rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Brasil-Mundo
rss itunes

Primeiro diretor negro de teatro público em Berlim, brasileiro propõe perspectiva de “pós-migração”

O mineiro Wagner Carvalho mudou-se para Berlim nos anos 90, com a intenção de aprender mais sobre o dramaturgo Bertold Brecht. Após superar os tropeços no alemão, a falta de dinheiro e até a atmosfera neonazista, ele é, hoje, diretor do teatro Ballhaus Naunynstrasse.

Por Cristiane Ramalho, correspondente da RFI em Berlim

Wagner Carvalho chegou a Berlim pouco depois da queda do Muro, em 1992. Na época, ser estrangeiro – sobretudo negro – podia ser perigoso. As perseguições xenófobas eram uma realidade recorrente. Como, aliás, voltaram a ser na Alemanha, com o crescimento da extrema direita impulsionado pela crise dos refugiados.

“A gente pegou essa fase de ebulição de uma sociedade que ainda estava se entendendo, onde os ataques neonazistas eram comuns”, lembra o brasileiro. Mesmo assim, ele circulava por toda parte, deixando os amigos alemães preocupados. Wagner Carvalho chegou a presenciar, apreensivo, três jovens fazendo uma saudação nazista quando estava dentro de um trem. “Felizmente não aconteceu nada”, diz o mineiro, lembrando que era difícil identificar de onde viria o perigo.

Havia também a luta contra os estereótipos. Por ser negro, e brasileiro, achavam logo que era capoeirista e gostava de samba e feijoada. “Tinha sempre que explicar muito. Dizer que eu vim por causa do Brecht, que não como carne, nem bebo”, diverte-se. “Algumas pessoas simplesmente não conseguiam encaixar essas informações”.

“Maravilhado com a Alemanha”

O flerte do diretor com a Alemanha começou ainda no final dos anos 80, quando ganhou uma bolsa de estudos do Instituto Goethe. A bolsa era para aprender a língua e estava vinculada a uma curta estadia no país, para aperfeiçoamento.

“Eles têm uma política de apoiar pessoas que se destacam no meio artístico. Eu era ainda muito jovem, mas fui considerado multiplicador”, explica. Sem isso, teria sido impossível estudar. “Não tinha condição financeira nem de pagar o curso de alemão, que era caríssimo”, diz Wagner.

De volta ao Brasil, em meio a uma tristeza profunda, tomou a decisão de mudar-se para Berlim para estudar teatro. “Voltei maravilhado com a Alemanha”.

Wagner conta que é o primeiro diretor negro a assumir uma instituição teatral pública no país: a Ballhaus Naunynstrasse. O teatro abriu espaço, há exatamente dez anos, para produções culturais de pós-migração. “O termo é uma estratégia política de mudança de foco”, explica.

Com ele, o teatro passou a priorizar temáticas negras. “Mas a proposta também é queer, feminista, de arte-educação e documental”, diz o diretor. “A sociedade é diversa e o palco tem que refletir essa realidade. A origem não importa”, acredita. 

Bailarina brasileira cria plataforma de empoderamento feminino em Nova York

Livro e exposição em Berlim contam história de judeu que se refugiou no Brasil fugindo do nazismo

Brasileiro cria projeto de moradia alternativo e divide casa com imigrantes africanos em Roma

Brasileira propõe serviço de fotografia profissional para turistas do mundo todo

Associação de mulheres brasileiras luta contra ação de despejo da prefeita de Roma

Leila Daianis fala sobre seu trabalho de defesa das transexuais brasileiras em Roma

Brasileira que vive há mais de 30 anos na Arábia Saudita fala sobre conquistas das mulheres e diferenças culturais

Brasileiros que vivem em Portugal avaliam governo de esquerda, conhecido como “geringonça”

Em Los Angeles, Rafinha Bastos quer dominar a arte da comédia em inglês

Depois de palhaço e trapezista, brasileiro vira piloto de globo da morte em Dubai

Antônio Fagundes volta aos palcos portugueses com a comédia “Baixa Terapia”

Brasileiros que querem se mudar para Israel esperam resultado das eleições para tomar a decisão

Jovem cientista brasileira ajuda a criar plataforma mundial sobre alimentação

Tereza Ventura mudou-se há um ano para a Alemanha para investigar o ativismo pós-colonial

Turismo religioso leva brasileiros à Jordânia, conta a agente de turismo paranaense

Compositor brasileiro transforma "O Sétimo Selo", de Ingmar Bergman, em ópera na Suécia

Bernardo Lobo diz que seu processo de criação artística mudou para melhor em Lisboa