rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Alemanha: autor de ataque contra sinagoga afirma ter sido motivado por ideias de extrema direita

O autor do atentado em Halle, no leste da Alemanha, reconheceu diante da justiça que suas ideias antissemitas e de extrema direita o motivaram a agir, divulgou nesta sexta-feira (11) o Ministério Público do país. Segundo o governo, o país conta com cerca de 12 mil militantes ultradireitistas propensos a atos de violência.

Marcio Damasceno, correspondente da RFI em Berlim

Além da questão de segurança da comunidade judaica, existe a forte preocupação com o crescimento da extrema direita na Alemanha. Lideranças de diversos partidos alemães - incluindo as legendas da coalizão de governo - fazem uma conexão direta entre o atentado e a ascensão de discursos "incendiários" no país.

Segundo essas lideranças, ideias de partidos de extrema direita, como o Alternativa para a Alemanha (AfD), que se tornou a principal força de oposição no parlamento, tem contribuído para incitar não só o antissemitismo como o ódio a estrangeiros.

Nesta sexta-feira, o líder do AfD, Jörg Meuthen, rejeitou responsabilidade de seu partido no ocorrido. Ele também culpou o governo alemão por não ter dado proteção à sinagoga e acusou as autoridades de instrumentarem politicamente o crime.

Crescimento da xenofobia e do antissemitismo

O atirador de Halle tinha como alvo não só judeus como estrangeiros de um modo geral. Depois de tentar em vão entrar na sinagoga, ele matou uma pedestre e disparou contra uma lanchonete tipicamente turca, matando um homem que estava no restaurante.

O crescimento de incidentes violentos de fundo antissemita tem sido constante nos últimos anos no país, de acordo com as autoridades alemãs. Só entre 2017 e 2018 foi registrado um aumento de cerca de 10%. No ano passado foram 69 delitos, de simples xingamentos a agressões físicas. Segundo uma pesquisa recente, 78% dos judeus na Alemanha se sentem sob constante ameaça.

Não só o antissemitismo tem crescido, como também os próprios movimentos radicais de direita tem se fortalecido no país, tendência que também tem sido verificada pelas autoridades. A criminalidade com fundo de extrema direita, ou neonazista, é uma preocupação que levou o governo a planejar a criação de um departamento dedicado ao tema, incumbido principalmente de detectar precocemente ameaças – na internet e em outros veículos - antes que elas se tornem realidade.

De acordo com os registros do governo, mais da metade dos cerca de 24 mil militantes ultradireitistas que o governo estima existirem na Alemanha é composta de indivíduos propensos a atos de violência. Os registros de violência de extrema direita aumentaram 3,2% no ano passado em relação ao mesmo período do ano anterior.

Ameaças de morte de neonazistas contra políticos e militantes alemães não são incomuns no país. Um dos casos recentes de violência de maior repercussão envolvendo motivação de extrema direita ocorreu em junho passado: foi o assassinato do político local Walter Lübcke, do CDU, do mesmo partido de Angela Merkel, com um tiro na cabeça. O principal suspeito, que confessou o crime, é um militante neonazista.

Mais segurança à comunidade judaica

O governo da Alemanha quer intensificar o combate ao antissemitismo após o ataque ocorrido em pleno Yom Kippur, principal feriado judaico. O incidente poderia ter terminado num massacre, se não fosse a porta reforçada do templo.

Representantes da comunidade judaica na Alemanha acusaram falha das forças de segurança. Policiais não foram mobilizados para patrulhar a região da sinagoga de Halle em uma data em que o local costuma estar lotado.

Enquanto em metrópoles como Berlim, Hamburgo e Munique, os templos, escolas, associações e outras instituições judaicas são vigiados dia e noite, isso não ocorre em outras cidades menores. Cerca de 80 pessoas estavam na sinagoga de Halle quando o atirador tentou entrar no local. 

O governo da Saxônia-Anhalt, estado onde fica Halle, diz que o esquema de segurança previa que patrulhas passassem pela sinagoga. Mas as autoridades locais não acreditavam que o templo judaico pudesse ser alvo de extremistas.

O prédio dispõe de mecanismos de segurança próprios, além de portas reforçadas, como sistema de câmeras de vigilância e controle na entrada. O esquema é comum nas instituições judaicas no país inteiro - mesmo quase 75 anos após o fim da ditadura nazista.

O ministro do Interior alemão, Horst Seehofer, afirma ser necessário reforçar a vigilância em todas as sinagogas do país. Dentro de duas semanas o governo deve definir novos padrões nacionais de segurança para essas instituições.

Bolívia tenta sair do vácuo de poder e evitar cenário de guerra civil

Sob embalo de vitória de Lula, esquerda latino-americana se reúne em Buenos Aires

Deputados árabes de Israel fazem greve de fome contra violência e inação da polícia

Congresso americano começa a votar trâmite de impeachment do presidente Donald Trump

Ventos semelhantes a furacão colocam Califórnia em alerta máximo contra incêndios

Número de refugiados e migrantes venezuelanos no mundo vai superar em breve o de sírios

Uma pedra no sapato de Bolsonaro: o peronismo volta ao poder na Argentina

Argentina: peronista Alberto Fernández pode vencer eleições presidenciais no 1° turno

Espanha exuma restos mortais de Franco, enterrado ao lado de vítimas da guerra civil

Realizando protestos diários, Catalunha monopoliza debate político antes de eleições legislativas

Evo Morales enfrentará inédito segundo turno na Bolívia e perde controle no Congresso

Elizabeth Warren desponta como a pré-candidata preferida dos democratas

Turquia ignora sanções dos EUA e promete intensificar ataques no norte da Síria

Partido ultraconservador vence eleição na Polônia e prosseguirá reformas controvertidas