rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Brasil-Mundo
rss itunes

Forró vira mania em Portugal e brasileiros investem no mercado do baião

Os europeus se renderam ao Forró e, em Portugal, há muitas aulas, oficinas, bailes, festivais, e projetos que envolvem pessoas de diferentes países, como o mineiro Enrique Matos, que ajuda a difundir o ritmo no continente.

Fábia Belém, correspondente da RFI em Lisboa

Natural da cidade mineira de Conceição do Mato Dentro, Enrique conheceu o ritmo popularizado pelo pernambucano Luiz Gonzaga ainda criança. Ele se lembra que todos os dias, às 5 da manhã, ouvia a Triste Partida, poema escrito por Patativa do Assaré e imortalizado em canção na voz de Gonzaga. O que Enrique não imaginava é que também seria um emigrante, assim como o retirante da Triste Partida.

Em 2008, já em Belo Horizonte, ele largou o emprego numa loja de roupas e se mudou para Lisboa. Os CDs e os discos de vinil de forró vieram na bagagem. A zabumba também. Ele lembra que “a cena do forró” estava no início na capital portuguesa. Logo que chegou, o mineiro conseguiu trabalho. Primeiro em restaurantes e depois em hotéis, mas ele não tardou a descobrir os caminhos do forró na terra do fado.

Começou a tocar zabumba em eventos de rua organizados por algumas freguesias e em shows de artistas brasileiros, em Lisboa. Depois vieram as aulas de forró. Enrique se envolveu em tantos projetos que, em 2010, decidiu dedicar todo o seu tempo ao que mais gostava e se tornou um dos promotores do ritmo na Europa. Ele já perdeu a conta de quantas cidades já foi levando o ritmo do nordeste do Brasil, mas faz questão de ressaltar que tudo começou na capital mineira. “Em Belo Horizonte foi onde a gente se formou forrozeiro mesmo, que a gente começou a pesquisar, ouvir muita música”, explica Enrique.

Em ritmo de forró

Enrique vive no ritmo do forró. O verão ainda nem começou na Europa e o brasileiro já pensa no que terá no inverno: o festival ‘Baião em Lisboa’. Ele é responsável pelo evento, que acontece anualmente, sempre no mês de dezembro. E como tem acontecido, homenageia um artista brasileiro, que também participa da festa. Este ano será a vez de Anastácia, cantora, compositora e parceira musical do também cantor e compositor Dominguinhos, que morreu em 2013.

Além dos festivais, muitos outros eventos e oficinas de forró, Enrique Matos também trabalha como DJ em bailes badalados da capital portuguesa. Um deles é o conhecido Forró da Liberdade, que leva o nome da Avenida onde ocorre o arrasta-pé. “Vou lá com a minha pasta de CDs e sempre faço os bailes, e como a gente tem muitos alunos, vai muita gente pra lá. Então, são centenas de pessoas, trezentas, quatrocentas pessoas no centro de Lisboa dançando. Aí, você imagina, é gente do mundo inteiro. Ali passa muita gente. É lindo o Forró da Liberdade”.

Baião em Lisboa

Em 2015, o brasileiro criou, em Lisboa, o Espaço Baião, onde quase duzentas pessoas de vários países tem aprendido a dançar forró. “Grande parte [dos alunos] é portuguesa, claro, mas há franceses, italianos, alemães, temos da Arábia Saudita, temos de tudo quanto é lugar”, diz Enrique.

As aulas acontecem de segunda à quinta-feira, sempre à noite, e vão do nível zero ao intermediário. O “Forró Zero”, como é chamado, é o nível para quem nunca dançou forró. Depois de quatro ou cinco aulas, segundo Enrique Matos, a pessoa já consegue acompanhar uma turma do nível de iniciados 1. As técnicas do arrasta-pé ficam sob a responsabilidade de uma equipe de oito pessoas: Enrique e sua sócia portuguesa, Camila Alves, mais seis ex-alunos que se tornaram monitores - uma italiana, um brasileiro e quatro portugueses.

A psicóloga clínica italiana Elisabetta Cocco é uma das monitoras do Espaço. Ela conheceu o forró em Berlim, mas somente aprendeu a dançar quando veio a Lisboa. “Eu me apaixonei só de olhar, e quando eu vim morar aqui eu procurei as aulas porque eu queria aprender a dançar isso. Quando nós dançamos, não quero dizer que se esquece de tudo por um momento, mas é como estar num outro mundo”, afirma Cocco.

Há oito meses, o serralheiro português Diogo Marinho faz aulas de forró. Conta com entusiasmo que chegou a dizer ao filho o quanto gosta do ritmo. “Eu até já disse ao meu filho: ‘O pai só tem duas coisas na vida: és tu e o forró´”. 

Viver de forró

Além de dar aulas regulares de forró no Espaço Baião, a sócia de Enrique, a portuguesa Camila Alves, também desenvolve diversos outros projetos ligados ao ritmo. É convidada para participar de congressos e workshops até fora da Europa. Recentemente esteve no Japão.  “Vivo do forró, dá pra viver do forró. Vários países já têm muitos alunos e querem constantemente mais conhecimento, mais professores e mais festivais, eventos e tudo”, revela a portuguesa.

Atacado pelo governo de Bolsonaro no Brasil, educador Paulo Freire é celebrado na Suíça

Navio-escola Brasil atraca pela primeira vez em Israel com maior turma de aspirantes da história

Instituições brasileiras que combatem a cegueira ganham destaque com prêmio na Europa

Estudo de cientista brasileira sobre ligação entre células inova no combate de várias doenças

Israel: brasileira ensina hebraico online para recém-chegados e fãs do Velho Testamento

Empresária brasileira aposta em brigadeiros para conquistar consumidores israelenses

Em Portugal, brasileiros são os imigrantes que mais recorrem a programa de retorno ao país de origem

Brasileiros expatriados criam canais nas redes sociais com dicas sobre viver em Portugal

Cineasta brasileiro apresenta filme sobre ator uruguaio George Hilton em festival de Milão

Jovem talento de Paraisópolis tem experimento testado em parceria com a Nasa

Estilista Napoleão César celebra carreira na Itália com explosão de cores

Visão modernista do paisagista Burle Marx é destaque em exposição em Nova York

Brasileiro de 13 anos é primeiro sul-americano no principal concurso de violino do mundo

Brasil disputa mercado de locações de filmagens em Hollywood, mas ainda é pouco competitivo

Nacionalismo dos húngaros leva cineasta brasileiro a produzir filme na Alemanha

UE tem problema de comunicação e não desperta paixões, diz brasileira especialista em política europeia