rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Outdoors sobre prêmio para retorno de migrantes causam indignação na Alemanha

Por Márcio Damasceno

Uma campanha do governo alemão incentivando o retorno voluntário de requerentes de asilo provoca irritação na Alemanha. Painéis e outdoors espalhados em grandes cidades do país anunciam um prêmio adicional para migrantes que até o fim do ano decidirem retornar aos seus países de origem. Várias das peças publicitárias foram alvo de vandalismo e pichações de protesto.

Do correspondente em Berlim

Os painéis publicitários podem ser vistos, sobretudo, em estações de trem, metrô e pontos de ônibus. A principal ilustração é uma faixa composta de bandeiras de vários países, incluindo Rússia, Afeganistão, Egito e Índia.

Os cartazes são escritos em sete idiomas, entre eles, inglês, russo, francês e árabe. O texto, curto, oferece até 12 meses de assistência financeira adicional para moradia no país de origem se o estrangeiro entrar com pedido de retorno até o próximo dia 31 de dezembro. Tudo sob o slogan “Retorno voluntário: seu país, seu futuro, agora!”.

Os críticos aos anúncios afirmam que as peças são genéricas e dão a impressão de se destinarem a todos os estrangeiros que vivem na Alemanha. Isso tem causado reclamações, especialmente entre imigrantes em situação legal.

A campanha, lançada no dia 13 de novembro, é destinada àqueles migrantes que tiveram seu pedido de refúgio ou visto de permanência rejeitado e não estão habilitados a ficar no país. Mas isso não é informado no texto dos outdoors e painéis distribuídos em 80 cidades alemãs.

Desconforto entre imigrantes legais e descendentes

Não só estrangeiros, como também alemães descendentes de imigrantes afirmam que se sentem ofendidos com os anúncios, que parecem convidar a todos os imigrantes a saírem do país em troca de ajuda financeira.

Muitas críticas apareceram nas redes sociais. Alguns outdoors foram depredados, manchados com sacos de tinta e pichados com frases como “Refugiados são bem-vindos” ou “Fiquem na Alemanha”. Partidos políticos, como o Partido Verde, e entidades humanitárias protestaram.

Um abaixo-assinado foi iniciado nesta semana contra a campanha. A petição online reivindicando a suspensão dos anúncios já conta com mais de 20 mil assinaturas. Uma startup de Berlim, cuja maioria dos funcionários é estrangeira ou descendente de imigrantes, afirmou que está planejando uma campanha contra a iniciativa do governo.

Também há críticas acusando a campanha de tratar da questão de forma pouco adequada, dando um espírito de “liquidação de inverno” a um tema delicado, com outdoors que lembram uma promoção comercial quando, na verdade, lidam com um assunto que mexe com destinos humanos e com situações difíceis na vida de refugiados.

O governo alemão já admitiu que errou na promoção de seu programa de retorno voluntário, reconheceu que a campanha, com textos superficiais, dá margem a equívocos e prometeu fazer mudanças.

Queda de inscrições em programa preocupa governo

Programas de auxílio financeiro para quem retorna voluntariamente ao país de origem existem há décadas na Alemanha. O governo decidiu propor um auxílio financeiro adicional para os que decidem retornar à pátria até o final de dezembro possivelmente para responder a uma queda do número de aderentes ao programa de retorno voluntário lançado em 2016, que caiu quase à metade nos últimos meses.

Enquanto em 2017 quase 29 mil pessoas aderiram à iniciativa do governo alemão, apenas 14 mil decidiram deixar o país até outubro deste ano.

No Brasil para posse de Bolsonaro, premiê de Israel quer discutir transferência de embaixada

Condenação de Michael Cohen complica a situação legal do presidente Donald Trump

Em último Conselho Europeu do ano, UE não fará concessões a May sobre o Brexit

Premiê britânica se reúne com líderes europeus para obter novas garantias para Brexit

Em clima tenso no clã Bolsonaro, presidente eleito será diplomado no TSE

Extrema direita se reúne na Bélgica contra Pacto sobre Migração da ONU

Bolivianos fazem greve geral contra nova candidatura de Evo Morales à presidência

Israel realiza operação em túneis do Hezbollah na fronteira com Líbano

Participação do Brasil no G20 é irrelevante à espera do que fará Bolsonaro

Hong Kong: congresso condena cientista"irresponsável" que editou genes em embriões

Itália quer impedir empréstimo de obras de Da Vinci para museu do Louvre

Fim do Airbnb na Cisjordânia reforça ações contra ocupação israelense