rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Itália Migrantes Justiça

Publicado em • Modificado em

Justiça da Itália ordena desembarque dos migrantes do navio da Open Arms em Lampedusa

media
Tàu cứu thuyền nhân Open Arms gần bờ biển ở Lampedusa, Ý. Ảnh chụp ngày 15/08/2019. REUTERS/Guglielmo Mangiapane

O Ministério Público italiano determinou nesta terça-feira (20) o desembarque de cerca de 90 migrantes a bordo do navio da ONG espanhola Open Arms na ilha de Lampedusa. Segundo comunicado, a decisão foi tomada pelo promotor de Agrigento, Luigi Patronaggio, após uma inspeção da polícia judiciária e dois médicos na embarcação humanitária, que aguardava por uma decisão há 19 dias.


Patronaggio determinou que os migrantes desembarquem nas próximas horas em solo italiano. A decisão foi anunciada pouco depois que um navio militar saiu da Espanha, nesta terça-feira, em direção à embarcação da Open Arms para o resgate de cerca de 90 pessoas.

"A situação no barco é explosiva, de máxima urgência", reconheceu o promotor de Agrigento. Patronaggio também tomou a decisão de abrir uma investigação por sequestro de pessoas, omissão e recusa de ajuda oficial.

Para o ministro do Interior, a decisão o visa diretamente. "Se alguém acha que vai me assustar com a enésima denúncia e abertura de processo, engana-se. É uma piada convencer a Espanha a enviar um navio para fazer os migrantes desembarcarem na Itália e julgar o ministro do Interior que continua a defender as fronteiras do país", publicou o líder da extrema direita italiana em seu Twitter.

Migrantes se jogaram no mar

Cerca de 15 migrantes que estavam a bordo do navio humanitário da Open Arms se atiraram no mar nesta terça-feira, sem coletes salva-vidas, para tentar chegar a nado a Lampedusa. A embarcação estava bloqueada a cerca de um quilômetro da costa da ilha até esta tarde nas águas italianas, proibida pelo governo da Itália de ancorar em qualquer porto do país.

A Open Arms recolheu mais de 140 migrantes à deriva na costa da Líbia, mas os menores e doentes puderam ser retirados do navio nos últimos dias. Restam cerca de 90 pessoas na embarcação onde a situação sanitária é calamitosa, ressalta há vários dias a ONG. "A situação está fora de controle", publicou a Open Arms em sua conta no Twitter.

O governo espanhol enviou nesta terça-feira um navio militar para resgatar os migrantes. Madri já havia proposto no domingo (18) que a embarcação humanitária atracasse em Algeciras, no sul, ou nas ilhas Baleares, no oeste. Mas, para a ONG, a operação era "absolutamente irrealizável". Devido à distância, seriam necessários mais três dias de navegação, uma espera "insustentável", segundo os ativistas.

Seis países europeus vão acolher os migrantes

Há vários dias, seis países europeus - França, Alemanha, Luxemburgo, Portugal, Romênia e Espanha - anunciaram que vão receber os migrantes do navio da Open Arms. Ainda assim, o ministro italiano do Interior, Matteo Salvini, continuava inflexível sobre a proibição de acolher a embarcação em um porto do país.

O destino dos migrantes suscitou trocas de farpas entre a Espanha e Salvini, acusado de querer tirar proveito político do caso em plena crise política em Roma. "A firmeza é a única maneira de impedir que a Itália se torne novamente o acampamento de refugiados da Europa, como demonstra o barco da ONG espanhola cheia de falsos doentes e falsos menores", publicou o líder da extrema direita italiana no Twitter.