rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Parlamento do Reino Unido realiza votação histórica para decidir o futuro do país na União Europeia

Por RFI

O Reino Unido se prepara para assistir a uma votação histórica no Parlamento, na noite desta terça-feira, quando 650 deputados se reúnem para decidir o futuro do país na União Europeia. A dois meses da data para o Brexit virar realidade, a previsão é de que os parlamentares votem em massa contra a proposta de saída apresentada pela primeira-ministra Theresa May. A derrota pode abrir as portas para uma nova eleição geral ou até para um segundo referendo.

Por Maria Luisa Cavalcanti, correspondente da RFI Brasil em Londres

A votação no Parlamento está marcada para as 19h do horário local, 17h em Brasília. O sentimento geral é de grande apreensão, tanto por parte daqueles que preferem ver o Brexit virar realidade quanto por quem gostaria de ver o Reino Unido permanecer na União Europeia. Mas há também um certo clima de alívio por finalmente ver essa novela chegar mais perto do fim, ainda que não se saiba o que vai acontecer se Theresa May sair mesmo derrotada da votação.

Nos últimos dias, conforme a incerteza se aproxima, cresceu o número de pessoas que apoiariam a proposta de saída da primeira-ministra, caso houvesse um novo referendo. Segundo as pesquisas, hoje 40% dos britânicos preferem a proposta de May para o Brexit, enquanto exatamente outros 40% são favoráveis à permanência no bloco – uma grande virada de mesa desde dezembro, quando apenas 29% declaravam apoio ao plano da primeira-ministra. Isso sinaliza um desejo de que o país deixe a União Europeia com algumas garantias em vez de sair sem nenhum tipo de acordo com o bloco.

A expectativa de analistas, com base em declarações feitas pelos parlamentares, é que Theresa May saia derrotada da votação desta terça-feira. Depois de dois anos de negociações, em dezembro de 2018 a primeira-ministra apresentou a proposta do acordo que o país e a União Europeia fecharam com os termos para o Brexit.

Garantias e fronteiras

Segundo esse acordo, os britânicos deixam o bloco com algumas garantias, com um período de quase dois anos de transição, no qual o país ainda teria acesso ao mercado comum europeu e não haveria impostos alfandegários. Mas para muitos parlamentares, inclusive do próprio partido de May, o Conservador, o plano não resolve a questão da fronteira entre a Irlanda do Norte, que é parte do Reino Unido, e a República da Irlanda, que é membro da União Europeia.

De acordo com esta proposta, os dois países poderão ver o retorno de uma fronteira física rígida, ameaçando a paz conquistada em 1998. Ou, para evitar isso, a solução seria manter apenas a Irlanda do Norte dentro da União Europeia, enquanto a Escócia, o País de Gales e a Inglaterra, as outras nações do Reino Unido, sairiam do bloco. Esse é o ponto mais contestado tanto por aqueles políticos que defendem o Brexit como por aqueles que gostariam que os britânicos continuassem no bloco.

Plano de ação em caso de derrota

Caso as previsões se confirmem e o Parlamento rejeite os planos de Theresa May, a primeira-ministra terá três dias úteis para decidir o que fazer e apresentar um plano de ação. Uma das possibilidades é simplesmente voltar à mesa de negociações com a União Europeia e submeter uma nova proposta de saída ao Parlamento. Mas são os outros cenários que causam mais apreensão. O primeiro deles é o Reino Unido deixar o bloco em 29 de março sem nenhum tipo de laço com os antigos parceiros.

O país perderia acesso ao mercado comum e aos acordos alfandegários, o que poderia ocasionar uma alta de preços ou a falta de produtos básicos por um tempo. Fora isso, uma derrota no Parlamento pode resultar na convocação de eleições gerais ou até um segundo referendo.

Por enquanto, o líder do principal partido de oposição, o trabalhista Jeremy Corbyn, não tem apoiado a ideia de uma nova consulta pública, mas declarou que deve entrar com uma moção de desconfiança no governo, o que significa que o Partido Conservador teria de apontar um novo primeiro-ministro. Só se não houver um novo governo sólido é que se convocaria eleições gerais neste caso.

De qualquer maneira, a maioria desses cenários pode implicar em o Reino Unido ter que pedir à União Europeia uma extensão do prazo para oficializar sua saída para depois de 29 de março.

Bolsonaro quer definir texto da reforma da Previdência nesta quinta-feira

Brasil participa de conferência promovida pelos EUA para reforçar coalizão contra Irã

Começa em Madri julgamento histórico de líderes independentistas catalães

Divergências no Grupo de Contato sobre Venezuela podem dificultar saída para crise

Ernesto Araújo discute novas prioridades diplomáticas brasileiras nos EUA

Governo interino da Venezuela começa a organizar processo para novas eleições

Nos Emirados, papa Francisco defende cristãos e diálogo com outras religiões

Frio polar atrapalha cotidiano de cerca de 100 milhões de pessoas nos EUA

Novas sanções americanas aumentam importância da China na crise na Venezuela