rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Contra antissemitismo, governo alemão convoca passeata de quipá

O governo alemão convocou a população para sair às ruas neste sábado usando quipá, chapéu usado pelos judeus, na maior parte do tempo em ocasiões especiais. A ideia é um protesto contra o antissemitismo, que vem aumentando no país.

Márcio Damasceno, correspondente da RFI em Berlim

A iniciativa acontece após o comissário governamental de combate ao antissemitismo, Felix Klein, ter recomendado aos judeus que evitassem usar o acessório em público. A declaração foi feita em uma entrevista à imprensa, no último final de semana.

O conselho foi duramente criticado por representantes da comunidade judaica. O presidente de Israel, Reuven Rivlin, acusou a Alemanha de "capitular” diante do antissemitismo, ao sugerir que judeus evitem chamar a atenção, em vez de trabalhar para que eles transitem de forma livre e segura em lugares públicos no país.

Depois das reações, Klein voltou atrás e afirmou que sua intenção era "provocar o debate", sugerindo que os alemães saíssem às ruas em Berlim e outras cidades alemãs em solidariedade aos judeus.

O dia escolhido foi o Dia Mundial do Al-Quds, data instituída em 1979 pelo líder iraniano aiatolá Khomeini contra Israel e em solidariedade ao povo palestino. A data é marcada por passeatas e outras manifestações de caráter antissemita em algumas cidades do planeta, incluindo Berlim.

O governo alemão escolheu esse dia para marcar sua oposição ao crescimento do antissemitismo, associado, entre outras coisas, ao sucesso da extrema direita nas urnas. O maior exemplo disso é a ascensão do partido AfD (Alternativa para a Alemanha), legenda eurocética e com características xenófobas, que entrou no Parlamento alemão em 2017 e possui a maior bancada parlamentar de oposição.

Imigração muçulmana

Parte do antissemitismo crescente também é atribuída a migrantes muçulmanos que chegaram recentemente à Alemanha, vindos do norte da África ou de países como Afeganistão, Síria e Iraque.

Segundo dados do governo alemão, no ano passado, os casos de antissemitismo no país cresceram cerca de 20% em relação a 2017, enquanto o número de agressões físicas contra judeus cresceu de 37 em 2017 para 69 em 2018.

O ministro do Interior, Horst Seehofer, afirmou que cerca de 90% dos 1.800 incidentes registrados foram realizados por apoiadores de grupos de extrema direita. Entre os casos estão discursos de ódio, pichações antissemitas e exibição de símbolos proibidos pela legislação alemã, como a suástica nazista. A chanceler alemã, Angela Merkel disse que o governo alemão está comprometido a combater o antissemitismo de forma determinada.

Em meio à discussão, o tabloide Bild, jornal alemão de maior circulação, imprimiu em suas páginas um quipá para os leitores recortarem e usarem. Dois jornais de Berlim já haviam tomado a iniciativa em abril de 2018, dias depois de dois homens que usavam o acessório terem sido atacados na rua da capital alemã por um refugiado sírio de 19 anos. Na época, milhares de pessoas foram às ruas em Berlim usando a quipá como símbolo da luta contra o antissemitismo. Os jovens que foram atacados afirmaram que não eram judeus e estavam usando o quipá apenas para testar se é mesmo perigoso andar em Berlim.

Elizabeth Warren desponta como a pré-candidata preferida dos democratas

Turquia ignora sanções dos EUA e promete intensificar ataques no norte da Síria

Partido ultraconservador vence eleição na Polônia e prosseguirá reformas controvertidas

Alemanha: autor de ataque contra sinagoga afirma ter sido motivado por ideias de extrema direita

Briga por processo de impeachment pode fortalecer a reeleição de Trump

Postura instável de Trump no norte da Síria ameaça futuro de curdos e pode fortalecer grupo EI

Papa Francisco condena "proselitismo religioso que força conversões" na Amazônia

Com coalizão "Geringonça", socialista António Costa desponta como vencedor do pleito em Portugal

Assassinato de jornalista saudita completa um ano sem punição e sem corpo

Manifestante é ferido a tiros em Hong Kong em protesto contra festa da China comunista

Catedral de Manaus celebra missa para religiosos que irão ao Sínodo do Vaticano

Maioria no Senado americano, republicanos não temem ameaça de impeachment

Derrubada de vetos de Bolsonaro à Lei de Abuso de Autoridade fortalece Congresso, diz presidente do Senado

Secretário-geral da ONU nega ter vetado Brasil e outros países na Cúpula do Clima