rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Itália quer impedir empréstimo de obras de Da Vinci para museu do Louvre

A Itália quer renegociar o empréstimo das obras de Leonardo da Vinci para o Museu do Louvre em Paris. O empréstimo faz parte de um acordo do ex-governo italiano com a França para a comemoração dos 500 anos da morte do genial artista renascentista.

Gina Marques, correspondente da RFI na Itália

Em 2017, a Itália assinou um acordo com o museu parisiense, que de outubro de 2019 até fevereiro de 2020 organizará uma exposição para celebrar o quinto centenário da morte de Leonardo da Vinci. Apenas 15 pinturas do pintor sobreviveram e cinco delas estão no Museu do Louvre. Se houver ruptura do acordo com o governo italiano, a organização exposição é uma incógnita.

Para esta iniciativa, o Louvre solicitou todas as pinturas de propriedade do Estado italiano e os principais desenhos de Da Vinci das coleções públicas italianas. A única exceção é o quadro da Adoração dos Magos, que se encontra na galeria do museu Uffizi, em Florença, e não pode ser removido. O acordo prevê também que a França empreste obras do artista Rafael para uma exposição na Itália em 2020.

O acordo foi assinado pelo ex-ministro da Cultura Dario Franceschini, do então do governo de centro-esquerda, mas agora, o atual governo formado pela coalizão entre o Movimento 5 Estrelas, antissistema, e a Liga, partido de extrema direita ultranacionalista, quer rompê-lo para renegociar o empréstimo das obras ao Museu do Louvre.

As obras que deveriam ser emprestadas da Itália ao Museu do Louvre são: o Homem Vitruviano e os desenhos da Batalha de Anghiari, ambos da Galeria da Academia de Veneza, La Scapigliata, conhecida também como a Cabeça de Mulher, que está na Galeria Nacional de Parma, O Músico, exposto na Biblioteca Ambrosiana em Milão, São Jerônimo dos Museus do Vaticano e a Anunciação da galeria do Museu Uffizi em Florença.

Além dos quadros, a Itália também deveria emprestar para a exposição o famoso Código Atlântico, um conjunto de desenhos e notas recolhidas em 1.119 folhas de grande formato que Leonardo da Vinci produziu em um período de mais de quarenta anos – de 1478 a 1519.

Neste código, que hoje está na Biblioteca Ambrosiana de Milão, Leonardo abordou diversos temas, desde pesquisas matemáticas, astronômicas, meditações filosóficas, fábulas, receitas gastronômicas, até projetos curiosos e futuristas de engenhocas, como bombas hidráulicas, paraquedas e máquinas de guerra.

Da Vinci seria refém do "ultranacionalismo italiano"

Segundo a imprensa italiana, trata-se de mais uma batalha na guerra fria entre a Itália e a França. Já os jornais franceses falam que Leonardo da Vinci é refém do ultranacionalismo italiano. A concorrência entre os dois países de fronteira envolve várias questões como a dos imigrantes, a disputa pela exploração do petróleo na Líbia, entre outras.

A rivalidade cultural inclui Leonardo da Vinci. O artista nasceu em 1452 na cidade de Anchiano, nos arredores de Florença, e morreu em Amboise, no centro da França, em 1519. A subsecretária do ministério da Cultura da Itália, Lucia Borgonzoni, declarou recentemente que “Leonardo é italiano e que só morreu na França”.

Ela disse que “dar ao Louvre estas pinturas significa colocar a Itália à margem de um grande evento cultural. As escolas italianas também estão preparando exposições para agosto”. Sobre a autonomia dos museus, ela ressaltou que “o interesse nacional não pode ser colocado em segunda ordem. Os franceses não podem ter tudo ".

Não é a primeira vez que Lucia Borgonzoni, do partido da Liga, causou polêmica na Itália. Depois de assumir o cargo de subsecretária da Cultura, em junho passado, em uma entrevista a rádio italiana, ela afirmou que não lia nenhum livro há três anos.

Ferida aberta

Leonardo da Vinci representa uma ferida aberta no orgulho da Itália. Segundo os historiadores, o genial artista italiano deixou seu país por se sentir incompreendido. Ele mudou-se para a França por espontânea vontade, onde passou muito bem os últimos três anos da sua vida.

Um exemplo da rixa italiana se concentra na Mona Lisa. A pintura, conhecida também como A Gioconda, é provavelmente o retrato mais famoso na história da arte, senão, o quadro mais valioso do mundo inteiro. A obra é uma das grandes atrações no Museu do Louvre em Paris.

Leonardo pintou A Gioconda na Itália, mas o próprio artista levou o quadro para a França em 1516, quando foi convidado pelo rei Francisco I de Orleans para trabalhar na sua corte. Foi então que o rei francês comprou a pintura por 4 mil escudos de ouro. A Mona Lisa, entretanto, pertence a França há mais de cinco séculos.

Os italianos reivindicam a nacionalidade do artista. Com o tempo criou-se a falsa notícia que a Mona Lisa teria sido roubada da Itália por ordem de Napoleão Bonaparte.

Na verdade, A Gioconda já foi roubada, mas do Museu do Louvre em 1911 e, além disso, por um italiano. O ladrão, Vincenzo Peruggia, justificou que cometeu o furto por patriotismo e por vingança ao espólio de guerra napoleônico no fim do século 18.

Condenação de Michael Cohen complica a situação legal do presidente Donald Trump

Em último Conselho Europeu do ano, UE não fará concessões a May sobre o Brexit

Premiê britânica se reúne com líderes europeus para obter novas garantias para Brexit

Em clima tenso no clã Bolsonaro, presidente eleito será diplomado no TSE

Extrema direita se reúne na Bélgica contra Pacto sobre Migração da ONU

Bolivianos fazem greve geral contra nova candidatura de Evo Morales à presidência

Israel realiza operação em túneis do Hezbollah na fronteira com Líbano

Participação do Brasil no G20 é irrelevante à espera do que fará Bolsonaro

Hong Kong: congresso condena cientista"irresponsável" que editou genes em embriões

Outdoors sobre prêmio para retorno de migrantes causam indignação na Alemanha

Fim do Airbnb na Cisjordânia reforça ações contra ocupação israelense

Trump fecha o cerco aos migrantes latino-americanos na fronteira com o México