rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Boris Johnson é favorito em nova votação para definir sucessor de Theresa May

A corrida para substituir Theresa May no posto de primeira-ministra do Reino Unido fica ainda mais acirrada a partir desta terça-feira (18). Seis candidatos enfrentam novas rodadas de votações entre os parlamentares do Partido Conservador. Apenas dois concorrentes podem passar para a próxima fase, quando militantes do partido terão o direito de eleger o líder. O ex-prefeito de Londres Boris Johnson, um dos arquitetos do Brexit, está na liderança.

Maria Luísa Cavalcanti, correspondente da RFI em Londres

Nesta rodada de votação, só têm o direito de participar os membros do Partido Conservador que são parlamentares eleitos. Ou seja, um total de 314 pessoas. O candidato que obtiver menos de 33 votos ou for o menos votado será eliminado. Se necessário, novas rodadas continuam a ocorrer até a quinta-feira (20), ou até que sobrem apenas dois candidatos. São esses dois que enfrentarão o voto dos militantes filiados ao partido – um total de 160 mil pessoas. O futuro primeiro-ministro só será conhecido oficialmente em julho.

A corrida está sendo marcada pela liderança do ex-prefeito de Londres e ex-ministro do Exterior Boris Johnson. Na primeira rodada de votações, na semana passada, ele obteve 114 votos dos parlamentares – mais do que a soma dos outros três candidatos mais próximos a ele na corrida. Johnson também é o favorito entre os militantes e está tão seguro de sua liderança que tem optado por permanecer longe de qualquer controvérsia. Ele se recusou a participar de um debate na TV com seus rivais no último domingo e tem evitado falar com a imprensa. No entanto, o candidato prometeu comparecer a um novo debate na noite desta terça-feira, caso sobreviva à votação durante a tarde.

Calote na União Europeia

Johnson é o candidato preferido de 53,6% dos militantes filiados ao partido. Para efeito de comparação, o próximo da lista é o atual ministro do Desenvolvimento, Rory Stewart, com apenas 11,4% da preferência conservadora. Muito desse favoritismo vem da posição enfática de Johnson em relação ao Brexit: ele defende que o Reino Unido saia da União Europeia em 31 de outubro com ou sem acordo, e já anunciou que inicialmente não vai pagar ao bloco as 39 bilhões de libras que o país deve por se desligar.

Os demais pré-candidatos, apesar de defenderem o Brexit, falam em pedir uma extensão do prazo para a saída ou em renegociar um novo acordo com a União Europeia. Ou seja, Boris Johnson tem um apelo enorme junto aos britânicos que querem ver o Brexit acontecer, custe o que custar. Além disso, outra pesquisa, divulgada no último domingo, mostra que 47% dos eleitores consideram que Johnson seria o único líder conservador capaz de derrotar os trabalhistas e talvez o ultranacionalista Nigel Farage nas próximas eleições gerais, inicialmente marcadas para 2022.

Falta de experiência administrativa

Para os eleitores dele, Johnson representa alguém que vai fazer o Brexit virar realidade. Mas uma sondagem realizada em maio indicou que 54% dos britânicos duvidam que ele seria um bom primeiro-ministro. Dentre os seis conservadores que estão disputando a liderança do partido, ele é o que tem menos experiência administrativa no governo nacional, tendo ocupado o cargo de ministro do Exterior por dois anos, coberto de críticas.

É verdade que Johnson foi o prefeito de Londres por dois mandatos, mas trata-se de um cargo de poder limitado, já que muitas das políticas de gestão da cidade são criadas e administradas pelas subprefeituras. Políticos e analistas críticos a Boris Johnson o acusam de ter uma retórica populista e xenófoba, e muitos também consideram preocupante sua recente aproximação ao jornalista ultradireitista Steve Bannon, um dos principais estrategistas por trás da eleição de Donald Trump nos Estados Unidos.

Os dois pré-candidatos mais votados na primeira rodada, ainda que longe de Johnson, foram o atual ministro do Exterior, Jeremy Hunt, e o ministro do Meio Ambiente, Michael Gove. Gove era um grande aliado de Johnson – juntos os dois comandaram a campanha pelo Brexit no referendo de 2016. Já Hunt é visto como mais moderado, apesar de ter colecionado muitos inimigos quando foi ministro da Saúde e implementou mudanças drásticas no NHS, o sistema de saúde pública.

Nenhum deles tem a popularidade de Johnson entre os militantes conservadores, mas até a próxima etapa terminar e o novo primeiro-ministro ser conhecido, em 22 de julho, muita coisa ainda pode mudar. Até lá, Theresa May permanece no cargo.

Linha Direta: A cidade de Veneza tem nova maré alta; Pisa e Florença estão em alerta

Cubanos celebram 500 anos de Havana com eventos culturais e festas pelas ruas

Proposta de eutanásia para quem "está cansado de viver" cria polêmica na Bélgica

Transporte público, bicicleta, cafezinho do próprio bolso: conheça a filosofia finlandesa de respeito ao dinheiro público

Bolívia tenta sair do vácuo de poder e evitar cenário de guerra civil

Sob embalo de vitória de Lula, esquerda latino-americana se reúne em Buenos Aires

Deputados árabes de Israel fazem greve de fome contra violência e inação da polícia

Congresso americano começa a votar trâmite de impeachment do presidente Donald Trump

Ventos semelhantes a furacão colocam Califórnia em alerta máximo contra incêndios

Número de refugiados e migrantes venezuelanos no mundo vai superar em breve o de sírios

Uma pedra no sapato de Bolsonaro: o peronismo volta ao poder na Argentina

Argentina: peronista Alberto Fernández pode vencer eleições presidenciais no 1° turno

Espanha exuma restos mortais de Franco, enterrado ao lado de vítimas da guerra civil

Realizando protestos diários, Catalunha monopoliza debate político antes de eleições legislativas

Evo Morales enfrentará inédito segundo turno na Bolívia e perde controle no Congresso