rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Reino Unido: imbróglio do Brexit e crise com Irã à espera do novo primeiro-ministro

Os britânicos conhecerão finalmente o nome do seu 77o. primeiro-ministro nesta terça-feira (23). Tudo indica que Boris Johnson, ex-ministro de Relações Exteriores do governo conservador, seja o escolhido, e não Jeremy Hunt, seu oponente na disputa, que é o atual ministro de Relações Exteriores.

Vivian Oswald, correspondente da RFI em Londres

 

O novo premiê assume o cargo já na quarta-feira (24), quando se encontra com a rainha Elizabeth II, que, de acordo com o protocolo, o convida a formar o governo. Sobre a sua mesa, terá pelo menos duas crises de grande magnitude que precisará resolver de imediato: uma interna, que é o imbróglio do Brexit, e a outra, externa, com a escalada das tensões com o Irã, que acaba de apreender um petroleiro de bandeira britânica no Estreito de Osmuz. Esta última pode atropelar a agenda do novo primeiro-ministro nos primeiros dias de governo.

No fim de semana, o Irã avisou que a liberação do petroleiro vai depender da cooperação dos tripulantes a bordo, que serão questionados. Vale lembrar que há uma semana foi o Reino Unido que apreendeu na costa de Gibraltar, um petroleiro que estaria levando óleo do Irã para a Síria.

O governo britânico anunciou que o Executivo informará o Parlamento  sobre "medidas complementares" que pretende adotar contra o Irã. Não está claro que tipo de medidas podem ser, uma vez que já estão em vigor sanções econômicas, financeiras e políticas contra o Irã. Mas uma das alternativas que tem sobre a mesa seria justamente a de convencer ONU e a União Europeia a impor novas sanções ao Irã.

O ministro de Relações Exteriores Britânico, Jeremy Hunt, manifestou neste fim semana aos iranianos a sua preocupação com os desdobramentos desta crise. E avisou que haveria sérias consequências se o petroleiro não fosse liberado. Neste fim de semana, Londres notificou o Conselho de Segurança de que a apreensão do petroleiro no Estreito de Ormuz é ilegal.

A própria disputa do Brexit impõe complicações para o Reino Unido atuar no caso do Irã. A relação britânica com o resto da Europa está longe de viver seu melhor momento. E, além disso, o outro potencial aliado de Londres, os Estados Unidos também têm as suas diferenças com o país. O Reino Unido discorda dos americanos sobre o futuro do acordo nuclear do Irã.

O vazamento das comunicações do embaixador britânico em Washington com o Londres, em que criticava a atuação de Donald Trump, chamando-o de inepto, também tratou de esgarçar a boa vontade dos americanos. O diplomata se demitiu. Mas o caso ainda é muito recente. Um outro complicador é o fato de que, semana passada, os dois candidatos ao posto de primeiro-ministro do Reino Unido condenaram as declarações consideradas racistas de Trump em relação a deputadas americanas de origem estrangeira.

Brexit sem acordo?

Tudo isso mostra que o momento não podia ser mais complicado para o Reino Unido. O novo primeiro-ministro assumirá o cargo no olho do furacão. Ele terá de achar uma solução para a crise com o Irã, sem perder o Brexit de foco. Isso porque o tempo não para, e o dia 31 de outubro está cada vez mais próximo. Esse é o prazo oficial para que o país deixe a União Europeia (UE). E ainda não se sabe se o divórcio vai acontecer com ou sem acordo com o lado europeu. 

A falta de um acordo, pode aprofundar a crise política no país e criar sérias dificuldades econômicas. É um cenário que especialistas e políticos gostariam de evitar. Neste sábado, o atual ministro das Finanças, Phillip Hammond, avisou que, se Boris Johnson vencer o páreo, ele pretende se demitir, porque não concebe estar em um governo que considere uma saída da UE sem acordo. 

Britânicos cansados

O país vive uma espécie de paralisia desde o referendo de junho de 2016, por estreita margem, em que os cidadãos optaram por deixar a União Europeia. Todas as agendas que não são o divórcio ficaram em segundo plano. E a população está cansada dessa novela, e ainda muito dividida. Ou seja, além de ter de encontrar uma saída para o Brexit, o novo primeiro-ministro ainda terá a missão de buscar uma reconciliação entre todos os lados. Esse é um grande desafio não apenas para ele, mas para o seu partido, os conservadores, que estão no poder desde 2010. Desde o referendo proposto pelo ex-primeiro-ministro David Cameron, os conservadores não conseguiram eles próprios mostrar unidade. Sua popularidade caiu como nunca no país. Seu desempenho na última eleição europeia foi o pior de todos os tempos.

 

Violência diminui em protestos em Hong Kong, mas movimento mantém reivindicações

Israel recua e autoriza visita de deputada americana “por razões humanitárias”

Tropas chinesas na fronteira com Hong Kong anunciam mais tensão nos protestos

Suécia endurece lei antitabaco e proíbe até cigarro eletrônico em locais públicos

Festival de Cinema de Locarno tem filmes sobre índios e negros no Brasil

República Democrática do Congo não consegue conter ebola e registra novas contaminações

Renegociação do acordo sobre Itaipu não põe fim à crise política no Paraguai

EUA e China retomam negociações comerciais em Xangai, mas sem grandes entusiasmos

Após fim de semana de confrontos em Hong Kong, Pequim quer punição dos manifestantes

Festival de música eletrônica expõe Bélgica como polo europeu de drogas pesadas