rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Ministro francês acusado de esbanjar dinheiro renuncia
Linha Direta
rss itunes

Brasil participa de conferência promovida pelos EUA para reforçar coalizão contra Irã

Na semana em que o Irã celebrou 40 anos da Revolução Islâmica, os EUA pretendem mostrar sua visão sobre o Oriente Médio em uma Conferência Internacional, que começa nesta quarta-feira (13) em Varsóvia, na Polônia. Em reunião esnobada por potências europeias, o Brasil estará presente, mostrando alinhamento com a política externa de Trump.

Letícia Fonseca-Sourander, correspondente da RFI em Bruxelas

Quando os EUA lançaram a idéia de organizar uma Conferência sobre o Oriente Médio, Bruxelas se mostrou reticente. Na época, o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, assegurou que o Irã estaria no centro dos debates. Nenhum assunto desestabiliza mais a frágil parceria transatlântica do que o acordo nuclear iraniano. A polêmica reunião, que acontece nesta quarta (13) e quinta-feira (14) em Varsóvia com representantes de algumas dezenas de países - entre eles o Brasil, será realizada sem a presença do governo de Teerã, um dos principais atores do Oriente Médio.

O fato não causa nenhuma surpresa. Recentemente Pompeo afirmou que um dos objetivos do evento seria combater o que chamou de “influência desestabilizadora” do Irã na região. Por pressão de Bruxelas, a agenda foi ampliada e agora se define como um encontro para promover a paz e segurança no Oriente Médio. Mesmo assim, a chefe da diplomacia da União Europeia, Federica Mogherini, declinou o convite e alegou falta de espaço na agenda. O boicote de Mogherini reflete o vácuo entre Bruxelas e Washington sobre a questão iraniana. Alemanha e França, as principais potências do bloco, também não vão enviar ministros.

EUA pressionam Europa contra Teerã

A reunião convocada pelos EUA, acontece fora do âmbito de organismos multilaterais como as Nações Unidas e sem a presença da Rússia, Turquia, Irã, Iraque, Líbano, a Autoridade Palestina, entre outros. Originalmente, a conferência foi idealizada pela administração Trump para pressionar os países da União Europeia a adotarem uma postura mais firme contra o governo de Teerã.

No ano passado, Trump retirou os EUA do acordo nuclear com o Irã, em vigor desde 2016, e restabeleceu sanções ao país persa e anunciou que as empresas que atuassem em solo iraniano seriam penalizadas. No início deste mês, Bruxelas ratificou a Instex, entidade criada para que o bloco continue a negociar com o Irã.

Varsóvia apoia política de Trump contra Irã

A Polônia foi o primeiro país europeu que defendeu a reimposição das punições dos EUA, uma promessa de campanha de Trump. Ao promover o encontro em Varsóvia, Washington parece querer aproveitar da desunião do bloco sobre política externa. No final de 2015, quando o partido ultraconservador Lei e Justiça (PiS) chegou ao poder, a Polônia deu um considerável giro à direita com retrocesso democrático e desde então, está em confronto direto com Bruxelas. Segundo o jornal britânico Financial Times, a Conferência de Varsóvia será no melhor dos casos, uma perda de tempo, no pior, uma provocação.

Brasil quer se alinhar à política externa de Trump

A presença do chanceler brasileiro Ernesto Araújo em Varsóvia reforça a intenção do governo Bolsonaro em se alinhar à política externa dos EUA. Recentemente, o diplomata afirmou que o céu seria o limite na relação entre os dois países. Na Polônia, o Brasil deve continuar seguindo os passos de Trump. O Brasil, que exporta principalmente commodities para o Irã, ainda não sofre com as sanções americanas. Cerca de 90% das exportações brasileiras para o mercado iraniano são de produtos agropecuários: soja, milho e carnes, principalmente a bovina. Porém, o risco de perder esse mercado é real se Bolsonaro levar adiante o plano de transferir a embaixada do Brasil em Tel Aviv para Jerusalém.

Lista de presença incerta

Às vésperas da abertura do encontro, a lista dos países que irá enviar ministros e altos representantes para Varsóvia ainda é incerta. Entre as presenças confirmadas estão o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, e o secretário de Estado americano, Mike Pompeo. O conselheiro e genro de Trump, Jared Kushner, deve apresentar uma proposta de paz para o conflito israelo-palestino na quinta-feira.

Com exceção da Grã-Bretanha, os países europeus enviarão representantes de baixo escalão e os países árabes alinhados com Washington confirmaram a presença de seus ministros. O presidente iraniano, Hassan Rohani, que não foi convidado para o evento, desembarca na Rússia para uma reunião com o presidente Vladimir Putin e seu colega turco, Recepp Tayyip Erdogan.

Mercosul discute reformas internas para enfrentar concorrência europeia

Patrimônio da Unesco, Festival Naadam festeja séculos de tradição nômade na Mongólia

Campanha eleitoral começa na Argentina com Brasil e EUA reforçando apoio a Macri

Após aprovação de texto-base, deputados votam destaques que podem mudar reforma da Previdência

Para evitar gravidez precoce, projeto investe em visita de jovens jogadoras brasileiras à Holanda

Favorito, Johnson enfrenta Hunt em 1° debate na TV entre candidatos a premiê no Reino Unido

Terremotos na Califórnia reavivam medo de "Big One", tremor com consequências trágicas

ONGs aplaudem relatório da ONU sobre Direitos Humanos na Venezuela e pedem justiça

Mais de 1,4 milhão de refugiados vão precisar de reassentamento até 2020, diz agência da ONU

Central sindical argentina classifica acordo UE-Mercosul como “industricídio”

Prisão da capitã do navio "Sea-Watch 3" divide opinião pública da Itália

Com recusa de Salvini, navio humanitário Sea-Watch volta a águas internacionais

Foto de pai e filha mortos ressalta drama humano no debate sobre a imigração nos EUA

Novas sanções dos EUA ao Irã devem secar entrada de dinheiro no país

Sucesso eleitoral da extrema direita colabora com clima de terror na Alemanha

Brasil apoia candidato chinês para substituir Graziano na liderança da FAO

Michelle Bachelet se encontra com Maduro e Guaidó durante visita à Venezuela

Boris Johnson é favorito em nova votação para definir sucessor de Theresa May