rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Escândalo França Fraude Jacques Chirac Política

Publicado em • Modificado em

O processo contra Chirac continua apesar da ausência do ex-presidente

media
Devido ao seu estado de saúde, o ex-presidente francês Jacques Chirac não participará das audiências. Reuters

A justiça francesa autorizou nesta segunda-feira que o ex-presidente francês seja julgado apesar de sua ausência no tribunal. Jacques Chirac, que é acusado de participação em um escândalo de criação de empregos-fantasma, não pôde comparecer ao primeiro dia de audiência no processo por causa de seu estado de saúde. O ex-chefe de Estado pode ser condenado a até dez anos de prisão.


O tribunal de Paris aceitou as justificativas enviadas pelos médicos para que Jacques Chirac fosse dispensado do julgamento que começou nesta segunda-feira. No entanto, mesmo se o ex-chefe de Estado, que tem 78 anos de idade, não comparecerá às audiências, ele continuará sendo julgado no processo que o acusa de ter facilitado a criação de empregos-fantasma quando era prefeito da capital francesa, entre 1977 e 1995. Essa é a primeira vez na história do país que um ex-presidente da república é julgado.

Chirac não compareceu ao primeiro dia de audiência, e a expectativa durante a tarde foi a de um possível pedido de uma nova perícia da justiça para comprovar o estado de saúde do ex-presidente. Mas finalmente as autoridades se contentaram com o relatório enviado na semana passada. O documento atesta que o ex-chefe de Estado sofre de “graves problemas de memória”. E como, segundo os médicos, o seu quatro é irreversível, Chirac não estaria em condições de responder às perguntas sobre seu passado. Sua mulher, Bernardette, continua descartando a hipótese de que o marido sofra do mal de Alzheimer.

O ex-presidente será representado por seus advogados. Desde o início das denúncias, ele sempre negou a existência de um sistema organizado de empregos-fantasma na prefeitura de Paris. Em tese, ele pode ser condenado a dez anos de prisão e ao pagamento de 15 mil euros de multa, cerca de 34.500 reais. Outras nove pessoas são julgadas no mesmo processo.