rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Reino Unido: May tenta mobilizar parlamentares antes do voto do Brexit

A Câmara Baixa do Parlamento britânico deve votar no próximo dia 15 o acordo proposto pela primeira-ministra, Theresa May, de saída do Reino Unido da União Europeia, que oficializa o Brexit. O voto estava previsto para o dia 11 de dezembro, mas a premiê foi obrigada a cancelar a consulta por falta de apoio.

Maria Luísa Cavalcanti, correspondente da RFI em Londres

O Parlamento do Reino Unido retoma suas atividades nesta segunda-feira (6) com a tarefa de decidir o futuro do Brexit, a menos de três meses para que o país deixe oficialmente a União Europeia. No domingo, a primeira-ministra, Theresa May, confirmou que a votação do acordo que ela propõe para a saída deve ocorrer na próxima semana, depois de ter desistido da data original, em dezembro. No entanto, ainda há uma forte oposição à proposta de May por parte dos parlamentares.

No último mês, a primeira-ministra voltou a Bruxelas e intensificou conversas com os principais líderes europeus na tentativa de obter garantias de que a fronteira da Irlanda do Norte com a República da Irlanda não será restaurada formalmente depois que o Reino Unido sair da União Europeia. Mas aos olhos de muitos parlamentares, desde dezembro nada mudou em relação a este ponto, que é o mais polêmico da proposta de May.

Analistas acreditam que a possibilidade de a primeira-ministra ser derrotada no Parlamento ainda é muito grande. Ela tentou defender suas propostas, afirmando que, se seu plano for reprovado, o país vai entrar em “território desconhecido”. Com isso, May espera pressionar os parlamentares a acabarem votando a favor do acordo que ela apresenta.

De fato, se a proposta for derrotada por uma pequena maioria, a primeira-ministra ainda pode ter uma chance de redigir um novo acordo e tentar uma nova aprovação no fim de janeiro. Mas, se perder “de lavada”, o Reino Unido poderá se ver diante do chamado “no-deal Brexit”: sair da União Europeia como uma nação isolada, sem nenhum tipo de acordo comercial ou aduaneiro com o bloco.

Derrota no Parlamento pode levar a eleições gerais

Uma derrota no Parlamento também pode provocar a convocação de eleições gerais ou até de um segundo referendo. Uma pesquisa realizada pelo instituto britânico YouGov, e divulgada durante o fim de semana, revelou que se fosse realizado um novo referendo, 46% dos britânicos votariam para permanecer na União Europeia, contra 39% que defenderiam o Brexit. A mesma sondagem mostra que 41% favorecem a realização de um novo referendo, contra 36% que preferem que o assunto seja selado apenas pelo Parlamento.

A mudança da opinião pública reflete um sentimento generalizado de que a saída do bloco é um verdadeiro salto no escuro. Contribui para isso o fato de nos últimos meses, os britânicos virem Theresa May sobreviver a um voto de não-confiança dentro de seu partido e testemunharem várias trocas dentro do gabinete, em uma clara demonstração de instabilidade interna.

Além disso, recentemente, o governo anunciou medidas de emergência para o caso de o país sair da União Europeia em março sem nenhum acordo, principalmente nas áreas de defesa, infraestrutura e abastecimento, sinalizando um cenário de caos e despreparo. Houve ainda a constatação de que a campanha pelo Brexit em 2016 violou leis eleitorais e gerou uma série de promessas que acabaram não se concretizando.

Theresa May, no entanto, continua rejeitando a ideia de um segundo referendo, apesar de agora até mesmo alguns membros proeminentes do Partido Conservador declararem que prefeririam levar o Brexit para aprovação dos eleitores.

Acusado de inoperância, governo Bolsonaro testará apoio das ruas no domingo

Tsunami político na Áustria freia avanço da extrema direita do país nas eleições europeias

Em meio à tensão entre Irã e EUA, americanos se opõem a mais uma guerra

Festival de Cannes ainda está longe da paridade entre homens e mulheres no cinema

Aumento de tarifas americanas entra em vigor e deve acirrar guerra comercial entre EUA e China

China x EUA: guerra comercial de longo prazo é desafio para investidores

Após 48 horas de violência, entra em vigor cessar-fogo na Faixa de Gaza

Matteo Salvini visita Hungria para discutir "pacto europeu" com o nacionalista Viktor Orbán

Dia do Trabalho de tensão na Venezuela com manifestações pró e contra Maduro

Biden inicia campanha em Pittsburgh para conquistar operários que votaram em Trump

Espanha: Partido Socialista vence legislativas e extrema direita entra no Congresso

Ciclone Kenneth devasta ilha em Moçambique com ventos de mais de 200 km/h

"Direito internacional deve prevalecer à lei do mais forte", diz Putin após reunião com Kim Jong-Un