rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Brasil-Mundo
rss itunes

Banda brasileira grava homenagem à Marielle Franco em Berlim

Com um som inspirado no maracatu pernambucano, a banda berlinense "Rainhas do Norte" é formada só por mulheres. São sete brasileiras, duas alemãs e uma batida forte irresistível. Na bagagem, mais de quinze anos de apresentações, inclusive em palcos da Polônia e da Finlândia. Na semana passada, elas entraram em estúdio para gravar uma canção dedicada à Marielle Franco, vereadora executada no Rio de Janeiro em março. 

Por Cristiane Ramalho, correspondente da RFI em Berlim

Gravada em um pequeno estúdio num porão da capital alemã, a canção marca a volta da banda às suas origens. Depois de anos de experimentações com estilos como funk, ciranda, hip-hop, frevo e coco, a homenagem à vereadora carioca tem como base o puro maracatu - ritmo ligado à resistência negra. 

Autora da canção, a pedagoga e poetisa Emilia Mello, radicada há 31 anos na capital alemã, conta que a banda já pesquisou ritmos e fez fusões diversas, seguindo a musicalidade urbana de Berlim e do Nordeste do Brasil. Mas, para Marielle, a melodia “tinha que ter a força e a energia que só o maracatu tem”. A vereadora era conhecida por sua luta contra a homofobia, o racismo e a violência policial

Para Emilia, fazer a homenagem serviu também de “catarse” depois das eleições no Brasil. “Vida Vira”, a nova canção, será incluída no próximo CD – o segundo da banda, ainda sem data de lançamento.

Autora de praticamente todas as letras das Rainhas do Norte, Emilia diz que o viés político de muitas das canções não é por acaso: “Não fazemos música só para divertir. A gente se preocupa também com essas lutas. Por isso, sempre tento puxar para esse lado feminista, anti-racista, anti-homofóbico e anti-transfóbico”. 

Banda Rainhas do Norte é formada só por mulheres Cristiane Ramalho

Rainhas de si mesmas

As Rainhas já tocaram em diversas casas noturnas e festivais, inclusive em espaços tradicionais da capital alemã. Entre eles, o Teatro Volksbühne e a Haus der Kulturen der Welt (Casa das Culturas do Mundo), onde já se apresentaram nomes como Chico Buarque e Gilberto Gil. A Finlândia e a Polônia também estão no portfólio. 

“Naquela época, logo no começo da banda, a gente ainda tinha que mostrar passaporte na fronteira com a Polônia, e os guardas - até bem simpáticos - quiseram saber quem era Grace Kelly, no meio daquele monte de brasileiras”, diverte-se Franci Oliveira, cantora das Rainhas. Conhecida DJ na cena musical berlinense, Grace Kelly integra o grupo, mas ficou de fora da gravação porque está em turnê no Brasil.

A banda foi fundada em 2002 pela pernambucana Neide Alves. Percussionista pioneira da cena do maracatu de Recife, ela acabou saindo do grupo. Mas a proposta vingou. “Foi a Neide que ensinou a gente a tocar”, conta Marta Freire, também cantora das Rainhas. Entre os instrumentos usados, estão a alfaia, o gonguê, as congas e o glocke.
 
No maracatu, explica Marta, a rainha representa a ancestralidade. “O nome da banda tem a ver com a religião afro-brasileira e com a ideia de soberania, de ser rainha de si mesma. E é do Norte, porque estamos nesse Hemisfério”.  

Paixão é combustível

Com formações profissionais variadas – uma trabalha em circo, duas são DJs (além de Grace, há Marie Leão), uma terceira é psicóloga – elas não esperam ganhar dinheiro com a banda. O combustível é a paixão pela música. 

O que entra em caixa costuma servir, geralmente, para cobrir os custos do próprio grupo – como aluguel de estúdio, compra de novos instrumentos e gastos com transporte. “Quando entra um dinheiro a mais, a gente divide entre as integrantes. Mas grande parte do que recebemos é pra manter a banda mesmo”, conta a baixista e professora de idiomas Marina Pandeló, no grupo desde 2014.

Marina lembra que a banda já teve várias configurações, mas homens nunca foram aceitos: “A ideia é ser referência, inspirar outras mulheres. A música ainda é um espaço muito masculino”. Neste aspecto, a banda também está sintonizada com Marielle Franco, que abriu caminho para as mulheres num cenário político dominado por homens.

Único terreiro de candomblé na Alemanha só pode fazer seis rituais por ano

Artista brasileiro expõe na Itália obras de seu ateliê com portadores de deficiência

Brasileiro assume direção científica do maior jardim botânico do mundo, em Londres

Bailarina brasileira cria plataforma de empoderamento feminino em Nova York

Livro e exposição em Berlim contam história de judeu que se refugiou no Brasil fugindo do nazismo

Brasileiro cria projeto de moradia alternativo e divide casa com imigrantes africanos em Roma

Primeiro diretor negro de teatro público em Berlim, brasileiro propõe perspectiva de “pós-migração”

Brasileira propõe serviço de fotografia profissional para turistas do mundo todo

Associação de mulheres brasileiras luta contra ação de despejo da prefeita de Roma

Leila Daianis fala sobre seu trabalho de defesa das transexuais brasileiras em Roma

Brasileira que vive há mais de 30 anos na Arábia Saudita fala sobre conquistas das mulheres e diferenças culturais

Brasileiros que vivem em Portugal avaliam governo de esquerda, conhecido como “geringonça”

Em Los Angeles, Rafinha Bastos quer dominar a arte da comédia em inglês

Depois de palhaço e trapezista, brasileiro vira piloto de globo da morte em Dubai

Antônio Fagundes volta aos palcos portugueses com a comédia “Baixa Terapia”