rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Brasil participa de conferência promovida pelos EUA para reforçar coalizão contra Irã

Na semana em que o Irã celebrou 40 anos da Revolução Islâmica, os EUA pretendem mostrar sua visão sobre o Oriente Médio em uma Conferência Internacional, que começa nesta quarta-feira (13) em Varsóvia, na Polônia. Em reunião esnobada por potências europeias, o Brasil estará presente, mostrando alinhamento com a política externa de Trump.

Letícia Fonseca-Sourander, correspondente da RFI em Bruxelas

Quando os EUA lançaram a idéia de organizar uma Conferência sobre o Oriente Médio, Bruxelas se mostrou reticente. Na época, o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, assegurou que o Irã estaria no centro dos debates. Nenhum assunto desestabiliza mais a frágil parceria transatlântica do que o acordo nuclear iraniano. A polêmica reunião, que acontece nesta quarta (13) e quinta-feira (14) em Varsóvia com representantes de algumas dezenas de países - entre eles o Brasil, será realizada sem a presença do governo de Teerã, um dos principais atores do Oriente Médio.

O fato não causa nenhuma surpresa. Recentemente Pompeo afirmou que um dos objetivos do evento seria combater o que chamou de “influência desestabilizadora” do Irã na região. Por pressão de Bruxelas, a agenda foi ampliada e agora se define como um encontro para promover a paz e segurança no Oriente Médio. Mesmo assim, a chefe da diplomacia da União Europeia, Federica Mogherini, declinou o convite e alegou falta de espaço na agenda. O boicote de Mogherini reflete o vácuo entre Bruxelas e Washington sobre a questão iraniana. Alemanha e França, as principais potências do bloco, também não vão enviar ministros.

EUA pressionam Europa contra Teerã

A reunião convocada pelos EUA, acontece fora do âmbito de organismos multilaterais como as Nações Unidas e sem a presença da Rússia, Turquia, Irã, Iraque, Líbano, a Autoridade Palestina, entre outros. Originalmente, a conferência foi idealizada pela administração Trump para pressionar os países da União Europeia a adotarem uma postura mais firme contra o governo de Teerã.

No ano passado, Trump retirou os EUA do acordo nuclear com o Irã, em vigor desde 2016, e restabeleceu sanções ao país persa e anunciou que as empresas que atuassem em solo iraniano seriam penalizadas. No início deste mês, Bruxelas ratificou a Instex, entidade criada para que o bloco continue a negociar com o Irã.

Varsóvia apoia política de Trump contra Irã

A Polônia foi o primeiro país europeu que defendeu a reimposição das punições dos EUA, uma promessa de campanha de Trump. Ao promover o encontro em Varsóvia, Washington parece querer aproveitar da desunião do bloco sobre política externa. No final de 2015, quando o partido ultraconservador Lei e Justiça (PiS) chegou ao poder, a Polônia deu um considerável giro à direita com retrocesso democrático e desde então, está em confronto direto com Bruxelas. Segundo o jornal britânico Financial Times, a Conferência de Varsóvia será no melhor dos casos, uma perda de tempo, no pior, uma provocação.

Brasil quer se alinhar à política externa de Trump

A presença do chanceler brasileiro Ernesto Araújo em Varsóvia reforça a intenção do governo Bolsonaro em se alinhar à política externa dos EUA. Recentemente, o diplomata afirmou que o céu seria o limite na relação entre os dois países. Na Polônia, o Brasil deve continuar seguindo os passos de Trump. O Brasil, que exporta principalmente commodities para o Irã, ainda não sofre com as sanções americanas. Cerca de 90% das exportações brasileiras para o mercado iraniano são de produtos agropecuários: soja, milho e carnes, principalmente a bovina. Porém, o risco de perder esse mercado é real se Bolsonaro levar adiante o plano de transferir a embaixada do Brasil em Tel Aviv para Jerusalém.

Lista de presença incerta

Às vésperas da abertura do encontro, a lista dos países que irá enviar ministros e altos representantes para Varsóvia ainda é incerta. Entre as presenças confirmadas estão o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, e o secretário de Estado americano, Mike Pompeo. O conselheiro e genro de Trump, Jared Kushner, deve apresentar uma proposta de paz para o conflito israelo-palestino na quinta-feira.

Com exceção da Grã-Bretanha, os países europeus enviarão representantes de baixo escalão e os países árabes alinhados com Washington confirmaram a presença de seus ministros. O presidente iraniano, Hassan Rohani, que não foi convidado para o evento, desembarca na Rússia para uma reunião com o presidente Vladimir Putin e seu colega turco, Recepp Tayyip Erdogan.

Acusado de inoperância, governo Bolsonaro testará apoio das ruas no domingo

Tsunami político na Áustria freia avanço da extrema direita do país nas eleições europeias

Em meio à tensão entre Irã e EUA, americanos se opõem a mais uma guerra

Festival de Cannes ainda está longe da paridade entre homens e mulheres no cinema

Aumento de tarifas americanas entra em vigor e deve acirrar guerra comercial entre EUA e China

China x EUA: guerra comercial de longo prazo é desafio para investidores

Após 48 horas de violência, entra em vigor cessar-fogo na Faixa de Gaza

Matteo Salvini visita Hungria para discutir "pacto europeu" com o nacionalista Viktor Orbán

Dia do Trabalho de tensão na Venezuela com manifestações pró e contra Maduro

Biden inicia campanha em Pittsburgh para conquistar operários que votaram em Trump

Espanha: Partido Socialista vence legislativas e extrema direita entra no Congresso

Ciclone Kenneth devasta ilha em Moçambique com ventos de mais de 200 km/h

"Direito internacional deve prevalecer à lei do mais forte", diz Putin após reunião com Kim Jong-Un