rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Parlamento britânico vota nova proposta para realização de eleições antecipadas

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, tenta nesta segunda-feira (9), convencer os parlamentares do país a aprovarem a realização de eleições antecipadas em 15 de outubro. Esta é a segunda vez em menos de uma semana que o primeiro-ministro faz esta proposta ao Parlamento, depois que a casa aprovou um projeto de lei que determina que o líder deve pedir à União Europeia uma extensão do prazo oficial para o Brexit, de 31 de outubro para 31 de janeiro de 2020.

Maria Luisa Cavalcanti, correspondente da RFI em Londres

Na última quarta-feira (4), praticamente toda a bancada do principal partido da oposição, o Trabalhista, se absteve do voto, derrotando Johnson, que precisa da aprovação por pelo menos dois terços do Parlamento para convocar eleições antecipadas. Nesta segunda-feira, espera-se que, entre trabalhistas, liberais-democratas, verdes, nacionalistas da Escócia e do País de Gales, parlamentares independentes e membros do próprio partido governista - o Conservador -, a maioria parlamentar volte a bloquear os planos do primeiro-ministro.

Na tentativa de obter mais apoio para a votação desta segunda-feira, Johnson se reuniu pela manhã com o primeiro-ministro da Irlanda, Leo Varadkar, com quem discutiu novas garantias para o futuro da fronteira entre os dois países. Esse é um dos pontos mais polêmicos do Brexit e um dos motivos pelo qual a ex-premiê Theresa May não conseguiu a aprovação parlamentar para o acordo que ela fechou com a União Europeia.

Segundo analistas, a convocação de eleições antecipadas parece inevitável para Boris Johnson, que, em apenas uma semana, sofreu sucessivas derrotas no Parlamento, perdeu a maioria parlamentar e teve de aceitar a renúncia de dois importantes aliados: a ministra do Bem-Estar Social, Amber Rudd, e seu próprio irmão, Jo Johnson, ministro das Universidades. Ambos discordaram da decisão do primeiro-ministro de expulsar do Partido Conservador 21 parlamentares que votaram contra a extensão do prazo para o Brexit.

Johnson na liderança

Pesquisas de opinião indicam que se houvesse uma eleição hoje, o partido de Johnson, o Conservador, sairia vencedor, com 35% dos votos, contra 21% para os Trabalhistas e 19% para os Liberais-Democratas. Analistas políticos acreditam que a estratégia do primeiro-ministro é vencer as eleições em 15 de outubro, garantir um apoio do novo Parlamento para sair sem acordo, que é o que acha melhor para o país, e no dia 31 de outubro, deixar a União Europeia sem olhar para trás.

É por isso que a oposição não quer que as eleições sejam realizadas agora, mas sim depois que houver garantias de que o Reino Unido terá até 31 de janeiro para negociar o Brexit com o bloco europeu e, em hipótese alguma, sair sem nenhum tipo de acordo.

Brexit em janeiro?

Nesta segunda-feira, a rainha Elizabeth II também deve ratificar a nova lei que determina que o Boris Johnson deve solicitar à União Europeia uma extensão do prazo para sair do bloco. Mas por enquanto, o maior risco para esta esta lei não ser cumprida é o próprio primeiro-ministro. Em um discurso na semana passada, ele disse que prefere “morrer na sarjeta” do que pedir aos europeus mais tempo para negociar o Brexit.

A preocupação é tanta que os líderes dos partidos de oposição já estão consultando advogados para entrar na Justiça contra Johnson, caso ele se recuse a cumprir a lei. Durante o fim de semana, no entanto, ministros próximos a ele declararam que o premiê não vai desrespeitar a lei, mas vai tentar ao máximo encontrar brechas legais no texto e tentar evitar a extensão.

Seja qual for a atitude de Johnson, a decisão final sobre uma possível prorrogação do prazo ainda cabe aos demais 27 países da União Europeia. Basta apenas o veto de um deles para que o Reino Unido tenha mesmo que sair no dia 31 de outubro. No domingo, houve rumores de que o presidente francês, Emmanuel Macron, estaria disposto a exercer esse veto, mas nada foi confirmado.

Suspensão indefinida

A agitada segunda-feira conta ainda com um debate no Parlamento de uma petição assinada por mais de 1,7 milhão de cidadãos britânicos pedindo que a casa não aceite a suspensão de cinco semanas - imposta por Boris Johnson, e que está prevista para ocorrer ainda esta semana. Na semana passada, duas cortes judiciais decidiram que a suspensão não é ilegal.

É por causa dessa perspectiva de suspensão que os membros da casa estão apressando todas as votações relativas ao Brexit e assim evitar que o país saia da União Europeia em 31 de outubro sem nenhum acordo com o bloco.

Cubanos celebram 500 anos de Havana com eventos culturais e festas pelas ruas

Proposta de eutanásia para quem "está cansado de viver" cria polêmica na Bélgica

Transporte público, bicicleta, cafezinho do próprio bolso: conheça a filosofia finlandesa de respeito ao dinheiro público

Bolívia tenta sair do vácuo de poder e evitar cenário de guerra civil

Sob embalo de vitória de Lula, esquerda latino-americana se reúne em Buenos Aires

Deputados árabes de Israel fazem greve de fome contra violência e inação da polícia

Congresso americano começa a votar trâmite de impeachment do presidente Donald Trump

Ventos semelhantes a furacão colocam Califórnia em alerta máximo contra incêndios

Número de refugiados e migrantes venezuelanos no mundo vai superar em breve o de sírios

Uma pedra no sapato de Bolsonaro: o peronismo volta ao poder na Argentina

Argentina: peronista Alberto Fernández pode vencer eleições presidenciais no 1° turno

Espanha exuma restos mortais de Franco, enterrado ao lado de vítimas da guerra civil

Realizando protestos diários, Catalunha monopoliza debate político antes de eleições legislativas

Evo Morales enfrentará inédito segundo turno na Bolívia e perde controle no Congresso