rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Contra antissemitismo, governo alemão convoca passeata de quipá

O governo alemão convocou a população para sair às ruas neste sábado usando quipá, chapéu usado pelos judeus, na maior parte do tempo em ocasiões especiais. A ideia é um protesto contra o antissemitismo, que vem aumentando no país.

Márcio Damasceno, correspondente da RFI em Berlim

A iniciativa acontece após o comissário governamental de combate ao antissemitismo, Felix Klein, ter recomendado aos judeus que evitassem usar o acessório em público. A declaração foi feita em uma entrevista à imprensa, no último final de semana.

O conselho foi duramente criticado por representantes da comunidade judaica. O presidente de Israel, Reuven Rivlin, acusou a Alemanha de "capitular” diante do antissemitismo, ao sugerir que judeus evitem chamar a atenção, em vez de trabalhar para que eles transitem de forma livre e segura em lugares públicos no país.

Depois das reações, Klein voltou atrás e afirmou que sua intenção era "provocar o debate", sugerindo que os alemães saíssem às ruas em Berlim e outras cidades alemãs em solidariedade aos judeus.

O dia escolhido foi o Dia Mundial do Al-Quds, data instituída em 1979 pelo líder iraniano aiatolá Khomeini contra Israel e em solidariedade ao povo palestino. A data é marcada por passeatas e outras manifestações de caráter antissemita em algumas cidades do planeta, incluindo Berlim.

O governo alemão escolheu esse dia para marcar sua oposição ao crescimento do antissemitismo, associado, entre outras coisas, ao sucesso da extrema direita nas urnas. O maior exemplo disso é a ascensão do partido AfD (Alternativa para a Alemanha), legenda eurocética e com características xenófobas, que entrou no Parlamento alemão em 2017 e possui a maior bancada parlamentar de oposição.

Imigração muçulmana

Parte do antissemitismo crescente também é atribuída a migrantes muçulmanos que chegaram recentemente à Alemanha, vindos do norte da África ou de países como Afeganistão, Síria e Iraque.

Segundo dados do governo alemão, no ano passado, os casos de antissemitismo no país cresceram cerca de 20% em relação a 2017, enquanto o número de agressões físicas contra judeus cresceu de 37 em 2017 para 69 em 2018.

O ministro do Interior, Horst Seehofer, afirmou que cerca de 90% dos 1.800 incidentes registrados foram realizados por apoiadores de grupos de extrema direita. Entre os casos estão discursos de ódio, pichações antissemitas e exibição de símbolos proibidos pela legislação alemã, como a suástica nazista. A chanceler alemã, Angela Merkel disse que o governo alemão está comprometido a combater o antissemitismo de forma determinada.

Em meio à discussão, o tabloide Bild, jornal alemão de maior circulação, imprimiu em suas páginas um quipá para os leitores recortarem e usarem. Dois jornais de Berlim já haviam tomado a iniciativa em abril de 2018, dias depois de dois homens que usavam o acessório terem sido atacados na rua da capital alemã por um refugiado sírio de 19 anos. Na época, milhares de pessoas foram às ruas em Berlim usando a quipá como símbolo da luta contra o antissemitismo. Os jovens que foram atacados afirmaram que não eram judeus e estavam usando o quipá apenas para testar se é mesmo perigoso andar em Berlim.

Mercosul discute reformas internas para enfrentar concorrência europeia

Patrimônio da Unesco, Festival Naadam festeja séculos de tradição nômade na Mongólia

Campanha eleitoral começa na Argentina com Brasil e EUA reforçando apoio a Macri

Após aprovação de texto-base, deputados votam destaques que podem mudar reforma da Previdência

Para evitar gravidez precoce, projeto investe em visita de jovens jogadoras brasileiras à Holanda

Favorito, Johnson enfrenta Hunt em 1° debate na TV entre candidatos a premiê no Reino Unido

Terremotos na Califórnia reavivam medo de "Big One", tremor com consequências trágicas

ONGs aplaudem relatório da ONU sobre Direitos Humanos na Venezuela e pedem justiça

Mais de 1,4 milhão de refugiados vão precisar de reassentamento até 2020, diz agência da ONU

Central sindical argentina classifica acordo UE-Mercosul como “industricídio”

Prisão da capitã do navio "Sea-Watch 3" divide opinião pública da Itália

Com recusa de Salvini, navio humanitário Sea-Watch volta a águas internacionais

Foto de pai e filha mortos ressalta drama humano no debate sobre a imigração nos EUA

Novas sanções dos EUA ao Irã devem secar entrada de dinheiro no país

Sucesso eleitoral da extrema direita colabora com clima de terror na Alemanha

Brasil apoia candidato chinês para substituir Graziano na liderança da FAO

Michelle Bachelet se encontra com Maduro e Guaidó durante visita à Venezuela

Boris Johnson é favorito em nova votação para definir sucessor de Theresa May