rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Déficit Itália União Europeia Orçamento Economia

Publicado em • Modificado em

UE afirma que proposta de redução do orçamento italiano é insuficiente

media
Pierre Moscovici, comissário europeu dos assuntos econômicos e financeiros, disse que Roma ainda terá que fazer esforços em seu orçamento. REUTERS/Francois Lenoir

O governo italiano propôs uma redução das reformas sociais com o objetivo de atingir as exigências orçamentárias da Comissão Europeia, que teme pelo impacto das medidas sociais nas contas públicas do país. No entanto, Bruxelas já informou que a proposta apresentada por Roma não é suficiente.


A coalizão no poder na Itália apresentou na quarta-feira (12) um projeto de orçamento no qual se comprometia a conter seu déficit público em 2019 a 2,04% do Produto Interno Bruto (PIB). A medida visa evitar as sanções da União Europeia, que pede um controle dos gastos de seus membros. O projeto inicial de Roma previa um déficit de 2,4% do PIB no ano que vem.

Os representantes europeus em Bruxelas consideraram que o governo italiano fez um esforço, visto como “um passo na boa direção”. Porém, “ainda pode melhorar, com passos que podem vir de ambas as partes”, declarou nesta quinta-feira (13) o comissário europeu dos assuntos econômicos e financeiros, Pierre Moscovici, sugerindo que Bruxelas também poderia contribuir.

A proposta de Roma já é vista como um grande avanço, já que a coalizão populista atualmente no poder na Itália, composta pelo Movimento Cinco Estrela e a Liga, havia excluído qualquer tipo de modificação em seu orçamento. No entanto, diante da ameaça de sanções, Roma acabou cedendo.

A Comissão Europeia, por sua vez, havia rejeitado, em 23 de outubro, o plano orçamentário italiano por apresentar um déficit muito superior ao prometido pelo governo anterior. A dívida italiana é de cerca de 131% do PIB.