rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Tsunami político na Áustria freia avanço da extrema direita do país nas eleições europeias

Às vésperas das eleições europeias, ministros do ultraconservador Partido da Liberdade da Áustria (FPÖ) deixaram o governo na segunda-feira (20), depois que veio à tona um escândalo envolvendo o então vice-chanceler e líder da extrema direita, Heinz-Christian Strache. O tsunami político deve ter consequência nas urnas: pesquisas já apontam a queda na intenção de votos para a legenda populista.

Letícia Fonseca-Sourander, correspondente da RFI em Bruxelas

A renúncia dos ministros é um desdobramento de uma crise política sem precedentes na Áustria, que teve início no último fim de semana, quando a imprensa alemã publicou um vídeo comprometedor com o então líder da extrema-direita e vice-chanceler austríaco, Heinz-Christian Strache. Ele pretendia fechar contratos públicos em troca de apoio financeiro para sua campanha eleitoral com a suposta sobrinha de um oligarca russo.

A divulgação do vídeo explosivo filmado em Ibiza forçou a renúncia de Strache, implodiu a coalizão ultraconservadora que formava o governo e levou o chanceler austríaco, Sebastian Kurz, a demitir o ministro do Interior, Herbert Kickl, para garantir uma investigação transparente sobre o escandâlo.

Após a queda de Kickl, os ministros da Defesa, do Trabalho e do Transporte também resolveram abandonar suas pastas. Todos eram filiados ao principal partido de extrema-direita do país, o Partido da Liberdade (FPÖ). Com o escândalo, a coalizão governista de conservadores e extrema-direita que comandava o país desde 2017 caiu e eleições foram antecipadas para setembro.

Queda de 6% nas intenções de voto

Além das fronteiras austríacas, o escândalo apelidado de "Ibizagate" não deve influenciar o voto europeu: dificilmente haverá um efeito dominó a curto prazo na cabeça do eleitor de outros países do bloco. No entanto, na Áustria o caso já está freando o avanço da extrema-direita no país.

De acordo com as últimas pesquisas, o FPÖ registrou uma queda de 6% das intenções de voto, caindo de 24% para 18%. A Áustria irá eleger 18 dos 751 deputados do Parlamento Europeu nas eleições que começam na quinta-feira (23).

Apesar do grande número de partidos nacionalistas e populistas concorrendo nas urnas, Bruxelas espera um avanço limitado destas legendas e acredita que os partidos democráticos devem continuar no comando das decisões da União Europeia.

Suspeita de envolvimento da Rússia

Especialistas acreditam que o “Ibizagate” é apenas a ponta de um iceberg. Segundo analistas, outros partidos de extrema-direita na Europa receberiam dinheiro estrangeiro para influenciar a política europeia. Esse seria o caso da Reunião Nacional, de Marine Le Pen, na França, do Alternativa para a Alemanha (AfD), o Partido do Brexit, de Nigel Farage, no Reino Unido, e do populista Fidesz, de Viktor Órban, na Hungria.

O Kremlin é acusado de estar por trás destes financiamentos. Há dois anos, a campanha presidencial de Le Pen contou com dinheiro proveniente de bancos russos. Segundo a imprensa italiana, o populista Matteo Salvini, que é vice-primeiro ministro e ministro do Interior da Itália, teria cogitado receber recursos vindos da Rússia, que prefere ver uma Europa fragmentada.

Crise italiana: presidente dá ultimato a partidos e quer novo governo até terça-feira

Incêndio destrói 500 mil hectares de vegetação na Bolívia e abala campanha de Evo Morales

Europa se prepara para liberar cannabis para tratar epilepsia em crianças

Derrota de Macri desarmaria trio Macri-Bolsonaro-Trump na América do Sul

Violência diminui em protestos em Hong Kong, mas movimento mantém reivindicações

Israel recua e autoriza visita de deputada americana “por razões humanitárias”

Tropas chinesas na fronteira com Hong Kong anunciam mais tensão nos protestos

Suécia endurece lei antitabaco e proíbe até cigarro eletrônico em locais públicos

Festival de Cinema de Locarno tem filmes sobre índios e negros no Brasil

República Democrática do Congo não consegue conter ebola e registra novas contaminações

Renegociação do acordo sobre Itaipu não põe fim à crise política no Paraguai

EUA e China retomam negociações comerciais em Xangai, mas sem grandes entusiasmos

Após fim de semana de confrontos em Hong Kong, Pequim quer punição dos manifestantes