rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Alemanha: integração de migrantes ao mercado de trabalho é crescente

Por Márcio Damasceno

Quatro anos depois que a Alemanha abriu as fronteiras para refugiados da guerra na Síria e no Iraque, no auge da crise migratória na Europa, quase 400 mil dos que chegaram desde então ao país em busca de refúgio já estão empregados.

Os novos números parecem contradizer os piores temores daqueles que criticaram a política de portas abertas da chanceler Angela Merkel

Do correspondente da RFI em Berlim

Segundo o Instituto para Pesquisa de Mercado de Trabalho e Profissão (IAB) da Alemanha, um número cada vez maior dos que entraram no país a partir de 2015 em busca de refúgio consegue emprego na Alemanha.

Já entraram no mercado de trabalho alemão, conforme o instituto, cerca de 35% daquelas pessoas em idade ativa vindas dos oito países de origem mais importantes. São eles: Síria, Afeganistão, Iraque, Eritreia, Paquistão Nigéria, Somália e Irã.

Isso corresponde a cerca de 400 mil pessoas. E a tendência é de crescimento, avisa o instituto. Em agosto do ano passado esse número era ainda de cerca de 306 mil.

Profissões mais simples

Entre os 400 mil que encontraram trabalho, quase a metade foi empregada para desempenhar funções assistência em profissões mais simples, muitos em regime de tempo parcial e em grande parte em áreas como de produção, limpeza, gastronomia e agricultura.

Mas o instituto ressalta também que só uma pequena parcela tem se dedicado a cursos de formação profissional: dos 1,2 milhão desses migrantes citados na estatística, somente 44 mil estão fazendo atualmente um curso profissionalizante. Por isso, os especializas alertam ser preciso haver maior investimento na formação profissional para possibilitar uma melhor integração dos estrangeiros.

No auge da crise de refugiados, quatro anos atrás, a chanceler Angela Merkel foi muito criticada. Uma das consequências políticas da crise foi a ascensão e a entrada no Parlamento alemão de um partido de extrema direita, em 2017. Esses novos números do mercado de trabalho chegam a repercutir no clima político do país?

O partido de ultradireita AfD ainda continua com força nas pesquisas de intenção de voto e ainda tem a maior bancada parlamentar de oposição. Mas apresenta uma discreta tendência de queda, enquanto os conservadores de Merkel mostram sinais de recuperação, ainda que fracos.

Estabilidade e meio ambiente

Mas a economia da Alemanha continua estável, a taxa de desemprego permanece baixa, e à medida que os refugiados vão se integrando os argumentos xenófobos da extrema direita vão perdendo força.

A expectativa é que com esses novos números e a própria diminuição da entrada de refugiados registrada ultimamente, a política de migração deixe de ser um tema dominante como vinha sendo nas últimas eleições, e o meio ambiente volte a ganhar um maior destaque. Um indício disso é a alta popularidade atual do Partido Verde. Ele está em segundo lugar nas pesquisas, quase emparelhado com os conservadores de Merkel.
 

 

Crise italiana: presidente dá ultimato a partidos e quer novo governo até terça-feira

Incêndio destrói 500 mil hectares de vegetação na Bolívia e abala campanha de Evo Morales

Europa se prepara para liberar cannabis para tratar epilepsia em crianças

Derrota de Macri desarmaria trio Macri-Bolsonaro-Trump na América do Sul

Violência diminui em protestos em Hong Kong, mas movimento mantém reivindicações

Israel recua e autoriza visita de deputada americana “por razões humanitárias”

Tropas chinesas na fronteira com Hong Kong anunciam mais tensão nos protestos

Suécia endurece lei antitabaco e proíbe até cigarro eletrônico em locais públicos

Festival de Cinema de Locarno tem filmes sobre índios e negros no Brasil

República Democrática do Congo não consegue conter ebola e registra novas contaminações

Renegociação do acordo sobre Itaipu não põe fim à crise política no Paraguai

EUA e China retomam negociações comerciais em Xangai, mas sem grandes entusiasmos

Após fim de semana de confrontos em Hong Kong, Pequim quer punição dos manifestantes