rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Em último Conselho Europeu do ano, UE não fará concessões a May sobre o Brexit

Por RFI

Não há motivos para comemoração entre os líderes europeus na última reunião do ano, que acontece nesta quinta e sexta-feira.  As principais lideranças do continente estão vivendo períodos turbulentos. O Brexit deve dominar a agenda deste Conselho Europeu, que vai também discutir imigração, mercado único e a zona do euro.

Letícia Fonseca Sourander, correspondente da RFI em Bruxelas

Às vésperas da reunião em Bruxelas, o Parlamento Europeu reafirmou sua posição: não haverá abertura nas novas negociações para o Brexit. A vitória apertada da primeira-ministra Theresa May, que sobreviveu ao voto de desconfiança de seu partido no Reino Unido, causou alívio em Bruxelas.

No entanto, o resultado da votação que aconteceu na noite desta quarta (12), no Parlamento britânico, descarta qualquer possibilidade de concessões importantes no acordo que consolidará a saída do Reino Unido da União Europeia.

Por 200 votos a 117, a líder do Partido Conservador se mantêm à frente das negociações com Bruxelas mas continuará enfrentando dificuldades dentro e fora de casa. A União Europeia deve manter a pressão contra o Reino Unido. Esta semana, Bruxelas voltou a enfatizar que o acordo que está sob a mesa “é o melhor e o único possível”.

No início da semana, Theresa May desistiu de levar adiante a votação final do acordo do Brexit, acertado com a União Europeia, no Parlamento britânico. A decisão de May foi vista como uma prova de que o documento não seria aprovado.

Questão da Irlanda ainda gera divergências

A futura fronteira entre a República da Irlanda – que faz parte do bloco europeu - e da Irlanda do Norte – integrante do Reino Unido - tem se relevado a questão mais sensível em todo o processo do Brexit. O acordo negociado entre Londres e Bruxelas prevê o chamado “backstop”, termo que significa rede de proteção, uma garantia de que mesmo com a concretização do Brexit sem um acordo geral com a União Europeia, a fronteira entre as Irlandas continue funcionando “sem fricção”, não prejudicando, portanto, a integração econômica e social da ilha irlandesa.

Este dispositivo, proposto por Bruxelas, tem sido muito criticado, principalmente pelos correligionários de May. De acordo com a proposta comunitária, a Irlanda do Norte permaneceria na união aduaneira da UE, grande parte do mercado único e do sistema de imposto de valor agregado (IVA) da UE. Segundo legisladores britânicos, o "backstop" poderia prender o país ao bloco europeu de modo indefinido.

Reunião em clima conturbado

A reunião do Conselho Europeu acontece em um clima conturbado. Os governos dos principais países do bloco enfrentam desgaste, baixa popularidade e protestos. A França tenta conter as manifestações dos “coletes amarelos” e a volta do terrorismo, com o recente ataque em Estrasburgo.

Na Alemanha, depois de anunciar o fim da carreira política, a chanceler Angela Merkel conseguiu emplacar uma sucessora para liderar o partido União Democrata Cristão (CDU), mas ainda sofre as consequências de sua política migratória. Em 2015, Merkel decidiu abrir as portas do país para um milhão de refugiados.

A crise migratória acendeu as chamas do populismo na Alemanha e no resto do continente. A questão da imigração foi decisiva para o processo do Brexit. O Reino Unido, mergulhado em uma crise de identidade, está tendo que enfrentar o caos no governo com a quase queda de sua enfraquecida primeira-ministra.

 

No Chile, líderes sul-americanos criam PROSUL para substituir a falida UNASUL

Brexit: em nova cúpula, UE decide se autoriza o adiamento do divórcio com Reino Unido

"Anistia" para migrantes grávidas que derem filhos para adoção choca espanhóis

Visto, acordos econômicos e transferência tecnológica estão na agenda de Bolsonaro nos EUA

Aniversário de 60 anos do exílio leva China a proibir turistas no Tibete até abril

Em plena campanha eleitoral, Netanyahu se envolve em briga com atriz que interpreta Mulher-Maravilha

Após obter novas garantias junto à UE, Reino Unido vota novamente acordo do Brexit

Venezuela: apagão leva Guaidó a pedir instauração do estado de emergência

Greve de mulheres espanholas exige igualdade salarial no mercado de trabalho

Vaticano faz em Manaus reunião preparatória para Sínodo da Amazônia, criticado por governo Bolsonaro

China corta impostos e anuncia "batalha" para combater desaceleração da economia

Venezuela: manifestações marcam retorno de Guaidó, que pode ser preso

Mostra em Berlim reconstrói cidades históricas sírias destruídas pela guerra

Brasil faz escolha coerente ao descartar conflito armado na Venezuela, dizem analistas