rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Outdoors sobre prêmio para retorno de migrantes causam indignação na Alemanha

Por Márcio Damasceno

Uma campanha do governo alemão incentivando o retorno voluntário de requerentes de asilo provoca irritação na Alemanha. Painéis e outdoors espalhados em grandes cidades do país anunciam um prêmio adicional para migrantes que até o fim do ano decidirem retornar aos seus países de origem. Várias das peças publicitárias foram alvo de vandalismo e pichações de protesto.

Do correspondente em Berlim

Os painéis publicitários podem ser vistos, sobretudo, em estações de trem, metrô e pontos de ônibus. A principal ilustração é uma faixa composta de bandeiras de vários países, incluindo Rússia, Afeganistão, Egito e Índia.

Os cartazes são escritos em sete idiomas, entre eles, inglês, russo, francês e árabe. O texto, curto, oferece até 12 meses de assistência financeira adicional para moradia no país de origem se o estrangeiro entrar com pedido de retorno até o próximo dia 31 de dezembro. Tudo sob o slogan “Retorno voluntário: seu país, seu futuro, agora!”.

Os críticos aos anúncios afirmam que as peças são genéricas e dão a impressão de se destinarem a todos os estrangeiros que vivem na Alemanha. Isso tem causado reclamações, especialmente entre imigrantes em situação legal.

A campanha, lançada no dia 13 de novembro, é destinada àqueles migrantes que tiveram seu pedido de refúgio ou visto de permanência rejeitado e não estão habilitados a ficar no país. Mas isso não é informado no texto dos outdoors e painéis distribuídos em 80 cidades alemãs.

Desconforto entre imigrantes legais e descendentes

Não só estrangeiros, como também alemães descendentes de imigrantes afirmam que se sentem ofendidos com os anúncios, que parecem convidar a todos os imigrantes a saírem do país em troca de ajuda financeira.

Muitas críticas apareceram nas redes sociais. Alguns outdoors foram depredados, manchados com sacos de tinta e pichados com frases como “Refugiados são bem-vindos” ou “Fiquem na Alemanha”. Partidos políticos, como o Partido Verde, e entidades humanitárias protestaram.

Um abaixo-assinado foi iniciado nesta semana contra a campanha. A petição online reivindicando a suspensão dos anúncios já conta com mais de 20 mil assinaturas. Uma startup de Berlim, cuja maioria dos funcionários é estrangeira ou descendente de imigrantes, afirmou que está planejando uma campanha contra a iniciativa do governo.

Também há críticas acusando a campanha de tratar da questão de forma pouco adequada, dando um espírito de “liquidação de inverno” a um tema delicado, com outdoors que lembram uma promoção comercial quando, na verdade, lidam com um assunto que mexe com destinos humanos e com situações difíceis na vida de refugiados.

O governo alemão já admitiu que errou na promoção de seu programa de retorno voluntário, reconheceu que a campanha, com textos superficiais, dá margem a equívocos e prometeu fazer mudanças.

Queda de inscrições em programa preocupa governo

Programas de auxílio financeiro para quem retorna voluntariamente ao país de origem existem há décadas na Alemanha. O governo decidiu propor um auxílio financeiro adicional para os que decidem retornar à pátria até o final de dezembro possivelmente para responder a uma queda do número de aderentes ao programa de retorno voluntário lançado em 2016, que caiu quase à metade nos últimos meses.

Enquanto em 2017 quase 29 mil pessoas aderiram à iniciativa do governo alemão, apenas 14 mil decidiram deixar o país até outubro deste ano.

Tsunami político na Áustria freia avanço da extrema direita do país nas eleições europeias

Em meio à tensão entre Irã e EUA, americanos se opõem a mais uma guerra

Festival de Cannes ainda está longe da paridade entre homens e mulheres no cinema

Aumento de tarifas americanas entra em vigor e deve acirrar guerra comercial entre EUA e China

China x EUA: guerra comercial de longo prazo é desafio para investidores

Após 48 horas de violência, entra em vigor cessar-fogo na Faixa de Gaza

Matteo Salvini visita Hungria para discutir "pacto europeu" com o nacionalista Viktor Orbán

Dia do Trabalho de tensão na Venezuela com manifestações pró e contra Maduro

Biden inicia campanha em Pittsburgh para conquistar operários que votaram em Trump

Espanha: Partido Socialista vence legislativas e extrema direita entra no Congresso

Ciclone Kenneth devasta ilha em Moçambique com ventos de mais de 200 km/h

"Direito internacional deve prevalecer à lei do mais forte", diz Putin após reunião com Kim Jong-Un

Morte de jornalista reabre ferida dos anos sangrentos na Irlanda do Norte

Zelenski, o ator que virou presidente da Ucrânia, país estratégico para a Europa