rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Tunísia : Boca de urna aponta vitória do professor Kais Saied

Alemanha Judeus Ataques extrema direita Neonazistas

Publicado em • Modificado em

Alemanha: ataque em frente a sinagoga e restaurante mata ao menos duas pessoas

media
Polícia cerca local de tiroteio em Halle, na Alemanha (09/10/2019) REUTERS/Marvin Gaul

A divisão antiterrorista do Ministério Público da Alemanha vai investigar o tiroteio ocorrido nesta quarta-feira (9) na cidade de Halle, em frente a uma sinagoga e contra um restaurante turco. Duas pessoas morreram e outras duas ficaram feridas. Um dos atiradores foi preso.


As vítimas foram atingidas no meio de uma rua, na cidade do leste da Alemanha. Os agressores tentaram entrar na sinagoga, onde acontecia uma cerimônia pela ocasião do Yom Kippur, uma das datas mais importantes do judaísmo. Cerca de 70 pessoas estavam reunidas no local, “mas a porta da entrada resistiu ao ataque”, afirmou o presidente da comunidade judaica de Halle, Max Privorotzki.  

Os atiradores então dispararam em plena rua. Um restaurante turco também foi visado por uma granada e tiros, além de um cemitério judeu, nas proximidades.

“Vários tiros foram disparados. Os supostos autores fugiram em um veículo", disse a polícia no Twitter, pedindo aos moradores que ficassem em casa.

Uma pessoa foi presa logo depois, anunciou a polícia, sem fornecer mais detalhes.

"Um atirador usava capacete e roupas militares", testemunhou um homem, que estava dentro do restaurante, em entrevista ao canal de notícias NTV. "Ele jogou uma granada no local. A granada bateu na porta e explodiu. Em seguida, o homem atirou pelo menos uma vez para dentro”, contou. “O homem sentado atrás de mim deve ter morrido. Eu me escondi no banheiro e tranquei a porta", disse.

O bairro foi cercado pela polícia e a estação de trem de Halle (estado da Saxônia-Anhalt), fechada.

Ascensão da extrema direita

O ataque ocorre meses após o assassinato de Walter Lübcke, um político pró-migrantes do partido conservador da chanceler Angela Merkel (CDU), em Hesse. O principal suspeito é membro do movimento neonazista.

O caso chocou o país, onde a extrema direita anti-imigrantes tem tido sucesso nas urnas. Os ataques despertaram o medo de um terrorismo de extrema direita, como o realizado pelo pequeno grupo NSU, responsável pelo assassinato, entre 2000 e 2007, de uma dúzia de imigrantes.

Outros precedentes violentos são um ataque a faca contra a prefeita de Colônia, Henriette Reker, em 2015, e dois anos depois contra o prefeito de Altena, Andreas Hollstein. Ambos escaparam da morte por pouco. Os dois defendiam uma política de acolhimento generosa dos migrantes, como Walter Lübcke.

Mais de 12.700 extremistas de direita considerados perigosos já foram identificados pelas autoridades.

Com informações da AFP