rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Brasil-Mundo
rss itunes

Carioca se destaca na cena artística contemporânea alemã

Por RFI

Formada pela Escola de Artes Visuais (EAV) do Parque Lage e radicada há 22 anos em Berlim, a artista plástica Carla Guagliardi já contabiliza quatro exposições no país este ano. Filha do cantor Carlos Galhardo, por pouco não seguiu a carreira musical.

Por Cristiane Ramalho, correspondente da RFI em Berlim

Carla estudou na EAV do Parque Lage, no Rio de Janeiro, numa época culturalmente vibrante na cidade: meados dos anos 80, com o país recém-saído da ditadura militar.

No casarão da zona sul carioca, artistas experimentavam novas linguagens, formas e cores. Carla tinha aulas de desenho, pintura e 3D, muita liberdade para testar materiais, e nenhuma autocensura.

“A plasticidade do primeiro material que me tocou muito foi a água. Comecei a experimentar cores, misturas... Até que aquilo foi se depurando e o elemento água e as suas questões físicas foram se tornando predominantes. Foi aí que a coisa começou”, lembra Carla, de 63 anos.

Hoje, suas obras estão em museus como o MAM, no Rio de Janeiro, e em coleções e galerias nos Estados Unidos, Inglaterra e Índia.  

Ano promissor

A água está presente em obras como “Às Parcas e ao Edi” – instalação exibida em Dresden, no leste da Alemanha, em julho. É um trabalho delicado, que fala de equilíbrio, vulnerabilidade, temporalidade e interdependência – temas recorrentes no trabalho da artista.

A instalação é feita por uma esfera de vidro, repleta de água e transpassada por fios de cobre, aço e algodão. Está presa à parede, mas sua posição pode mudar conforme o comportamento dos materiais.

A obra fazia parte da prestigiada coleção da família Hoffmann, doada no início do ano à SKD – instituição que agrega 15 museus públicos de Dresden.

Concebida há quase 25 anos, ganha agora nova perspectiva. “O fato de a coleção ter sido doada para a cidade de Dresden insere o trabalho num contexto maior, onde se abre um diálogo entre a tradição e a contemporaneidade”, diz Carla.

Ela não gosta de termo “conceitual” para definir sua obra. “Não há trabalhos contemporâneos que prescindam de conceitos – os conceitos são os pensamentos, a linguagem que você desenvolve. O meu trabalho é a minha linguagem”.

É como se houvesse uma sequência ao longo de toda a sua produção, avalia. “No final, é como um livro. Como se a gente pudesse ver vários capítulos da mesma história. Tenho conceitos que perpassam todo o meu trabalho, como equilíbrio precário e vulnerabilidade, que sempre voltam, quase de forma inconsciente”.

O ano tem sido promissor para a artista. Além da exposição em Dresden, Carla também participou de outra individual, em Berlim, encerrada em abril. E tem agendadas duas coletivas, que vão acontecer em Bochum e Karlsruhe.

Na trilha de Carlos Galhardo

Nos anos 80, Carla participou ainda de uma experiência única no Rio, também no Parque Lage: o curso de teatro do grupo Asdrúbal Trouxe o Trombone, formado por nomes como Regina Casé, Luiz Fernando Guimarães e Evandro Mesquita (ex-Blitz), hoje bem conhecidos do público.

“Fomos também um dos grupos fundadores do Circo Voador (badalado centro cultural carioca). Ali eu comecei a mergulhar nesse universo", diz Carla, que era da turma comandada por Perfeito Fortuna.

Professora de educação artística do município, a carioca tinha ido buscar no teatro um acesso para novas linguagens. “Pouco depois, resolvi fazer o curso de artes”. E não parou mais.  

Foi a segunda vez que Carla mudou seu percurso. Filha do renomado cantor Carlos Galhardo, ela cresceu cercada por artistas como Ciro Monteiro e Vicente Celestino. Chegou a cantar com o pai em alguns shows. “Claro que pensei em ser cantora. Eu fui cantora. Acho que sou cantora (risos)”, diz.

O pai, já famoso, se entusiasmava com a ideia de um dos filhos seguir a carreira. “Não aconteceu, mas cheguei bem perto disso”, diz Carla. Quando a filha passou a se dedicar ao teatro, o cantor também a incentivou. “Ele ia assistir, ficava feliz. Quando ele se foi é que me embrenhei pelas artes plásticas. Talvez a decisão tenha sido um pouco o silenciamento desse percurso junto a ele”.

 

Israel: brasileira ensina hebraico online para recém-chegados e fãs do Velho Testamento

Empresária brasileira aposta em brigadeiros para conquistar consumidores israelenses

Em Portugal, brasileiros são os imigrantes que mais recorrem a programa de retorno ao país de origem

Brasileiros expatriados criam canais nas redes sociais com dicas sobre viver em Portugal

Cineasta brasileiro apresenta filme sobre ator uruguaio George Hilton em festival de Milão

Jovem talento de Paraisópolis tem experimento testado em parceria com a Nasa

Estilista Napoleão César celebra carreira na Itália com explosão de cores

Visão modernista do paisagista Burle Marx é destaque em exposição em Nova York

Brasileiro de 13 anos é primeiro sul-americano no principal concurso de violino do mundo

Brasil disputa mercado de locações de filmagens em Hollywood, mas ainda é pouco competitivo

Forró vira mania em Portugal e brasileiros investem no mercado do baião

Nacionalismo dos húngaros leva cineasta brasileiro a produzir filme na Alemanha

UE tem problema de comunicação e não desperta paixões, diz brasileira especialista em política europeia

Escritor ítalo-brasileiro cria associação para ajudar estrangeiros na Itália

Ítalo-brasileira disputa vaga de eurodeputada para ser "a voz da Amazônia" no Parlamento Europeu

Executiva brasileira lança em Londres rede social inédita sobre ansiedade no trabalho