rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Reportagem
rss itunes

Falha dos pilotos poderia ter causado queda do AF 447

Por Ana Carolina Peliz

Mesmo que o congelamento das sondas Pitot tenha sido confirmado, são as falhas humanas que estão no centro do terceiro relatório oficial do Escritório de Investigações e análises, o BEA, que apura as causas do acidente com o voo AF 447, que fazia a rota entre Rio de Janeiro e Paris.

O novo documento aponta uma sucessão de erros dos pilotos como principal causa do acidente. O diretor do BEA Jean-Paul Troadec explicou a sequência de falhas e afirmou categoricamente que a situação poderia ter sido controlada. Segundo ele, “foi um acidente complexo, mesmo que tenha durado pouco tempo”. Segundo ele, o acidente começou com a desconexão do piloto automático, decorrente da perda das informações de velocidade, muito provavelmente causada pelo congelamento das sondas Pitot por cristais de gelo. Nesse momento, o piloto deve ter procedido de maneira duvidosa, empinando o aparelho, o que causou a perda de sustentação do avião. “Mas antes de entrar nessa situação de estol (perda de sustentabilidade do avião), com certeza a situação poderia ter sido controlada”, afirmou Troadec.

Ele também apontou possíveis falhas na formação dos pilotos da Air France, que não haviam sido treinados para enfrentar a situação de estol (perda de sustentabilidade do avião) em grandes altitudes.

O relatório também faz dez novas recomendações de segurança. A primeira pede que as autoridades reguladoras revejam o conteúdo dos programas de treinamento e de controle e imponham principalmente a implantação de exercícios específicos e regulares dedicados à pilotagem manual em caso de situações de estol. Outras recomendações dizem respeito ao registro de parâmetros de vôos adicionais e da instalação a bordo dos aviões de gravadores de imagem que permitam visualizar o conjunto do painel de bordo.

Grupo para estudar o “Fator humano”

Também segundo Troadec, ainda restam muitos dados a serem analisados. Um dos fatores que ainda não foi elucidado, por exemplo, é a atitude tomada pelo piloto. Ainda não é possível entender, a partir do material analisado, porque o piloto tomou a decisão de embicar o avião. Por isso, segundo o presidente do BEA, será criado um grupo de trabalho denominado "Fator Humano", que se encarregará de estudar as condições psicológicas e ergonômicas no momento do acidente que poderiam ter influenciado na queda do avião.

Segundo o BEA o relatório final sobre o acidente com o AF 447 ficará pronto somente no primeiro semestre de 2012.

Ouça aqui as declarações de Jean-Paul Troadec, diretor do BEA.

 

Igreja Católica quer reforçar seu papel com indígenas ameaçados de morte por madeireiros

Religiosos da Amazônia defendem introdução das tradições indígenas em rituais católicos

Padres da Amazônia defendem ordenação de homens casados para fortalecer Igreja Católica

Católicas da Amazônia esperam do Vaticano maior valorização para mulheres dentro da Igreja

Situação dos EUA gera avanços na COP 22, diz brasileira do Greenpeace

Franceses e brasileiros começam o ano em Paris sonhando com paz e trabalho

Retrospectiva: 2015 foi marcado pelo terrorismo e pela crise migratória

Manifestantes contra a COP 21 criticam proibição de realizar protestos

“Espero que o Brasil reveja sua posição sobre a Venezuela”, diz Mauricio Macri

França dará "resposta forte" aos atentados de Paris, afirma especialista

Relação entre armas legais e criminalidade não é consenso entre pesquisadores

Sucesso da COP21 depende de China aceitar revisão de metas de emissões