rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Alemanha: integração de migrantes ao mercado de trabalho é crescente

Por Márcio Damasceno

Quatro anos depois que a Alemanha abriu as fronteiras para refugiados da guerra na Síria e no Iraque, no auge da crise migratória na Europa, quase 400 mil dos que chegaram desde então ao país em busca de refúgio já estão empregados.

Os novos números parecem contradizer os piores temores daqueles que criticaram a política de portas abertas da chanceler Angela Merkel

Do correspondente da RFI em Berlim

Segundo o Instituto para Pesquisa de Mercado de Trabalho e Profissão (IAB) da Alemanha, um número cada vez maior dos que entraram no país a partir de 2015 em busca de refúgio consegue emprego na Alemanha.

Já entraram no mercado de trabalho alemão, conforme o instituto, cerca de 35% daquelas pessoas em idade ativa vindas dos oito países de origem mais importantes. São eles: Síria, Afeganistão, Iraque, Eritreia, Paquistão Nigéria, Somália e Irã.

Isso corresponde a cerca de 400 mil pessoas. E a tendência é de crescimento, avisa o instituto. Em agosto do ano passado esse número era ainda de cerca de 306 mil.

Profissões mais simples

Entre os 400 mil que encontraram trabalho, quase a metade foi empregada para desempenhar funções assistência em profissões mais simples, muitos em regime de tempo parcial e em grande parte em áreas como de produção, limpeza, gastronomia e agricultura.

Mas o instituto ressalta também que só uma pequena parcela tem se dedicado a cursos de formação profissional: dos 1,2 milhão desses migrantes citados na estatística, somente 44 mil estão fazendo atualmente um curso profissionalizante. Por isso, os especializas alertam ser preciso haver maior investimento na formação profissional para possibilitar uma melhor integração dos estrangeiros.

No auge da crise de refugiados, quatro anos atrás, a chanceler Angela Merkel foi muito criticada. Uma das consequências políticas da crise foi a ascensão e a entrada no Parlamento alemão de um partido de extrema direita, em 2017. Esses novos números do mercado de trabalho chegam a repercutir no clima político do país?

O partido de ultradireita AfD ainda continua com força nas pesquisas de intenção de voto e ainda tem a maior bancada parlamentar de oposição. Mas apresenta uma discreta tendência de queda, enquanto os conservadores de Merkel mostram sinais de recuperação, ainda que fracos.

Estabilidade e meio ambiente

Mas a economia da Alemanha continua estável, a taxa de desemprego permanece baixa, e à medida que os refugiados vão se integrando os argumentos xenófobos da extrema direita vão perdendo força.

A expectativa é que com esses novos números e a própria diminuição da entrada de refugiados registrada ultimamente, a política de migração deixe de ser um tema dominante como vinha sendo nas últimas eleições, e o meio ambiente volte a ganhar um maior destaque. Um indício disso é a alta popularidade atual do Partido Verde. Ele está em segundo lugar nas pesquisas, quase emparelhado com os conservadores de Merkel.
 

 

Transporte público, bicicleta, cafezinho do próprio bolso: conheça a filosofia finlandesa de respeito ao dinheiro público

Bolívia tenta sair do vácuo de poder e evitar cenário de guerra civil

Sob embalo de vitória de Lula, esquerda latino-americana se reúne em Buenos Aires

Deputados árabes de Israel fazem greve de fome contra violência e inação da polícia

Congresso americano começa a votar trâmite de impeachment do presidente Donald Trump

Ventos semelhantes a furacão colocam Califórnia em alerta máximo contra incêndios

Número de refugiados e migrantes venezuelanos no mundo vai superar em breve o de sírios

Uma pedra no sapato de Bolsonaro: o peronismo volta ao poder na Argentina

Argentina: peronista Alberto Fernández pode vencer eleições presidenciais no 1° turno

Espanha exuma restos mortais de Franco, enterrado ao lado de vítimas da guerra civil

Realizando protestos diários, Catalunha monopoliza debate político antes de eleições legislativas

Evo Morales enfrentará inédito segundo turno na Bolívia e perde controle no Congresso

Elizabeth Warren desponta como a pré-candidata preferida dos democratas

Turquia ignora sanções dos EUA e promete intensificar ataques no norte da Síria