rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Premiê britânica se reúne com líderes europeus para obter novas garantias para Brexit

Por Maria Luísa Cavalcanti

A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, inicia nesta terça-feira (11) uma série de encontros com líderes dos países da União Europeia em uma nova tentativa de obter garantias em relação ao futuro da fronteira da Irlanda do Norte, e assim prosseguir com seus planos para deixar o bloco europeu.

Correspondente da RFI em Londres
Na tarde de segunda-feira (10), May resolver adiar a votação do acordo final para o Brexit pelo Parlamento britânico, que estava marcada para hoje. A decisão causou espanto e revolta entre políticos da oposição e de seu próprio partido.
Theresa May começa este rápido giro europeu se reunindo com a chanceler alemã, Angela Merkel, e com o primeiro-ministro holandês, Mark Rutte.

A primeira-ministra está tentando conseguir dos líderes europeus mais garantias para a questão da fronteira da Irlanda do Norte. Essa é a única fronteira terrestre entre o Reino Unido e a União Europeia, por causa da República da Irlanda, que é membro do bloco.
Atualmente, cidadãos e bens dos dois países circulam livremente pela fronteira. Os dois lados querem que isso continue ocorrendo depois do Brexit, mas o acordo final dos britânicos prevê um mecanismo que acabaria criando uma fronteira com postos de controle caso a livre circulação acabe se provando impossível.

Tratamento preferencial?

As propostas de Theresa May para a Irlanda do Norte foram rejeitadas pelos partidos norte-irlandeses, e também pelos governos autônomos da Escócia e do País de Gales. Eles consideram que, ao evitar uma fronteira entre as Irlandas, o governo do Reino Unido estaria tratando a Irlanda do Norte com privilégios que os outros dois países gostariam de ter, já que votaram contra o Brexit. O acordo também foi rejeitado por membros do próprio gabinete e do próprio partido de Theresa May, o que contribuiu para ela decidir adiar a votação que estava prevista para esta terça-feira no Parlamento, da qual ela sairia derrotada.

Tudo o que o Reino Unido e a União Europeia tinham que decidir a respeito do futuro do país quando deixar o bloco já foi debatido e negociado várias vezes ao longo dos últimos dois anos. O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, deixou claro que não pretende voltar à mesa de negociações. Mas afirmou que os líderes europeus pretendem dialogar para facilitar a ratificação do acordo pelo Parlamento britânico. A esperança de Theresa May é que os europeus apresentem novas garantias em relação à fronteira com a Irlanda.

Votação do acordo pelo Parlamento

O governo tinha estabelecido o dia 21 de janeiro como o último dia para que o Parlamento vote o acordo pelo Brexit. Mas os partidos de oposição e alguns parlamentares do próprio partido de Theresa May querem que a votação ocorra antes do Natal. Há um temor de que se o governo deixar a votação para janeiro, e se o acordo for rejeitado pelo Parlamento, o país acabe tendo que deixar a União Europeia em março sem acordo algum.

Para alguns analistas a primeira-ministra deverá deixar a votação para janeiro. Mas o líder do Partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, disse que se May voltar na semana que vem sem novas garantias, seu partido poderá entrar com uma moção de censura no Parlamento, o que culminaria na convocação de novas eleições gerais. Há também um forte clamor por parte de outros partidos por um novo referendo, que poderia até incluir a opção de permanecer na União Europeia.

No Chile, líderes sul-americanos criam PROSUL para substituir a falida UNASUL

Brexit: em nova cúpula, UE decide se autoriza o adiamento do divórcio com Reino Unido

"Anistia" para migrantes grávidas que derem filhos para adoção choca espanhóis

Visto, acordos econômicos e transferência tecnológica estão na agenda de Bolsonaro nos EUA

Aniversário de 60 anos do exílio leva China a proibir turistas no Tibete até abril

Em plena campanha eleitoral, Netanyahu se envolve em briga com atriz que interpreta Mulher-Maravilha

Após obter novas garantias junto à UE, Reino Unido vota novamente acordo do Brexit

Venezuela: apagão leva Guaidó a pedir instauração do estado de emergência

Greve de mulheres espanholas exige igualdade salarial no mercado de trabalho

Vaticano faz em Manaus reunião preparatória para Sínodo da Amazônia, criticado por governo Bolsonaro

China corta impostos e anuncia "batalha" para combater desaceleração da economia

Venezuela: manifestações marcam retorno de Guaidó, que pode ser preso

Mostra em Berlim reconstrói cidades históricas sírias destruídas pela guerra

Brasil faz escolha coerente ao descartar conflito armado na Venezuela, dizem analistas