfD passou do zero a 11% dos votos. Nada mal para um partido estreante. Mas a boa notícia é que só alcançou os níveis relativamente baixos da sua representação nacional: não foi uma vitória estrondosa. Quem realmente emplacou um ótimo resultado – uns 19% dos sufrágios – foi o Partido Verde, que na Baviera é uma legenda ecologista, moderada e centrista, pró-europeia e abertamente favorável aos imigrantes.

Os ecologistas tiraram uma batelada de votos da CSU – boa parte dos eleitores social-cristãos moderados que achavam que seu próprio partido tinha ido longe demais na xenofobia para tentar competir com a extrema direita.

Poucos dias antes do pleito, os dirigentes da CSU começaram a entender que estavam numa sinuca: a campanha ultranacionalista e anti-imigrantes para tentar estancar a sangria de seus eleitores mais extremistas para a AfD estava provocando uma sangria dos seus eleitores moderados para o Partido Verde.

Desesperados, os dirigentes mudaram de discurso do dia para a noite, chegando até a celebrar a humanidade e generosidade daqueles que acolhiam os imigrantes. Só que essa reviravolta não bastou e o eleitorado puniu a CSU que desde a última eleição nacional vinha se opondo abertamente ao governo de oiAngela Merkel, tentando chantagear a chanceler com posições nacionalistas e xenófobas caricaturais.

Merkel descontente?

Do ponto de vista da política nacional alemã, o resultado das eleições na Baviera também é ambíguo. É claro que a derrota da CSU vai enfraquecer o governo Merkel que precisa do partido bávaro para continuar no poder. E ninguém sabe como vão reagir os dirigentes abatidos e desorientados da CSU. Vão voltar a correr atrás da extrema direita desestabilizando o atual governo em Berlim? Ou vão tentar ser mais moderados e se agarrar em Merkel para continuar tendo uma influência nacional importante? Provavelmente, não vão querer balançar o coreto. Sobretudo que vai ser difícil evitar uma aliança com os Verdes para manter o poder na Baviera.

Angela Merkel não deve estar tão descontente com o que aconteceu. Do ponto de vista europeu, a eleição bávara pode ser uma boa notícia. Ela mostra que existe uma maioria clara de gente favorável à manutenção e ao aprofundamento de uma União Europeia aberta e generosa. E uma rejeição consistente às sereias da xenofobia e do nacionalismo fechado. Até numa região ultraconservadora como a Baviera.

 

Opinião: Crise dos coletes amarelos pode paralisar a França por muito tempo

Opinião: reivindicação permanente de igualdade faz parte do DNA dos franceses

Movimento francês dos coletes amarelos revela onda de rejeição inédita no país

Política externa de governo Bolsonaro deve priorizar relações com países ricos

Opinião: Brasileiros viraram reféns de minorias extremistas que polarizaram a sociedade