rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Morte de jornalista reabre ferida dos anos sangrentos na Irlanda do Norte

Por RFI

O funeral da jornalista Lyra McKee, morta com uma bala perdida durante confrontos entre a polícia e o grupo chamado de Novo Ira, será realizado nesta quarta-feira (24) na Irlanda do Norte. O incidente reabre um capítulo triste da história do Reino Unido.

Vivian Oswald, correspondente da RFI em Londres

A Catedral de Sant'ana, em Belfast, capital da Irlanda do Norte, vai ser palco de uma cena que irlandeses e britânicos não imaginavam ver de novo tão cedo. A jornalista Lyra McKee, de 29 anos, morreu na noite da última quinta-feira (18) em meio a um tiroteio em Londonderry

Momentos antes de morrer, McKee compartilhou uma foto no Twitter com uma imagem dos confrontos, dizendo: “Derry esta noite. Loucura completa”. Vários atos violentos marcaram aquela noite.

A origem da violência foi a uma operação policial em várias residências nos bairros de Mulroy Park e Galliagh. Segundo a polícia irlandesa, grupos dissidentes preparavam ataques na cidade durante a semana da Páscoa.

As buscas foram mal recebidas pelos locais. Dezenas de explosivos foram lançados contra os agentes e dois carros foram incendiados.

Na terça-feira (23), por meio de um comunicado, o grupo Novo IRA assumiu sua participação no confronto ao "lamentar profundamente" a morte da jornalista. O documento explica que McKee morreu no contexto de “um ataque contra o inimigo”, no momento em que ela estava no lado das “forças inimigas”. A jornalista estava atrás de um carro blindado da polícia.

Tudo isso traz de volta à cabeça de irlandeses e britânicos uma página que parecia virada da sua história, os anos que ficaram conhecidos como “The Troubles" (os problemas). 

A comoção da população com a morte de McKee foi imensa. Os seis principais partidos políticos da Irlanda do Norte publicaram uma declaração conjunta após o episódio. A primeira-ministra britânica, Theresa May, confirmou presença no funeral da jornalista.

The Troubles”: anos problemáticos

Os conflitos na Irlanda do Norte duraram de 1968 a 1998 e mataram mais de 3.500 pessoas. Foi a mais longa campanha militar britânica desde que as tropas foram enviadas à Irlanda do Norte em agosto de 1969 para lidar com os protestos dos separatistas, que queriam deixar o Reino Unido monarquista e se juntar à Republica da Irlanda.

O que havia sido descrito como um movimento temporário de emergência durou 38 anos. Só foi terminar de fato, após o cessar-fogo entre o IRA e os paramilitares unionistas.

O fim das bombas não foi suficiente para diminuir o medo em Belfast, onde muros e cercas com arames farpados ainda recortam parte da cidade de apenas 240 mil habitantes. Separam as áreas onde vivem católicos - ainda em maioria - e protestantes.

Pelas paredes da cidade vê-se que as lembranças dos anos de violência ainda são presentes e atormentam o imaginário coletivo. Pinturas com palavras de ordem ou apenas a menção à memória dos nacionais mortos durante os inúmeros conflitos dentro da província de Ulster não deixam ninguém esquecer.

Como atua o Novo IRA

O novo IRA é uma espécie de nova versão do antigo grupo. A facção, menor do que a original, nunca aceitou o acordo de paz e a entrega das armas, em 2005.

Para os dissidentes republicanos, o governo britânico e seus representantes continuam sendo forças de ocupação, inimigos da sua causa de se separar do Reino Unido e se juntar à República da Irlanda. O grupo também teria sido responsável pela explosão de um carro em janeiro. Não houve feridos.

O que preocupa é se o passado poderá voltar ao presente. A Irlanda do Norte é visto como um pequeno barril de pólvora no quintal da Inglaterra, dentro da União Europeia. A região é uma das mais pobres do bloco.

Impasse no acordo para o Brexit

A Irlanda do Norte é um ponto crucial no acordo para o Brexit. Uma das principais razões para o impasse interno no Reino Unido é a insatisfação generalizada com os termos do chamado “backstop”, uma espécie de plano de contingência para evitar que seja reerguida uma fronteira física entre a República da Irlanda – que faz parte da União Europeia - e a Irlanda do Norte – que pertence ao Reino Unido.

Um dos compromissos definidos em prol da paz, o chamado “Acordo da Sexta-Feira Santa”, prevê a ausência de fronteiras entre o norte e o sul da ilha – que não garante o Brexit negociado pela primeira-ministra britânica.

Israel: Netanhyahu acusado de tentar ganhar votos com promessa de anexar colônias

Com paridade entre mulheres e homens, nova Comissão Europeia é apresentada em Bruxelas

Parlamento britânico vota nova proposta para realização de eleições antecipadas

Portugal promove campanha por igualdade salarial entre homens e mulheres

Bolívia é recorde em feminicídio na América do Sul e tema entra para campanha eleitoral

Opositores ao Brexit travam batalha parlamentar e jurídica para adiar planos de Johnson

Alemanha: extrema direita avança em eleições no leste, mas ainda não é principal força política

Protestos “contra golpe” de Johnson levarão milhares às ruas no Reino Unido

"Vergonha de comprar": nova tendência sueca para preservar meio ambiente

Escalada de tensão na Faixa de Gaza a 20 dias de eleições gerais em Israel

Lorenzoni detalha à RFI decisão do Brasil de rejeitar ajuda do G7 para a Amazônia

Em Biarritz, Boris Johnson tenta ainda alternativa para um Brexit menos drástico

Crise italiana: presidente dá ultimato a partidos e quer novo governo até terça-feira

Incêndio destrói 500 mil hectares de vegetação na Bolívia e abala campanha de Evo Morales

Europa se prepara para liberar cannabis para tratar epilepsia em crianças

Derrota de Macri desarmaria trio Macri-Bolsonaro-Trump na América do Sul

Violência diminui em protestos em Hong Kong, mas movimento mantém reivindicações