rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Brasil-Mundo
rss itunes

Carnaval de rua brasileiro vira moda em Portugal

Não é só no Brasil que as comemorações do Carnaval são levadas à sério. Em Lisboa, embora algumas tradições tenham ficado pelo caminho, são muitos os foliões que saem às ruas para celebrar. Para animar ainda mais a festa, a tradição carioca dos blocos de rua veio para ficar, arrastando uma multidão maior a cada ano. 

Luciana Quaresma, correspondente da RFI em Lisboa

Leonardo Mesquita, fundador do bloco Bué Tolo, decidiu trazer um pouco do Carnaval do Rio de Janeiro para a capital portuguesa nos moldes dos famosos blocos cariocas. À RFI, ele explicou sobre a origem da iniciativa. 

"O Bué Tolo nasceu em 2018, da necessidade de criarmos aqui alguma coisa parecida com o Carnaval de rua do Rio de Janeiro, porque nós, os brasileiros cariocas que viemos para cá, ficávamos órfãos nesta cena que não tinha nada a ver com a nossa cara, com o imaginário do Carnaval carioca. Foi então que surgiu a ideia de homenagear o Boi Tolo que é um bloco muito tradicional do Rio, que arrasta multidões. Adaptamos para Portugal com o Bué Tolo, que aqui é uma gíria que significa 'muito'. Achamos que seria interessante criar este nome”, diz Leonardo Mesquita.

Bloco de Carnaval Bué Tolo nasceu em 2018 em Lisboa. Divulgação/Bué Tolo

A folia do lado de cá do Atlântico não acontece apenas durante o Carnaval. O Bué Tolo organiza workshops e eventos durante todo o ano. "Desde outubro do ano passado nós criamos aulas de percussão em parceria com Fábio Allman, ex-cantor do Monobloco que veio morar aqui. A ideia é formar um grupo com os instrumentos tradicionais das escolas de samba como o surdo, chocalho, agôgo, repique, a caixa e o tamborim e tocar o ano todo", afirma. 

Pelo segundo ano consecutivo, o bloco Bué Tolo vai levar sua bateria para a rua ao som do samba, marchinha, xote e funk. Munidos de diversos instrumentos, o bloco entra em ação neste domingo (3), no Cais do Sodré, em Lisboa. 

Um pouco do Brasil por Lisboa

Andréa Freire, é uma das líderes do bloco Colombina Clandestina, que faz a terceira edição no carnaval lisboeta e leva um pouco do Brasil pelas ruelas mais tradicionais da cidade, o bairro de Alfama. À RFI, ela falou sobre a adesão do público europeu.

“Para mim, o que é mais especial do Colombina Clandestina é que, apesar de ser um bloco de Carnaval com repertório e grande parte dos integrantes brasileiros, temos também muitos participantes de outras nacionalidades e isso é incrível! Temos portugueses, italianos, espanhóis… temos uma mistura maravilhosa!"

O bloco Colombina Clandestina leva um pouco do Brasil pelo bairro de Alfama, em Lisboa. Divulgação/Colombina Clandestina

A atriz carioca  Isabel Villela, que se mudou para Lisboa ano passado, é apaixonada pelo Carnaval de rua desde pequena. Para não ficar longe deste amor antigo, toca caixa em vários blocos, entre eles o Bué Tolo, Se Calhar é Funk e o Colombina Clandestina. 

“Na verdade, eu toco praticamente em todos os blocos e eu toco caixa que é um instrumento da bateria. Os ensaios são os dias mais felizes da minha semana porque é um momento que eu consigo me conectar comigo mesma, que não penso em mais nada, que estou muito focada, tentando aprender um instrumento que é muito difícil mas é muito gratificante, é um momento único. Tenho a oportunidade de conhecer muitas pessoas, aqui em Portugal tem gente do mundo inteiro tocando", conta.

Carla Mendes, que veio pra Lisboa em 2017, já tocava em blocos no Rio de Janeiro e é uma das responsáveis pelo mais novo integrante do carnaval português, o bloco Se Calhar é Funk. “É um bloco multicultural, isso é muito legal do Se Calhar é Funk porque tem integrantes brasileiros, portugueses e franceses. Estamos conseguindo misturar nacionalidades e pessoas que nunca tinham tocado um instrumento na vida estão participando", comemora.

Bloco Bué Tolo leva sua bateria para a rua ao som do samba em Lisboa. Divulgação/Bué Tolo

Expectativa para os próximos Carnavais

O sucesso dos blocos de rua foi tão grande em 2018 em Lisboa, que este ano a expectativa dos foliões é grande. A ideia dos organizadores é de continuar investindo para que a festa continue crescendo a cada ano. “Essa moda dos blocos do Rio de Janeiro pegou forte aqui, já existem alguns blocos e acho que cada vez mais vai aumentar!”, garante Leonardo Mesquita, do Bué Tolo. 

Segundo Carla Mendes, o que o Se Calhar é Funk espera é poder levar diversão para as ruas. “Queremos dar alegria não só para os brasileiros ou para os cariocas, que estão mais acostumados com os blocos de rua, mas para os portugueses também e todas a nacionalidades que tiverem por Lisboa durante o Carnaval e que possam se divertir com a gente!”.     

Inspirada na obra de Guimarães Rosa, Bienal de Arte de Coimbra destaca artistas brasileiros

Grupo vocal Coralzim integra imigrantes em Lisboa sob a batuta de Leandro Bomfim

Políticas corporativas de gênero atraem novos talentos, dizem advogadas brasileiras em Londres

João Kopke: o luso-brasileiro que mostra o melhor de Portugal através do surfe

Descoberta em Paris, acrobata carioca hoje brilha nos palcos da Alemanha

Famílias brasileiras contam como filhos se adaptam a escolas portuguesas

Músico brasileiro vira celebridade em Israel depois de participar de reality show

Cozinha dos afetos, a relação entre comida e memórias dos brasileiros que vivem em Portugal

Jovem ativista indígena brasileira participa da Cúpula do Clima da ONU

Atacado pelo governo de Bolsonaro no Brasil, educador Paulo Freire é celebrado na Suíça

Navio-escola Brasil atraca pela primeira vez em Israel com maior turma de aspirantes da história

Instituições brasileiras que combatem a cegueira ganham destaque com prêmio na Europa

Estudo de cientista brasileira sobre ligação entre células inova no combate de várias doenças

Israel: brasileira ensina hebraico online para recém-chegados e fãs do Velho Testamento

Empresária brasileira aposta em brigadeiros para conquistar consumidores israelenses

Em Portugal, brasileiros são os imigrantes que mais recorrem a programa de retorno ao país de origem

Brasileiros expatriados criam canais nas redes sociais com dicas sobre viver em Portugal