rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Brexit: em nova cúpula, UE decide se autoriza o adiamento do divórcio com Reino Unido

Em um clima de muita incerteza, líderes europeus se reúnem em Bruxelas nesta quinta-feira (21) para discutir a possibilidade de extensão do prazo do Brexit, oficialmente marcado para o próximo dia 29. A primeira-ministra britânica Theresa May quer garantir uma prorrogação de três meses para a data do divórcio entre Reino Unido e União Europeia. 

Letícia Fonseca-Sourander, correspondente da RFI em Bruxelas

Diante da falta de um consenso sobre o Brexit entre o governo da primeira-ministra britânica, Theresa May e o Partido Trabalhista, e mesmo dentro do Parlamento de Westminster, a saída do Reino Unido da União Europeia se mostra ainda como um projeto nebuloso. Nesta quinta-feira (21), a chanceler alemã, Angela Merkel, declarou que, caso os europeus autorizassem a mudança, a extensão deveria ser "curta".

Se o parlamento britânico não ratificar o acordo negociado pela primeira-ministra britânica com Bruxelas, "haveria necessidade de organizar uma cúpula extraordinária", disse Merkel.

Do outro lado do Canal da Mancha, os políticos britânicos continuam discutindo como, quando e até se o divórcio vai realmente acontecer. Apesar da data da separação estar oficialmente marcada para daqui a oito dias, May enviou um pedido formal a Bruxelas solicitando o adiamento deste prazo para 30 de junho.

A ideia não agrada a Comissão Europeia. Para o presidente do executivo do bloco, Jean-Claude Juncker, a saída do Reino Unido deveria estar completa até o dia 23 de maio, quando começam as eleições europeias. Nesta quinta-feira (21), a premiê britânica desembarca em Bruxelas para discutir a extensão do prazo do Brexit com os líderes europeus. Seu adversário político, o líder do Partido Trabalhista Jeremy Corbyn também é aguardado na capital belga.

Apesar da enorme falta de carisma da premiê britânica, os dirigentes europeus devem ouvir as justificativas da líder conservadora. Nenhum avanço é esperado, pelo menos da parte de Theresa May, que deseja estender a data da saída do Reino Unido em três meses.

O negociador europeu para o Brexit, Michel Barnier, acredita que sem um plano concreto de Londres a extensão pode arrastar a incerteza por mais tempo. Barnier adverte para um cenário de um Brexit sem acordo e o clima em Bruxelas fica mais sombrio porque esta possibilidade agora é real.

No entanto, o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, diz que vai recomendar aos chefes de Estado e governo da UE que concedam a prorrogação do prazo do divórcio. Tusk acredita que uma extensão curta é possível, desde que seja condicional a um voto positivo do acordo de saída no Parlamento britânico. Porém, este acordo negociado com Bruxelas, que oferece a chamada “saída ordenada”, foi rejeitado duas vezes.

Parlamento britânico impede votação do Brexit

Nesta quarta-feira (20), o presidente do Parlamento britânico impediu uma terceira votação do plano do Brexit, argumentando que o texto deveria apresentar “alterações substanciais” para que pudesse ser votado novamente. Resta saber se na próxima semana o texto e a casa vão conseguir estar em ordem.

Se o Parlamento britânico conseguir aprovar o acordo de May na próxima semana, a extensão de três meses para o prazo do Brexit deve receber o sinal verde de Bruxelas. Caso contrário, a União Europeia poderá propor um adiamento mais longo, o que implicaria na participação do Reino Unido nas eleições europeias marcadas para maio próximo.

Mas o negociador europeu para o Brexit, Michel Barnier, não concorda com essa opção. Recentemente, o diplomata francês encarregado de negociar o divórcio com o Reino Unido em nome dos 27 países do bloco ressaltou que “prolongar a incerteza tem custos econômicos e políticos, além das consequências nas eleições europeias”.

Até o momento, Theresa May parece inabalável ao excluir qualquer extensão após 30 de junho ou a convocação de um segundo referendo sobre o Brexit. Segundo especialistas, May estaria mais disposta a renunciar do que aceitar um adiamento longo. Todos estão à espera dos capítulos finais desta novela onde nem mesmo o autor sabe que o que vai acontecer.

Zelenski, o ator que virou presidente da Ucrânia, país estratégico para a Europa

Itália propõe à França seu know-how para restauração da Notre-Dame

União Europeia adia Brexit para 31 de outubro, data da festa de Halloween

Netanyahu caminha para 5° mandato em Israel com apoio de nacionalistas e ultraortodoxos

Ernesto Araújo chega a Buenos Aires para explicar nova política externa brasileira a argentinos

Israel: Netanyahu deve perder eleições mas continua no poder se formar coalizão

“Bolsonaro começa a entender que precisa dialogar com legislativo”, diz analista

Sob pressão de Trump, Otan celebra 70 anos com sérias divisões internas

Chicago elege primeira mulher negra e homossexual para prefeita da cidade

Comemoração de golpe militar no Brasil gera desconforto nos países vizinhos

Escalada de violência na região de Gaza esquenta campanha eleitoral em Israel