rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Primeira-ministra britânica, Theresa May, anuncia sua renúncia para 7 de junho
Linha Direta
rss itunes

Brexit: Parlamento britânico está dividido sobre acordo entre May e UE

Por RFI

O Reino Unido acorda para um novo dia de incerteza em relação ao futuro da primeira-ministra, Theresa May, e também em relação à saída do país da União Europeia. Na quinta-feira (15), sete ministros renunciaram e membros do Partido Conservador iniciaram pedidos para um voto de desconfiança contra May, depois que ela finalmente apresentou o esboço do acordo que os britânicos pretendem firmar com o bloco europeu para o Brexit.

Malu Cavalcanti, correspondente da RFI em Londres

O Reino Unido acorda nesta sexta-feira (16) com a notícia de que Michael Gove, atual ministro da agricultura e um das figuras mais influentes da política britânica, rejeitou o convite de Theresa May para o cargo de ministro do Brexit. A pasta foi abandonada nesta quinta-feira (15) por Dominic Raab, que disse discordar da proposta de acordo do governo para a saída da União Europeia.

A premiê britânica agora precisa encontrar um nome que tenha o peso e o nível de influência necessários para seguir adiante com as negociações com o bloco europeu, nos termos exigidos por ela, até a data oficial para o Brexit, em 29 de março de 2019. Fora as sete renúncias e a rejeição de Michael Gove, Theresa May também enfrenta a ameaça de um voto de desconfiança dentro do Partido Conservador.

Se pelo menos 48 parlamentares conservadores exigirem o voto, e se a maioria do partido votar contra ela, May perderia a liderança e teria que deixar o cargo de primeira-ministra. Inevitavelmente, haveria uma crise dentro do partido, já que ele está totalmente rachado em relação ao futuro do Brexit. Isso é bom para a final de negociações com a União Europeia, e os conservadores sabem disso. Portanto, apesar da forte pressão contra Theresa May e seu isolamento dentro do partido, pode ser que muitos tentem evitar o voto de desconfiança.

O ex-ministro do Brexit, David Davis, disse que o Parlamento britânico deverá rejeitar o acordo, e que a primeira-ministra britânica deverá renegociar o projeto com Bruxelas, que provocou uma tempestade política em Londres.

Situação da Irlanda do Norte

O acordo finalmente esclareceu que o Reino Unido pretende manter os direitos dos cidadãos europeus que já vivem no país e tem a intenção de criar uma nova relação comercial bilateral com a União Europeia que derrubasse cotas e tarifas. Essas duas propostas, para os defensores do Brexit, parecem na realidade perpetuar as condições que o Reino Unido já tem por ser membro do bloco europeu. Mas o principal ponto de polêmica é a situação da Irlanda do Norte.

Na tentativa de evitar uma fronteira rígida com a República da Irlanda, que faz parte da União Europeia, o plano de Theresa May é manter os norte-irlandeses sob o controle alfandegário do bloco europeu, mas também gozando das vantagens disso, enquanto o resto do Reino Unido tem que sair. Como era de se esperar, os chefes de governo da Escócia e do País de Gales estão furiosos, exigindo ter mais voz nas negociações e mais poderes para governar independentemente de Londres.

Se UE aceitar, Parlamento britânico avalia acordo em dezembro

No dia 25 de novembro, Theresa May se reúne com os chefes de Estado e de governo dos 27 países-membros da União Europeia para que todos aprovem a proposta de acordo apresentada pelos britânicos. Caso seja aprovado, o acordo terá que ser submetido à aprovação pelo Parlamento britânico em dezembro. É aí que as coisas podem se complicar, já que membros de todos os partidos já expressaram sua insatisfação com o texto final.

Se o acordo for rejeitado pelo Parlamento, o governo terá que apresentar uma nova proposta. Uma nova rejeição poderia levar o país a sair da União Europeia sem acordo nenhum, a novas eleições gerais ou até mesmo a um novo referendo que poderia dar aos britânicos a opção de simplesmente permanecer no bloco.

Acusado de inoperância, governo Bolsonaro testará apoio das ruas no domingo

Tsunami político na Áustria freia avanço da extrema direita do país nas eleições europeias

Em meio à tensão entre Irã e EUA, americanos se opõem a mais uma guerra

Festival de Cannes ainda está longe da paridade entre homens e mulheres no cinema

Aumento de tarifas americanas entra em vigor e deve acirrar guerra comercial entre EUA e China

China x EUA: guerra comercial de longo prazo é desafio para investidores

Após 48 horas de violência, entra em vigor cessar-fogo na Faixa de Gaza

Matteo Salvini visita Hungria para discutir "pacto europeu" com o nacionalista Viktor Orbán

Dia do Trabalho de tensão na Venezuela com manifestações pró e contra Maduro

Biden inicia campanha em Pittsburgh para conquistar operários que votaram em Trump

Espanha: Partido Socialista vence legislativas e extrema direita entra no Congresso

Ciclone Kenneth devasta ilha em Moçambique com ventos de mais de 200 km/h

"Direito internacional deve prevalecer à lei do mais forte", diz Putin após reunião com Kim Jong-Un

Morte de jornalista reabre ferida dos anos sangrentos na Irlanda do Norte