rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Itália teme invasão de migrantes devido conflito na Líbia

A Líbia, no norte da África, há 12 dias sofre a ofensiva das milícias do general Khalifa Haftar para conquistar a capital, Trípoli. O país vive um conflito que já registrou cerca de 150 mortos e mais de 600 feridos. Segundo as Nações Unidas, cerca de 18 mil pessoas tiveram que ser deslocadas devido os combates.

Gina Marques, correspondente da RFI em Roma,

O primeiro-ministro da Líbia, Fayez al Sarraj, alertou nesta segunda-feira (15) que 800 mil migrantes estão prontos a "invadir" a Itália e a Europa por causa dos conflitos no país africano.

A Itália tem ligações históricas com a Líbia, não apenas pela proximidade geográfica, com uma distância no mar Mediterrâneo de menos de 400 km. A Líbia foi colônia italiana de 1911 à 1943.

Em 2008, o então premiê italiano Silvio Berlusconi pediu publicamente desculpas ao líder líbio Muammar Gaddafi pela ocupação colonial italiana e anunciou que a Itália indenizaria a Líbia pagando cerca de €3,4 bilhões de euros em 20 anos, ou seja, € 170 milhões de euros anuais em investimentos e projetos.

Naquela ocasião, em Bengazi, os líderes assinaram um tratado de amizade, parceria e cooperação entre os dois países, mas depois do assassinato de Muammar Gaddafi, não se falou mais neste acordo.

Além disso, a Itália tem interesses diretos na Líbia com a exploração de petróleo feita pela companhia italiana ENI. Esta empresa está presente na Líbia desde 1959 e administra atualmente 5 grandes reservas de petróleo no deserto e duas off-shore, na frente de Trípoli.

Preocupações

A Itália está preocupada com o conflito na Líbia principalmente por três motivos: a possível chegada maciça de migrantes, o peso político italiano no cenário internacional e também porque tem interesses petrolíferos dentro da Líbia.

O primeiro-ministro italiano Giuseppe Conte está tentando mediar o conflito, propondo o diálogo com os países que apoiam cada uma das principais facções líbias. Mas o próprio governo italiano está dividido.

De um lado, o ministro do Interior e vice premiê Matteo Salvini, do partido de extrema-direita Liga, mantém a linha dura de fechar os portos italianos para a chegada de migrantes. Do outro, o ministro do Desenvolvimento Econômico e também vice-premiê Luigi di Maio junto com a ministra da Defesa Elisabetta Trenta, ambos do Movimento Cinco Estrelas, força antissistema.

Segundo Di Maio e Trenta, não basta fechar os portos, é preciso uma solução mais estruturada e convencer os países europeus governados pela extrema-direita a receber migrantes.

A Líbia é dividida entre diversas facções, cujas principais são duas: do lado oeste o Governo de União Nacional, liderado pelo Fayez al Sarraj, que conta com grupos armados de Trípoli e Misurata, e é internacionalmente apoiado pela ONU, Turquia, Catar e pela Itália.

Do outro, o Parlamento de Tobruk, no leste do país e fiel ao general Khalifa Haftar, que lidera o Exército Nacional Líbio, principal força armada desta nação africana. Haftar conta com o apoio do Egito, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Rússia e França.

A Itália apoia Al Sarraj e o Governo de União Nacional em Trípoli. É importante ressaltar que o Banco Central da Líbia em Trípoli, sob comando de Al Sarraj, controla as exportações do petróleo líbio. Enquanto o general Haftar controla os poços do sul e os terminais do leste, mas não pode exportar diretamente o petróleo bruto por causa do embargo internacional. Este é um dos principais motivos desta guerra.

Chegada de refugiados

Além de interesses petrolíferos, a Itália quer bloquear a chegada de refugiados. Lembramos que para impedir a viagem de migrantes para a Europa, e principalmente para a Itália, em 2017 foi assinado um acordo entre o governo italiano, que na época era de centro-esquerda, e o Governo de União Nacional Líbio, liderado por Fayez al Sarraj.

O acordo prevê um financiamento para infraestrutura e assistência técnica para a guarda de fronteira da Líbia. Na ocasião, o premiê líbio, Al Sarraj apresentou uma lista para a Itália, pedindo navios, helicópteros, barcos de borracha, automóveis, telefones, e vários materiais que equivaliam a € 800 milhões. Em troca, a Líbia impediria a partida de migrantes.

Este acordo foi criticado por várias instituições internacionais, entre elas o Escritório do Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) e a Anistia International porque os migrantes na Líbia vivem em prisões e são torturados.

Violência diminui em protestos em Hong Kong, mas movimento mantém reivindicações

Israel recua e autoriza visita de deputada americana “por razões humanitárias”

Tropas chinesas na fronteira com Hong Kong anunciam mais tensão nos protestos

Suécia endurece lei antitabaco e proíbe até cigarro eletrônico em locais públicos

Festival de Cinema de Locarno tem filmes sobre índios e negros no Brasil

República Democrática do Congo não consegue conter ebola e registra novas contaminações

Renegociação do acordo sobre Itaipu não põe fim à crise política no Paraguai

EUA e China retomam negociações comerciais em Xangai, mas sem grandes entusiasmos

Após fim de semana de confrontos em Hong Kong, Pequim quer punição dos manifestantes

Festival de música eletrônica expõe Bélgica como polo europeu de drogas pesadas