rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Mercado Brexit Reino Unido União Europeia

Publicado em • Modificado em

Brexit: acordo entre UE e Reino Unido manterá acesso britânico ao mercado europeu

media
O Reino Unido deve sair oficialmente da União Europeia em 149 dias REUTERS/Peter Nicholls

O Reino Unido e a União Europeia (UE) chegaram a um acordo sobre os serviços financeiros para manter o acesso britânico ao mercado europeu quando o Brexit for concretizado, segundo o jornal britânico The Times.


De acordo com a reportagem, "os negociadores britânicos e europeus concluíram um acordo de princípio sobre todos os aspectos de uma futura associação nos serviços e intercâmbio de dados", citando fontes do governo.

"A UE garantirá às empresas britânicas o acesso aos mercados europeus enquanto a regulamentação financeira permanecerá alinhada com a da Europa", completa o jornal a respeito do acordo.

Desde o início das negociações sobre o Brexit, em junho de 2017, os serviços do setor financeiros ocupam parte importante das discussões. Londres deseja um acordo que permita às empresas britânicas seguir operando na Europa, em particular para proteger a praça financeira da City.

Ministro acredita em acordo em novembro

O ministro britânico do Brexit "acredita" poder alcançar um acordo com Bruxelas antes de 21 de novembro, no contexto das negociações sobre a saída do Reino Unido da União Europeia (UE), em uma carta a parlamentares publicada nesta quarta-feira (31).

“Ficarei satisfeito de ser ouvido pela Comissão quando um acordo for alcançado, e acredito que a data de 21 de novembro poderia ser apropriada", escreveu Dominic Raab aos membros da Comissão Parlamentar do Brexit, em 24 de outubro. "O fim (das negociações) agora está à vista, podemos abrir caminhos para nós entre os obstáculos que ainda restam", continua.

Entretanto, uma porta-voz da primeira-ministra Theresa May não quis confirmar esta data. "Estamos chegar a um acordo o quanto antes". Raab viajará nesta sexta à Irlanda do Norte (Ulster) para uma "missão de investigação", na qual se reunirá com empresários e representantes locais, segundo seu ministério.

Mas apenas 149 dias antes da saída oficial do Reino Unido da UE de l’UE, ainda faltam esclarecer pontos importantes sobre a questão da fronteira com a Irlanda do Norte.

Ampliação rede diplomática

O ministério britânico das Relações Exteriores também anunciou nesta terça-feira "a maior ampliação de sua rede diplomática", quando faltam apenas cinco meses para a saída do Reino Unido da União Europeia. O Foreign Office abrirá 12 novas representações, em todo o mundo e criará 1.000 novos postos. Dois terços das contratações serão realizados no exterior e o restante, em Londres.

O Reino Unido abrirá uma embaixada no Djibouti e representações diplomáticas em Tonga, Granada, Antigua e Barbuda, e San Vicente e Granadinas, além de uma "missão" em Jacarta junto à Associação das Nações do Sudeste Asiático (Asean).

Após esta expansão "estaremos representados em 83% dos países membros da ONU, o percentual mais alto em ao menos 30 anos", destacou um porta-voz do Foreign Office.

O ministério também "duplicará" o número de diplomatas no exterior que falam o idioma do país em que trabalham e aumentará de 50 para 70 a quantidade de línguas ensinadas em seus cursos (incluindo cazaque e quirguiz). Londres já havia anunciado, no início do ano, a abertura de embaixadas no Chade e Níger, além de novos escritórios em diversos países da Commonwealth.