rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Zelenski, o ator que virou presidente da Ucrânia, país estratégico para a Europa

Por RFI

Cinco anos depois da Maidan, a onda de protestos pró-Europa que transformou a Ucrânia, o país acaba de eleger o ator e comediante Volodimir Zelensky para presidência. Zelensky obteve uma vitória esmagadora, com cerca de 73% dos votos. A Europa acompanhou de perto as eleições presidenciais na Ucrânia, que são essenciais para as ex-repúblicas soviéticas.

Letícia Fonseca-Sourander, correspondente da RFI em Bruxelas

O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, afirmou que “as eleições livres e mudança pacífica de poder representam a forte democracia no país”. Nunca um presidente ucraniano obteve um apoio tão maciço, afirmou o jornal Le Monde. A vitória do ator e comediante Volodimir Zelensky reafirma a tendência atual de eleger um “outsider” do sistema político.

Há quem considere Zelensky um populista que sabe atuar com talento o papel de homem simples e sincero. Assim como o personagem que vive na série de TV, “Servo do Povo”, na qual interpreta um presidente ideal para os ucranianos que luta contra a corrupção. Exatamente o anti retrato da classe política de Kiev.

Durante a campanha, Zelensky prometeu “quebrar o sistema” sem se desviar do curso pró-Ocidente. O candidato vitorioso de um dos países mais pobres da Europa, onde o salário médio é de 300 euros mensais, quer a Ucrânia na Otan e garante que vai seguir o caminho em direção à Europa.

Tensão com Moscou

A Ucrânia é um país estratégico geograficamente e marcado pela tensão com Moscou. Cerca de 80% das exportações russas de gás passam pela Ucrânia, e a Europa importa da Rússia um terço do gás que consome. Há cinco anos a Rússia anexou a península da Crimeia, área de maioria russa que havia sido cedida a Kiev pelos soviéticos.

Desde então as relações entre o presidente russo Vladimir Putin e o Ocidente deterioraram. União Europeia e EUA impuseram sanções econômicas pelo fato do Kremlin ignorar a soberania e a integridade territorial da Ucrânia. Com a anexação, a presença militar russa no Mar Negro está expandindo e a Rússia passou a controlar toda a extração do gás natural na região.

Programa vago

A vertiginosa ascensão de Zelensky se deve em grande parte ao fato de o comediante ser um novo rosto na política do país, totalmente fora do padrão do establishement. Os ucranianos elegeram um novato sem nenhuma experiência política e com um programa bastante vago. Foi um voto contra as elites de Kiev consideradas corruptas e incompetentes pelo povo. O sucesso de Zelensky como comediante também foi decisivo para sua vitória. Inclusive, seu partido “Servo do Povo” tem o mesmo nome da famosa série em que atua.

No limite entre ficção e realidade, os ucranianos votaram no presidente fictício vivido pelo candidato na série, e sua vitória representa um pulo no escuro para a Ucrânia. Desafios não faltarão a Zelensky, que terá que enfrentrar uma economia em frangalhos e a ainda presente guerra com os separatistas pró-russos, no leste do país, que já matou cerca de 13 mil pessoas.

Críticos de Zelensky o acusam de ser pró-Moscou, mas a acusação parece não se sustentar pois o candidato vitorioso mantém laços com o oligarca anti-Rússia, Ilhor Kolomoiski. No final de outubro, os ucranianos voltam às urnas para renovar o Parlamento com as eleições legislativas.

 

Acusado de inoperância, governo Bolsonaro testará apoio das ruas no domingo

Tsunami político na Áustria freia avanço da extrema direita do país nas eleições europeias

Em meio à tensão entre Irã e EUA, americanos se opõem a mais uma guerra

Festival de Cannes ainda está longe da paridade entre homens e mulheres no cinema

Aumento de tarifas americanas entra em vigor e deve acirrar guerra comercial entre EUA e China

China x EUA: guerra comercial de longo prazo é desafio para investidores

Após 48 horas de violência, entra em vigor cessar-fogo na Faixa de Gaza

Matteo Salvini visita Hungria para discutir "pacto europeu" com o nacionalista Viktor Orbán

Dia do Trabalho de tensão na Venezuela com manifestações pró e contra Maduro

Biden inicia campanha em Pittsburgh para conquistar operários que votaram em Trump

Espanha: Partido Socialista vence legislativas e extrema direita entra no Congresso

Ciclone Kenneth devasta ilha em Moçambique com ventos de mais de 200 km/h

"Direito internacional deve prevalecer à lei do mais forte", diz Putin após reunião com Kim Jong-Un

Morte de jornalista reabre ferida dos anos sangrentos na Irlanda do Norte