rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Brasil-Mundo
rss itunes

Nacionalismo dos húngaros leva cineasta brasileiro a produzir filme na Alemanha

Por Adriana Moysés

O cineasta, poeta, performer e artista digital carioca Márcio-André Sousa Haz vive há seis anos em Budapeste, mas está de mudança para Berlim, onde irá dirigir seu primeiro longa-metragem: "Transparency of Evil". Em entrevista à RFI, ele conta que o fato de os húngaros serem fechados e nacionalistas passou a limitar sua carreira. “Aqui é bom para começar, mas para continuar como diretor é impossível.”

Enviada especial à Budapeste

O brasileiro de 41 anos venceu no ano passado o prêmio do FEST - Pitching Forum, festival internacional realizado em Portugal que promove o financiamento e a coprodução de projetos cinematográficos. A conquista definiu sua mudança para a Alemanha.

Antes de trocar o Brasil pela Europa, Sousa Haz já tinha uma carreira movimentada na áerea cultural. Ele foi um dos sócios-fundadores da editora Confraria do Vento, no Rio de Janeiro, onde publicou livros de poesia e ensaios. Seu livro "Poemas apócrifos de Paul Valéry" foi indicado para os prêmios Jabuti e Oceanos. O carioca tem textos traduzidos para mais de vinte idiomas, bem como performances realizadas em Londres, Paris, Veneza, Roterdã, Buenos Aires e Nova York, entre outras cidades.

Sousa Haz mudou-se para Budapeste depois de visitar a Hungria em duas ocasiões, a primeira para fazer uma conferência na universidade e depois convidado para uma performance. A essa altura, ele já estava muito envolvido com o cinema, fazendo curta-metragens e videoclipes. Ele teve aulas com grandes nomes do setor, como o americano Roman Coppola, o iraniano Asghar Farhadi, o australiano Stephan Elliott e o britânico Christopher Hampton. Seu curta "A primeira vez que vi Francis Taylor em câmera lenta", de 2016, ganhou 12 prêmios em festivais internacionais.

Com a premiação do projeto de longa-metragem conquistada no ano passado, a mudança para Berlim se tornou uma evidência. “Eu vou deixar a Hungria por questões profissionais. Os húngaros são um pouco fechados, em vários aspectos, para trabalhos com o cinema. Eles estão acostumados a trabalhar com equipes internacionais nas grandes produções, mas no momento de filmar uma produção húngara, vão privilegiar o profissional húngaro", conta. "Para mim é difícil, porque eu não sou húngaro, não falo a língua com fluência, sequer compreendo o que é ser húngaro, eu não me sinto húngaro. Se eu estivesse na Espanha, onde morei, ou em Portugal, acho que seria mais fácil para me adaptar. Mas aqui é impossível. É por isso que eu vou para a Alemanha, que é mais cosmopolita, tem maior abertura para estrangeiros e muitos grandes artistas estão lá” , explica.

O curioso, diz, é que a Hungria tem uma longa história ligada ao cinema.“Eles têm muitos profissionais que foram para Hollywood, como os criadores da Warner, que são húngaros, muitos diretores de fotografia e produtores. Então, existe uma grande influência dos profissionais húngaros no cinema americano. Outra coisa é que a partir dos anos 2000, grandes produções americanas começaram a vir para Budapeste, como “Evita” e “Blade Runner”", cita. "Por ano, seis ou sete superproduções americanas são filmadas em Budapeste por causa da isenção de taxas e pelo fato deles terem profissionais e toda a infraestrutura, depois do trabalho feito pelo Andrew Wajna, que foi um grande produtor húngaro."

Sousa Haz explica, no entanto, que essas produções não são acessíveis aos húngaros criativos, e sim aos técnicos. Produtores assistentes ou coloristas, por exemplo, conseguem fazer trabalhos grandes na Hungria por serem atividades mais técnicas. Já um diretor de arte, um assistente de direção ou os diretores vêm todos de fora, do país de origem do filme.

Protecionismo cultural

O brasileiro conta que o circuito húngaro é ainda mais fechado. “Para o cinema húngaro, eles trabalham entre eles. O financiamento vem do Fundo Húngaro de Cinema. No meu caso é mais complicado porque sou estrangeiro, o que não me permite ter acesso a esses fundos. Como eles são muito nacionalistas, reservam para eles mesmos essas verbas. Para começar é muito bom, para avançar, enquanto diretor, eu tenho as minhas dúvidas.”

Nos últimos anos, diretores húngaros conquistaram importantes prêmios internacionais. O longa “O Filho de Saul”, de Lázló Nemes, venceu o Oscar de melhor filme estrangeiro em 2016. “Corpo e Alma”, da diretora Ildikó Enyedi, conquistou o Urso de Ouro no Festival de Berlim, no ano seguinte. Mas, como observa Sousa Haz, não são histórias políticas.

Aqui não se consegue financiamento para filme político. Eu estou terminando um videoclipe de uma banda húngara que se chama Besh O Drom, que mistura punk-rock com folk húngaro. Nós fizemos um vídeo que é bastante político, porque eles criticam o Parlamento. A gente não sabe como isso vai ser recebido, por ser completamente inusual. Você não vê crítica política em vídeo, em cinema, em nada na Hungria. Se você pensar em filmes americanos, na França e até no Brasil se faz filme político… Mas não existe esse tipo de coisa na Hungria.” O cineasta brasileiro vai deixar a Hungria na hora certa.

Atacado pelo governo de Bolsonaro no Brasil, educador Paulo Freire é celebrado na Suíça

Navio-escola Brasil atraca pela primeira vez em Israel com maior turma de aspirantes da história

Instituições brasileiras que combatem a cegueira ganham destaque com prêmio na Europa

Estudo de cientista brasileira sobre ligação entre células inova no combate de várias doenças

Israel: brasileira ensina hebraico online para recém-chegados e fãs do Velho Testamento

Empresária brasileira aposta em brigadeiros para conquistar consumidores israelenses

Em Portugal, brasileiros são os imigrantes que mais recorrem a programa de retorno ao país de origem

Brasileiros expatriados criam canais nas redes sociais com dicas sobre viver em Portugal

Cineasta brasileiro apresenta filme sobre ator uruguaio George Hilton em festival de Milão

Jovem talento de Paraisópolis tem experimento testado em parceria com a Nasa

Estilista Napoleão César celebra carreira na Itália com explosão de cores

Visão modernista do paisagista Burle Marx é destaque em exposição em Nova York

Brasileiro de 13 anos é primeiro sul-americano no principal concurso de violino do mundo

Brasil disputa mercado de locações de filmagens em Hollywood, mas ainda é pouco competitivo

Forró vira mania em Portugal e brasileiros investem no mercado do baião

UE tem problema de comunicação e não desperta paixões, diz brasileira especialista em política europeia