rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Reino Unido: movimento para novo referendo sobre Brexit cresce, mas premiê nega nova consulta

Por RFI

No Reino Unido, o movimento que pede um segundo referendo sobre o Brexit ganhou um novo impulso depois de uma marcha que reuniu cerca de 700 mil pessoas no centro de Londres. A primeira-ministra britânicaTheresa May decidiu se dirigir ao Parlamento nesta segunda-feira (22) e, em um movimento pouco comum, adiantou à imprensa detalhes do discurso.

Maria Luísa Cavalcanti, correspondente da RFI em Londres

A premiê britânica deve afirmar que 95% dos protocolos do acordo de saída da União Europeia já estão resolvidos. Mas a verdade é que faltando menos de seis meses para que os britânicos saiam da União Europeia, o país continua sem saber como serão resolvidas questões fundamentais, como o acesso ao mercado comum, o trânsito de cidadãos e a fronteira da Irlanda do Norte.

A marcha no sábado (22) foi a maior manifestação pública no Reino Unido nos últimos 15 anos. Ela foi organizada por um movimento suprapartidário chamado People’s Vote, ou “Voto do Povo”, em tradução literal. O grupo foi fundado por parlamentares dos dois partidos rivais, o Conservador e o Trabalhista, e conseguiu o apoio de empresários e celebridades.

A campanha pede que os britânicos tenham o direito de dizer, nas urnas, se aprovam ou não o acordo final que o Reino Unido venha a fechar com a União Europeia antes de sair do bloco, em 29 de março de 2019. Na prática,seria uma espécie de segundo referendo e poderia haver até a possibilidade de o Brexit ser totalmente rejeitado.

Uma pesquisa divulgada no sábado, antes da marcha, mostrou que 47% dos eleitores acreditam que o resultado do referendo de 2016 foi um equívoco, contra 41% que acham que foi uma boa decisão. Mas a mesma pesquisa indica que 43% preferem que haja um novo referendo do que sair da União Europeia sem nenhum acordo ou com o acordo que o governo está propondo.

Premiê descarta novo referendo

A primeira-ministra Theresa May já afirmou várias vezes que não aceita a possibilidade de um novo referendo. Mas, na realidade, cabe ao Parlamento tomar essa decisão. O impedimento, por enquanto, é o fato de que ainda não há uma maioria de parlamentares favorável a um novo referendo. Dentro do Partido Conservador, muitos parlamentares acreditam que é melhor esperar para ver qual será o acordo final fechado com a União Europeia para daí debater a proposta de uma nova consulta pública.

Já entre os Trabalhistas, muitos enfrentam um dilema: alguns apoiam pessoalmente a realização de um novo referendo, mas só estão no Parlamento porque foram eleitos para representar regiões do país que votaram pela saída da União Europeia e não querem trair seus eleitores. Também não ajuda o fato de o líder do partido, Jeremy Corbyn, adotar uma postura pouco incisiva no sentido de conduzir seus parlamentares para um voto anti-Brexit.

A campanha pelo novo referendo quer agora se concentrar em fazer lobby nestas duas frentes: os Trabalhistas e os Conservadores que ainda estão em cima do muro. Só conquistando uma maioria de parlamentares favorável a um segundo referendo é que isso poderá se tornar realidade.

Acordo final de novembro foi cancelado

Na semana passada, os líderes do bloco disseram que as propostas britânicas ainda não avançaram o suficiente. A conversa final que os dois lados queriam ter em novembro foi cancelada. A premiê Theresa May foi bastante criticada e também por ter dito que pretende prorrogar o período de transição de saída do bloco para além de dezembro de 2020.

As críticas vêm tanto de fora quanto de dentro do próprio partido da primeira-ministra. E tanto de políticos que rejeitam o Brexit quanto daqueles que defendem a saída da União Europeia. Ou seja, a cada dia surgem novas notícias sobre como a liderança de May está ameaçada. Os aliados mais próximos dela vêm a público defender a união entre os conservadores, mas aqueles que estão de olho no poder não perdem a oportunidade de bater de frente com Theresa May.

No Chile, líderes sul-americanos criam PROSUL para substituir a falida UNASUL

Brexit: em nova cúpula, UE decide se autoriza o adiamento do divórcio com Reino Unido

"Anistia" para migrantes grávidas que derem filhos para adoção choca espanhóis

Visto, acordos econômicos e transferência tecnológica estão na agenda de Bolsonaro nos EUA

Aniversário de 60 anos do exílio leva China a proibir turistas no Tibete até abril

Em plena campanha eleitoral, Netanyahu se envolve em briga com atriz que interpreta Mulher-Maravilha

Após obter novas garantias junto à UE, Reino Unido vota novamente acordo do Brexit

Venezuela: apagão leva Guaidó a pedir instauração do estado de emergência

Greve de mulheres espanholas exige igualdade salarial no mercado de trabalho

Vaticano faz em Manaus reunião preparatória para Sínodo da Amazônia, criticado por governo Bolsonaro

China corta impostos e anuncia "batalha" para combater desaceleração da economia

Venezuela: manifestações marcam retorno de Guaidó, que pode ser preso

Mostra em Berlim reconstrói cidades históricas sírias destruídas pela guerra

Brasil faz escolha coerente ao descartar conflito armado na Venezuela, dizem analistas