rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Nobel de Economia vai para francesa, indiano e americano por estudos de combate à pobreza
Linha Direta
rss itunes

Brexit: em nova cúpula, UE decide se autoriza o adiamento do divórcio com Reino Unido

Em um clima de muita incerteza, líderes europeus se reúnem em Bruxelas nesta quinta-feira (21) para discutir a possibilidade de extensão do prazo do Brexit, oficialmente marcado para o próximo dia 29. A primeira-ministra britânica Theresa May quer garantir uma prorrogação de três meses para a data do divórcio entre Reino Unido e União Europeia. 

Letícia Fonseca-Sourander, correspondente da RFI em Bruxelas

Diante da falta de um consenso sobre o Brexit entre o governo da primeira-ministra britânica, Theresa May e o Partido Trabalhista, e mesmo dentro do Parlamento de Westminster, a saída do Reino Unido da União Europeia se mostra ainda como um projeto nebuloso. Nesta quinta-feira (21), a chanceler alemã, Angela Merkel, declarou que, caso os europeus autorizassem a mudança, a extensão deveria ser "curta".

Se o parlamento britânico não ratificar o acordo negociado pela primeira-ministra britânica com Bruxelas, "haveria necessidade de organizar uma cúpula extraordinária", disse Merkel.

Do outro lado do Canal da Mancha, os políticos britânicos continuam discutindo como, quando e até se o divórcio vai realmente acontecer. Apesar da data da separação estar oficialmente marcada para daqui a oito dias, May enviou um pedido formal a Bruxelas solicitando o adiamento deste prazo para 30 de junho.

A ideia não agrada a Comissão Europeia. Para o presidente do executivo do bloco, Jean-Claude Juncker, a saída do Reino Unido deveria estar completa até o dia 23 de maio, quando começam as eleições europeias. Nesta quinta-feira (21), a premiê britânica desembarca em Bruxelas para discutir a extensão do prazo do Brexit com os líderes europeus. Seu adversário político, o líder do Partido Trabalhista Jeremy Corbyn também é aguardado na capital belga.

Apesar da enorme falta de carisma da premiê britânica, os dirigentes europeus devem ouvir as justificativas da líder conservadora. Nenhum avanço é esperado, pelo menos da parte de Theresa May, que deseja estender a data da saída do Reino Unido em três meses.

O negociador europeu para o Brexit, Michel Barnier, acredita que sem um plano concreto de Londres a extensão pode arrastar a incerteza por mais tempo. Barnier adverte para um cenário de um Brexit sem acordo e o clima em Bruxelas fica mais sombrio porque esta possibilidade agora é real.

No entanto, o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, diz que vai recomendar aos chefes de Estado e governo da UE que concedam a prorrogação do prazo do divórcio. Tusk acredita que uma extensão curta é possível, desde que seja condicional a um voto positivo do acordo de saída no Parlamento britânico. Porém, este acordo negociado com Bruxelas, que oferece a chamada “saída ordenada”, foi rejeitado duas vezes.

Parlamento britânico impede votação do Brexit

Nesta quarta-feira (20), o presidente do Parlamento britânico impediu uma terceira votação do plano do Brexit, argumentando que o texto deveria apresentar “alterações substanciais” para que pudesse ser votado novamente. Resta saber se na próxima semana o texto e a casa vão conseguir estar em ordem.

Se o Parlamento britânico conseguir aprovar o acordo de May na próxima semana, a extensão de três meses para o prazo do Brexit deve receber o sinal verde de Bruxelas. Caso contrário, a União Europeia poderá propor um adiamento mais longo, o que implicaria na participação do Reino Unido nas eleições europeias marcadas para maio próximo.

Mas o negociador europeu para o Brexit, Michel Barnier, não concorda com essa opção. Recentemente, o diplomata francês encarregado de negociar o divórcio com o Reino Unido em nome dos 27 países do bloco ressaltou que “prolongar a incerteza tem custos econômicos e políticos, além das consequências nas eleições europeias”.

Até o momento, Theresa May parece inabalável ao excluir qualquer extensão após 30 de junho ou a convocação de um segundo referendo sobre o Brexit. Segundo especialistas, May estaria mais disposta a renunciar do que aceitar um adiamento longo. Todos estão à espera dos capítulos finais desta novela onde nem mesmo o autor sabe que o que vai acontecer.

Partido ultraconservador vence eleição na Polônia e prosseguirá reformas controvertidas

Alemanha: autor de ataque contra sinagoga afirma ter sido motivado por ideias de extrema direita

Briga por processo de impeachment pode fortalecer a reeleição de Trump

Postura instável de Trump no norte da Síria ameaça futuro de curdos e pode fortalecer grupo EI

Papa Francisco condena "proselitismo religioso que força conversões" na Amazônia

Com coalizão "Geringonça", socialista António Costa desponta como vencedor do pleito em Portugal

Assassinato de jornalista saudita completa um ano sem punição e sem corpo

Manifestante é ferido a tiros em Hong Kong em protesto contra festa da China comunista

Catedral de Manaus celebra missa para religiosos que irão ao Sínodo do Vaticano

Maioria no Senado americano, republicanos não temem ameaça de impeachment

Derrubada de vetos de Bolsonaro à Lei de Abuso de Autoridade fortalece Congresso, diz presidente do Senado

Secretário-geral da ONU nega ter vetado Brasil e outros países na Cúpula do Clima

Alemanha declara guerra aos carros SUVs por poluírem e ocuparem muito espaço em estacionamentos

Escolha de Christine Lagarde para comando do Banco Central Europeu é polêmica

Após meses de atrito, Macron vai à Roma tentar reaproximação com a Itália